Opinião

Skyr é queijo

O skyr é um queijo farinhento que se apresenta como um iogurte islandês. A versão natural até é saudável mas a consistência e o sabor são desagradáveis.

É preciso dar os parabéns aos propagandistas do skyr. É a campanha publicitária mais bem montada do milénio. Não se fala noutra coisa. Deixou-se até esgotar para se dizer que era a malta fit dos ginásios que estava a comprá-lo todo.

O skyr é um queijo farinhento que se apresenta como um iogurte islandês. A versão natural até é saudável mas a consistência e o sabor são desagradáveis. Por isso, nas versões ditas de fruta, disfarça-se com adoçantes e amidos.

Sairia mais barato e mais saudável comprar um iogurte e uma peça de fruta ou outro queijo de leite desnatado com muitas proteínas, poucas calorias e pouca gordura. É tanta a propaganda que é difícil encontrar avaliações sensatas e bem informadas na Internet, como é o caso de "What Is Skyr?" de Carolyn Brotherton na Cook's Science.

No Oxford Companion To Cheese de Catherine Donnelly ela explica que o skyr era feito com o que restava do leite depois de se ter tirado a nata (para fazer manteiga). Acrescentava-se leite fresco aquecido e coalho (de origem animal, claro). Depois de azedar, escorria-se para tirar o soro, essencial para preservar carne e peixe. O que restava era o skyr que aproveitavam para comer.

Dada a dureza dos invernos era uma questão de sobrevivência. Escusado será dizer que os micróbios que ocorriam naturalmente na Islândia (durante os tais "mais de 1000 anos" da publicidade) não são os mesmos que usam nas fábricas de onde saem as toneladas de skyr que compramos.

Sim, mas a verdade nunca tem tanta graça.