Uma casa em Alfama invulgarmente aberta

Fotografia de Daniel Malhão
Fotogaleria
Fotografia de Daniel Malhão

Imaculadas paredes brancas, águas claras e espaços estreitos – é a Casa de Alfama. Localiza-se abaixo do Mosteiro de São Vicente de Fora e junto ao Panteão Nacional. A obra é a recuperação de um dos edifícios limítrofes de Alfama com inspiração medieval, caso raro numa área e que os edifícios são maioritariamente posteriores ao terramoto de 1755. A casa é invulgarmente aberta ao exterior e situa-se ao lado de uma escola com que antigamente formava um conjunto palaciano. As renovações do edifício, ao longos dos tempos, trouxeram-lhe novas paredes e hoje o traçado interno das subdivisões, fruto de uma intervenção reorganizadora, forma quatro pátios. Um dos pátios está inundado de água, através de uma fonte e pode ser usado como uma piscina. O conjunto remete para o imaginário da ruína, intercalando espaços abertos com pequenos abrigos, mas a remodelação foi feita a pensar no cenário de arrendamento local. Actualmente, a casa funciona como alojamento para quem quer visitar Alfama, sendo por isso particularmente interessante a vista, em várias direcções, de que se pode usufruir. Pedro Matos Gameiro explica, no vídeo de apresentação da obra, que a casa facilita a quem a visita perceber em que ponto de Alfama se encontra e perceber melhor a organização do bairro. O arquitecto sublinha ainda que o projecto tenciona permitir aos “visitantes ter experiências”. A Casa de Alfama foi reestruturada, em 2016, pelo arquitecto atelier Matos Gameiro arquitectos.

Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Fotografia de Daniel Malhão
Sugerir correcção