Mélenchon não vai apoiar Macron, Le Pen aproveita

Muitos eleitores do candidato de esquerda radical declaram que se vão abster. A candidata de extrema-direita está a cortejar os eleitores do campo oposto.

Foto
Macron fala com trabalhadores de uma fábrica em risco de encerrar. Le Pen esteve lá antes, sem ser anunciada PASCAL ROSSIGNOL/Reuters

O candidato de esquerda radical Jean-Luc Mélenchon anunciou que não vai apelar ao voto em qualquer dos dois candidatos que passaram à segunda volta das presidenciais francesas, Emmanuel Macron ou Marine Le Pen, quando na Internet muitos dos seus apoiantes lançavam uma campanha pela abstenção nas redes sociais. Marine Le Pen foi rápida a identificar um meio de ganhar votos e enviou um folheto com as semelhanças entre o programa de Mélenchon e o da Frente Nacional (esquecendo obviamente a imigração) aos apoiantes do candidato de esquerda.

A campanha para a segunda volta foi ainda marcada por uma acção de Marine Le Pen, que apareceu, sem aviso prévio, numa fábrica da Whirlpool em Amiens, a cidade de Macron, onde este se reunia com dirigentes sindicais. Le Pen prometeu aos trabalhadores que a fábrica não seria deslocalizada para a Polónia e assim estes manteriam os seus postos de trabalho; foi recebida com euforia e selfies com os trabalhadores em greve.

Macron reuniu-se com representantes sindicais e enfrentou a multidão de seguida. As descrições sobre o que se passou divergem conforme quem conta, uns relatos gabam a coragem do antigo ministro enfrentar trabalhadores enfurecidos e conversar com eles, outros dizem que Macron se mostrou desajeitado perante a cólera dos presentes (onde se encontravam também apoiantes da Frente Nacional).

Nas redes sociais, a candidatura de Le Pen usava duas imagens – uma de Marine rodeada pelos trabalhadores, outra de Macron numa sala com dirigentes – para apoiar o retrato que a Frente Nacional quer impor para a segunda volta: Le Pen, a defensora do povo, contra Macron, o defensor das elites.

Numa entrevista na véspera à estação de televisão francesa TF1, Le Pen apresentou o seu adversário como “o candidato da oligarquia”, alguém que “só vê as grandes cidades”, acusou. Mais, respondendo a uma questão sobre que qualidades vê no adversário, Le Pen não apontou nenhuma e lançou-se numa tirada contra Macron: “O projecto do senhor Macron é um projecto fratricida”, declarou. “Vai pôr as comunidades umas contra as outras, as pessoas umas contra as outras, como num reality show de televisão violento, brutal, e cruel, em que é o mais forte, o mais duro, que vencerá.”

Macron acusou, pelo seu lado, a adversária de fazer “falsas promessas”, explicando que mesmo que Le Pen fosse eleita a fábrica poderia fechar, e que a candidata da Frente Nacional não iria “resolver nenhum dos problemas de França”.

A rapidez de Le Pen

Mélenchon, que obteve 19,6% dos votos, ficando num quarto lugar muito perto de François Fillon (20%) e de Le Pen (21,3%), poderá dar força a esta ideia ao dizer que não apelará ao voto em Macron (o primeiro com 24%), ao contrário do que fez em 2002 da única vez que a Frente Nacional passou à segunda volta de umas presidenciais francesas com Jean-Marie Le Pen, pai de Marine, contra Jacques Chirac.

Então, o apoio a Chirac foi generalizado (Mélenchon incluído) e o conservador venceu com 82,2% contra 17,8% de Le Pen. Hoje a situação é totalmente diferente, e embora as sondagens prevejam uma vitória de Macron, que se apresenta como centrista, antecipa-se que Le Pen possa ter 30 ou mesmo 40%, algo absolutamente inédito para a extrema-direita em França.

Outros dados inéditos: nestas eleições venceram dois candidatos que não pertencem aos grandes partidos, o que mostra um grande cansaço dos eleitores com a política tradicional, e ainda a percentagem de votos em candidatos claramente anti-europeus foi de 40%, a mais alta de sempre.

Le Pen foi, mais uma vez, rápida a reagir e a aproveitar as semelhanças (já o tinha feito em palco europeu, quando disse que ficaria feliz com uma vitória do Syriza de Alexis Tsipras na Grécia em 2015), com o cortejar dos eleitores de Mélenchon, sublinhando medidas comuns dos dois programas como a saída dos tratados europeus, da NATO, a manutenção do regime das 35h semanais, diminuição de impostos para os mais pobres, reforma aos 60 anos, e o permitir referendos de iniciativa popular, entre outras.

Por isso a posição de Mélenchon foi criticada – apesar de recusar um voto na extrema-direita, na sua consulta aos militantes, cujo resultado será conhecido a 2 de Maio, pouco antes da votação no dia 7, punha as hipóteses de voto em Macron, abstenção ou voto nulo. O deputado Malek Boutih, do Partido Socialista, foi um dos primeiros a criticar Mélenchon pelo “erro enorme” que “beneficia muito” a Frente Nacional. “Foi o seu orgulho”, concluiu.

Campanha pela abstenção

Por uma amostra nas redes sociais, muitos apoiantes da esquerda radical já decidiram o que fazer e começaram uma campanha pela abstenção com a hashtag #SansMoiLe7Mai, “sem mim no dia 7 de Maio”, prometendo não ir às urnas. “A abstenção é o único modo de nos fazermos ouvir”, diz um dos defensores da ideia. “Na segunda volta temos a escolha entre a extrema-finança e a extrema-direita”, queixa-se outra apoiante de Mélenchon, outro compara o “ódio aos estrangeiros” com o “ódio aos pobres”, e outro questiona os apoiantes de Macron: “Vocês são responsáveis pela subida da Frente Nacional com as vossas políticas e agora querem que votemos em vocês?”

A campanha para a abstenção provocou uma contracampanha: “Em 2002 o PS fez barreira contra a Frente Nacional votando UMP. Façam o mesmo”, pedia uma utilizadora do Twitter, e outra sublinhava que “a abstenção sempre beneficiou a Frente Nacional: por favor, não façam isso”.

Enquanto Le Pen parece estar disposta a agitar e extremar a campanha, Macron está a ser acusado por investir mais tempo a discutir um futuro governo do que a lutar pela presidência.

Uma percepção que pode ter sido sublinhada com o anúncio de que o partido de centro-direita Os Republicanos, do terceiro candidato François Fillon e do ex-Presidente Nicolas Sarkozy, espera ter deputados suficientes após as legislativas de Junho para conseguir um acordo de partilha de poder com Macron. François Baroin, que foi ministro das Finanças de Sarkozy, disse publicamente que estava pronto para chefiar um executivo de “coabitação” com o candidato centrista.