Torne-se perito

Extensão de eléctrico 15 até Santa Apolónia condiciona trânsito até 2 de Maio

Actualmente, o eléctrico 15 faz um percurso entre a Praça da Figueira e Algés.

Foto
Sandra Ribeiro

As obras de extensão do eléctrico 15 até Santa Apolónia, anunciadas no final do ano passado pela Câmara de Lisboa, vão provocar condicionamentos de trânsito junto à Rua da Alfândega até 02 de Maio, anunciou nesta quarta-feira a EMEL. No entanto, não é anunciada a data em que o eléctrico chegará efectivamente à estação de comboios.

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), responsável pela obra no Campo das Cebolas e portanto encarregue de fazer os posteriores arranjos à superfície o que inclui os trilhos do eléctrico, informou, numa nota enviada à agência Lusa, que o trânsito será interrompido "na Rua dos Arameiros e na zona Nascente da Rua da Alfândega, entre os dias 27 de Abril e 02 de Maio".

A EMEL sugere como alternativa que a circulação seja feita pela Rua do Arsenal, Cais do Sodré, Ribeira das Naus e Avenida Infante D. Henrique.

"O prolongamento da linha vai implicar trabalhos de curta duração na via pública", acrescenta a nota.

Actualmente, o eléctrico 15 faz um percurso entre a Praça da Figueira e Algés.

No final do ano passado, a Câmara Municipal de Lisboa anunciou que pretende "levar até Santa Apolónia" o eléctrico 15, estando também em estudo uma expansão até ao Parque das Nações.

Falando numa publicação em directo na rede social Facebook, na qual respondia a questões levantadas pelos munícipes sobre a rodoviária Carris (que passou a ser gerida pelo município desde Fevereiro), o presidente da autarquia, Fernando Medina, acrescentou que outra das pretensões é reactivar o eléctrico 24: "Estamos a instalar novos carris e novo material no Cais do Sodré e em Campolide para que o possamos ter [a funcionar] o mais breve possível".

Segundo o autarca, "a expansão dos eléctricos e dos corredores BUS é um grande desafio para os próximos anos".

Relativamente aos corredores BUS - destinados a transportes públicos -, Fernando Medina avançou que existirão "mais e especiais", isto é, "corredores mais protegidos dos outros veículos, com capacidade de ser prioritários nos semáforos e onde se possa andar mais depressa".