Entrevista

Plano Nacional de Leitura vai ter medidas para pôr os rapazes a ler mais

Teresa Calçada e Elsa Maria Conde, que presidem à comissão que vai aplicar o Plano Nacional de Leitura 2027, dizem que será preciso "uma certa frescura" para cativar os rapazes para a leitura de livros.

Elsa Maria Conde (à esquerda) e Teresa Calçada
Foto
Elsa Maria Conde (à esquerda) e Teresa Calçada Nuno Ferreira Santos

Teresa Calçada e Elsa Maria Conde dizem que vão tentar que o Plano Nacional de Leitura tenha presença na televisão, "seja em programas próprios, seja em colaboração com outros".

Até agora o Plano Nacional de Leitura (PNL) esteve concentrado nos alunos e nas suas famílias. Como se leva o plano para fora da escola?
Teresa Calçada (T.C.) — O PNL quer que se leia em todo o lado. Vamos apostar em estratégias que ponham a leitura como um bem na vida das pessoas, como um combate à pobreza. Não ser letrado é uma forma de pobreza.

Mas combater a pobreza através da leitura não é um trabalho para dez anos…
T.C. — Sim, é muito lento no tempo. Evidentemente, estamos a falar de um país em que o acesso à escola e aos bens culturais tem poucos anos. Portanto, não há uma relação de progresso como se houvesse uma varinha mágica. Por isso defendo uma política pública de leitura e comparo com a política pública de saúde: vê-se muito bem como esta combateu epidemias, deu melhores condições às famílias para criar os seus filhos e é isso que se espera das escolas e da sociedade civil. No caso da política pública de leitura é contribuir para que se seja educado. Os adultos são um público que, em muitos casos, não é qualificado. Nomeadamente os jovens adultos. O PNL tem de ter condições para intervir junto desse público.

Como é que se chega a este que é um público difícil?
T.C. — Há que ter, dentro das ofertas curriculares, propostas que levem à leitura, tanto em ambiente dos livros de estudo, como ao nível de um conjunto imenso de recursos que servem para melhorar o sucesso desses alunos que têm um passado de escolarização difícil.

E esse é um público maioritariamente masculino.
Elsa Maria Conde (E.M.C.) — A forma de estar e viver a socialização, entre os rapazes, é diferente da das raparigas. Tem havido muita literatura para tentar definir estratégias de leitura dirigidas aos rapazes, do secundário e dos primeiros anos do ensino superior, porque é um público específico e para o qual temos de fazer diferente.

Já têm alguma ideia?
T.C. — Só identificámos o problema.

E.M.C. — As listas [de livros recomendados] não fazem distinção entre rapazes e raparigas e acho que recomendar um livro para uma rapariga é diferente...

T-C. — …Pelo menos alguns livros...

E.M.C. — ... Porque os interesses são diferentes. Vamos ter de nos informar o melhor possível e tentar actuar neste campo. Temos de ter uma certa frescura na maneira como abordamos os miúdos.

Qual vai ser o papel da RTP?
T.C. — Já que há serviço público, deve ser chamado à responsabilidade.

Em tempos houve um programa do PNL na RTP2.
T.C. — Isso interrompeu-se, mas serão retomadas algumas novas/velhas parcerias. Tentaremos que o PNL tenha presença [na televisão] seja em programas próprios, seja em colaboração com outros. A faixa etária dos jovens leitores é muito importante porque só se consolidam hábitos de leitura se o público for induzido a não ter desprezo por ler.

O que vão ser a comissão de honra e o conselho científico do PNL previstos na resolução do Conselho de Ministros publicada no final de Março, onde se aprovam as linhas orientadoras para o Plano Nacional de Leitura 2027?
T.C. — Vão ser um conjunto de pessoas que testemunham e partilham a ideia do valor que a leitura representa.

Já sabem quem serão essas pessoas?
T.C. — Não. Quer dizer, serão pessoas com mérito reconhecido pela sociedade e que será uma honra tê-los connosco. Quanto ao conselho científico será um conjunto de pessoas que nos acompanhará nas resoluções do plano.