Esquerda trava rejeição do Programa de Estabilidade

Os dois projectos de resolução do CDS foram chumbados pelo PS, PCP, BE e PEV.

Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS
Foto
Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS LUSA/MÁRIO CRUZ

A proposta do CDS de rejeição do Programa de Estabilidade (2017-2021) e do Programa Nacional de Reformas foi chumbada pelo PS, PCP, BE e PEV. Só o PSD esteve a favor; o PAN absteve-se.

O outro projecto de resolução do CDS, que recomendava ao Governo a adopção de um conjunto de medidas para colocar Portugal numa “trajectória sustentada de crescimento económico”, também foi chumbado com idêntica votação.

O CDS tinha alterado o seu projecto de resolução, no final do debate desta quarta-feira, no sentido de propor a rejeição dos documentos estratégicos do Governo. Numa primeira fase, os centristas apenas recomendavam que o Governo fizesse uma revisão dos programas para incluir medidas que favorecessem a competitividade da economia e o crescimento económico. E propunham – tal como o líder parlamentar desafiou durante o debate – que o Governo levasse os documentos a votos no plenário. Mas ficaram sem resposta. A maioria parlamentar de esquerda chumbou as duas iniciativas, tal como já tinha acontecido no ano passado. Sobre esta matéria, o PSD não apresentou propostas (como aconteceu em 2016) nem resoluções de condenação aos programas do Governo.