Revista de imprensa

Governo propõe aumentar todos os anos a idade mínima da reforma

As penalizações para quem se reforme antecipadamente serão menores, mas o acesso à reforma será mais difícil, uma vez que aumentará todos os anos, propõe Governo.

Governo estuda ainda o corte de penalizações
Foto
Governo estuda ainda o corte de penalizações Miguel Manso

A idade mínima da reforma vai aumentar e não deverá baixar tão depressa. De acordo com a edição desta sexta-feira do Jornal de Negócios, o Governo tenciona aumentar a idade mínima da reforma, ano após ano, ao ritmo da idade legal da reforma.

“A idade mínima de acesso à reforma antecipada acompanhará anualmente a evolução da idade normal de acesso à pensão”, lê-se no documento oficial, citado pelo jornal.

A medida do Governo irá agora ser questionada pela UGT, que já se mostrou desagradada por o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, impedir quem tem menos de 60 anos de se reformar voluntariamente, como foi possível no período pré-troika e durante alguns meses em 2016.

“[Este quadro] é tão mais problemático, se considerarmos que a proposta do Governo aponta para um estreitamento anual do leque de potenciais beneficiários, uma vez que a idade mínima de acesso será anualmente revista em função da evolução da idade normal de acesso à pensão”, lê-se no parecer de análise que a UGT enviou esta semana ao Ministério do Trabalho.

No entanto, este aumento será acompanhado pela redução das penalizações, através da eliminação do factor da sustentabilidade. Para o Governo, as reformas antecipadas sem penalização só devem ocorrer para quem tem pelo menos 46 anos de descontos.

Já para a UGT, qualquer trabalhador com 60 anos de idade e 40 de descontos deveria poder reformar-se sem penalizações.

Actualmente quem se reforma antes da idade normal tem um corte de 0,5% por cada mês que falte para a idade da reforma (ou 6%) ao ano e de 13,88% (o factor de sustentabilidade). O Governo pretende eliminar este segundo corte.

Os trabalhadores que no presente descontam para a Segurança Social e para a Caixa Geral de Aposentações só se podem reformar aos 66 anos e três meses. Em 2018 deverá aumentar um mês.

O Governo deverá entregar uma proposta final a 4 de Maio. A Comissão Europeia já afirmou que as alterações não deveriam entrar em vigor antes de 2018. 

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações