Zona – An Investigation Report passou de maquete a livro

O ensaio fotográfico de Fábio Cunha analisa as consequências da crise financeira que sacudiu os países do Sul da Europa, sobretudo entre 2011 e 2014.

Fotogaleria
A chancela é da madrilena Phree, especializada em “fotografia documental, livros de viagem e álbuns familiares” DR
Fotogaleria
A chancela é da madrilena Phree, especializada em “fotografia documental, livros de viagem e álbuns familiares” DR
Fotogaleria
A chancela é da madrilena Phree, especializada em “fotografia documental, livros de viagem e álbuns familiares” DR
Fotogaleria
A chancela é da madrilena Phree, especializada em “fotografia documental, livros de viagem e álbuns familiares” DR
Fotogaleria
A chancela é da madrilena Phree, especializada em “fotografia documental, livros de viagem e álbuns familiares” DR

Depois do reconhecimento com o Dummy Award Fundación Banco Sabadell no festival de fotografia DOCfield, de Barcelona, no ano passado, a maquete de Zona An Investigation Report, de Fábio Cunha, ganhou a forma de livro. A chancela é da editora madrilena Phree, especializada em “fotografia documental, livros de viagem e álbuns familiares”, responsável por uma produção regular de fotolivros de alguns dos mais estimulantes criadores do momento, como Juan Valbuena e Carlos Spottorno. Assumem ainda a co-edição a Photographic Social Vision e a Kursala – Universidade de Cádiz, uma plataforma de apoio à fotografia com perto de 60 título publicados, entre os quais o fenómeno editorial Afronauts, de Cristina de Middel.

O ensaio fotográfico em que se baseia Zona An Investigation Report analisa as consequências da crise financeira que sacudiu (e ainda sacode, no caso da Grécia) os países do Sul da Europa, sobretudo entre 2011 e 2014. Um dos sectores onde esse abalo mais se sentiu foi o negócio do imobiliário da periferia das cidades, com despejos, casas reclamadas pelos bancos credores, realojamentos de famílias, mudanças de bens e áreas votadas ao abandono. Este universo de precariedade e de profunda desestabilização social levou Fábio Cunha (Vinhais, 1985) a registar situações ficcionadas e performativas em lugares que nos transportam para imaginário da casa, da mudança e das pessoas encurraladas ou perante dificuldades de adaptação.

Na altura do prémio, Fábio Cunha disse ao PÚBLICO que um dos objectivos de Zona passava por “encontrar algo que explique o novo normal” que existe nestes lugares. Para isso, pôs em marcha um trabalho de narrativa documental ficcionada que parte deste cenário: “Depois da crise imobiliária provocada pelo poder económico e político, o Instituto da Habitação decidiu abrir uma investigação para aferir as consequências. Os relatórios efectuados anteriormente eram ambíguos. Um investigador foi enviado para a Zona com o objectivo específico de preparar um relatório visual sobre a pós-crise na paisagem urbana. Uma nova normalidade parece ali existir.”

O fotolivro de Fábio Cunha “personifica o método de investigação, comparando e analisando obsessivamente detalhes, objectos, tamanhos”.

O lançamento em Lisboa está agendado para o dia 4 de Maio, às 19h00, no Hangar – Centro de Investigação Artística, momento em que Fábio Cunha conversará com Duarte Amaral Netto, Catarina Vasconcelos e Margarida Rêgo (do gabinete de design gráfico ilhas studio). Antes disso, Zona será lançado hoje em Madrid, no espaço La Fábrica, apresentação incluída na Noite dos Livros. Aqui, para além de Rêgo e Vasconcelos, junta-se à conversa Juan Valbuena (editora Phree).

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações