Pessoal não docente organiza protesto junto do Ministério da Educação

Concentração realiza-se nesta sexta-feira.

Greve do pessoal não docente em Fevereiro levou ao encerramento de muitas escolas
Foto
Greve do pessoal não docente em Fevereiro levou ao encerramento de muitas escolas Paulo Pimenta

Depois dos professores, que se manifestaram na terça-feira, é agora a vez do pessoal não docente concentrar-se junto ao Ministério da Educação em protesto pela falta de respostas às exigências que têm vindo a ser apresentadas pelos sindicatos do sector. A concentração está marcada para esta sexta-feira e é convocada pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS), afecta à CGTP.

Em destaque está o facto de continuar a faltar pessoal não docente nas escolas. Segundo contas da FNSTFPS, existirão 49 mil funcionários não docentes em serviços nas escolas portuguesas. Em 2014/2015, último ano com dados oficiais do Ministério da Educação, eram 55.808.

Entre os objectivos da manifestação figuram também a adopção de carreiras especiais para o pessoal não docente, visando dignificar a profissão, e também a oposição à municipalização das escolas públicas que, segundo a federação, porá em causa “a sua universalidade e levará à desresponsabilização do poder central”.

Em Fevereiro, uma greve do pessoal não docente, convocada pelos sindicatos afectos à CGTP e à UGT, fez fechar centenas de escolas em todo o país. Segundo os sindicatos, até agora, esta foi a “maior greve” realizada durante o mandato do actual Governo PS, que conta com o apoio dos partidos de esquerda no Parlamento.