Testemunhas de Jeová banidas da Rússia

Supremo Tribunal aprovou o pedido do ministro da Justiça da Rússia que considera a organização religiosa um grupo extremista.

Movimento das testemunhas de Jeová acredita, entre outras coisas, na interpretação literal da Bíblia
Foto
Movimento das testemunhas de Jeová acredita, entre outras coisas, na interpretação literal da Bíblia Reuters/KIERAN DOHERTY

O Supremo Tribunal da Rússia acedeu ao pedido do ministro da Justiça e decidiu banir as Testemunhas de Jeová do país, considerando a organização religiosa um grupo extremista.

Segundo o Guardian, a ordem judicial prevê o encerramento da sede da organização em São Petersburgo e das suas 395 secções locais. Toda a propriedade pertencente ao grupo será também apreendida.

A agência Interfax cita ainda a procuradora Svetlana Borisova que afirmou em tribunal que as Testemunhas de Jeová são “uma ameaça para os direitos dos cidadãos, ordem e segurança públicas”.

Conhecidos por andar de porta em porta a tentar convencer quem lhes aparece, acreditando, entre outras coisas, na interpretação literal da Bíblia, as testemunhas de Jeová fazem parte de um movimento cristão que, calcula-se, conta com oito milhões de pessoas a nível mundial. Na Rússia, estima-se que haja 175 mil membros do movimento.

O argumento principal apresentado pelo Ministério da Justiça era o de que as actividades dos membros deste movimento “violam a lei russa sobre o combate ao extremismo” e que as mensagens que colocam a circular incitam ao ódio contra outros grupos.

Banir as Testemunhas de Jeová não é uma acção nova na história da Rússia, isto porque, nos tempos da antiga União Soviética, o KGB considerava-os espiões e foram ilegalizados. Em 1991, com o colapso do império comunista, este movimento foi novamente autorizado.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações