“Este espectáculo pode ser o último, e isso é bonito”

No dia em que faz 60 anos, e mais de 30 depois de ter deixado de dançar, Rui Horta regressa aos palcos, a solo, estreando Vespa no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães. É um gesto de resistência.

Fotogaleria
Rui Horta em Vespa Paulo Pacheco
Fotogaleria
Rui Horta em Vespa Paulo Pacheco
Fotogaleria
Rui Horta em Vespa Paulo Pacheco
Fotogaleria
Rui Horta em Vespa Paulo Pacheco
Fotogaleria
Rui Horta em Vespa DR

É caso para dizer: hoje é o primeiro dia do resto da vida de bailarino de Rui Horta, 60 anos, cumpridos precisamente esta quinta-feira, dia em que regressa aos palcos, a solo, estreando Vespa no pequeno auditório do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães.

Fá-lo mais de 30 anos depois da sua última performance como bailarino, quando, em meados dos anos 80, regressado de vários anos de formação em Nova Iorque, teve de interromper a sua carreira por causa de uma tendinite numa perna e do rompimento do tendão de Aquiles.

“Tive uma recuperação muito lenta; depois, quando finalmente pude recomeçar a dançar, já estava a coreografar, e isso estava a dar-me muito gozo”, conta Rui Horta ao PÚBLICO no final de um dos ensaios de Vespa. “Isso foi sempre uma desculpa para não voltar ao palco, porque a vida depois tornou-se cheia, complicada”, acrescenta o coreógrafo recordando as sucessivas tournées com as suas criações, a ida para a Alemanha nos anos 90, onde dirigiu o S.O.A.P. Dance Theatre Frankfurt. E, depois do regresso a Portugal, a fundação, no ano 2000, do centro multidisciplinar O Espaço do Tempo, em Montemor-o-Novo.

Agora que este centro “atingiu a velocidade de cruzeiro”, e que tem os seus filhos criados, Rui Horta achou que era o tempo certo para regressar aos palcos. Mas fá-lo assumidamente “no fio da navalha”. “Estou todos os dias no fio da navalha, sempre; cada dia é um dia, e cada espectáculo pode ser o último, e isso é bonito”, admite, no final do ensaio de quase uma hora, e depois de pedir gelo para atenuar a dor num ombro. Mas também assegura que está a “gostar muito de estar no palco – uma coisa inusitada passados mais de 30 anos”. E em simultâneo com essa consciência da fragilidade do ser humano – tema que, de resto, atravessa a acção de Vespa –, Rui Horta fala também com grande entusiasmo das tournées que tem já previstas pelo país fora ao longo deste ano, e também do regresso ao estrangeiro no Inverno e na Primavera de 2018. “Mas não estou a assinar contratos com ninguém; estou a ir com calma: vamos ver como correm os primeiros espectáculos, e como me sinto fisicamente."

O zumbido do criador

Vespa abre com o palco a negro; ao fundo, uma caneta fluorescente, um zumbido de insecto e uma voz um pouco cavernosa dizendo: “Há coisas que temos dentro da cabeça, como um zumbido a roer o pensamento…”.

Pouco a pouco, vai-se desvendando o vulto de um homem com uma máscara, um corpo mecânico, incerto, revestido com uma armadura. A voz continua a reflectir a situação do criador, a cabeça a explodir de não conseguir dar expressão às suas ideias, à sua obra. “É a ideia de que existe alguma coisa dentro de nós; uma luta que no início se sente entre aquela caneta de luz e a máscara do homem”, diz o coreógrafo, que como tal tem sempre a sua vespa dentro da cabeça, e “terá um zumbido um pouco maior do que os outros". "E se não o pusermos cá fora, rebentamos”.

Precisa de libertar-se desse “exo-esqueleto”, “largar a casca”, retirar as próteses e com elas criar novas formas, novas poses, novas expressões. É então que o corpo deste “veterano selvagem” dança, ao som de Bach tocado com baixo eléctrico, alternando com a narração de histórias que parecem retiradas da sua história pessoal. Mas Rui Horta recusa a autobiografia. Não lhe interessa contar a sua vida, o passado – “Para mim, o passado é um tição queimado; o que é preciso é pôr mais lenha na fogueira para queimar mais, para dar mais calor”, diz –, antes quer falar para a frente, para o futuro. Mas pegando em histórias e casos do (nosso) presente: os problemas da ecologia, os riscos da exploração do petróleo na costa algarvia, por exemplo; a necessidade de resistir, de lutar, mas também de continuar a dançar – depois de ouvirmos a Internacional rodada numa pequena caixa de música, Vespa termina ao som e ao ritmo do hip-hop.

Se, no decorrer da acção, se reflecte sobre a pequenez e a finitude do homem, já que “todos vamos desaparecer”, e com uma piscadela a uma entrevista com Óscar Niemeyer – “Adoro-o, não apenas porque eu próprio gostaria de ter estudado arquitectura e ter feito casas, mas porque ele é o homem que, tendo vivido até aos 103 anos, conquistou o tempo e o espaço" –, Vespa olha em frente, optimista e militante.

"As minhas peças são os meus crimes"

Rui Horta explica ter admitido chamar à sua nova criação – além de intérprete, é o autor do texto, da luz e da banda sonora – Serial Killer. “Porque as minhas peças são os meus crimes, de que me escondo atrás do palco, atrás dos actores, dos bailarinos”. E acrescenta: “Hoje vou-me entregar à polícia: ‘Estou aqui, tenho esta cara’."

O bailarino e coreógrafo sabe também que, do lado da plateia, haverá também sempre algo de voyeurismo: “Vamos lá ver o que é que o Rui Horta consegue fazer, ver se ele cai, se há qualquer acidente, como nas corridas da Fórmula 1, que é isso que também leva as pessoas a ver a arte ao vivo."

É o “lado sacrificial da criação”, e Rui Horta vê nesse misto de dádiva e entrega algo “muito bonito”. Mesmo se Vespa, com que assinala esta quinta-feira o seu 60.º aniversário – uma coincidência fortuita, explica, ele que decidiu partir para esta aventura no Verão passado –, for o seu último espectáculo.

Se não for, será retomado, a 29 de Abril, Dia Mundial da Dança, em Coimbra (Convento de São Francisco), correndo depois o país, até chegar ao Porto já no próximo ano.

Paralelamente, Rui Horta continua a “lutar” nas outras frentes da sua carreira. Depois de no final de Janeiro ter apresentado a coreografia Shift no Tantztheater Mainz Frankfurt – integrado no programa de comemoração dos 500 anos da Reforma luterana –, espera conseguir encontrar os meios para concretizar a ópera O Rapaz que Aterrou na Praça Vermelha, com libreto de Stephen Place e música de Luís Tinoco. Porque, além do aniversário da Queda do Muro de Berlim, passam também agora 30 anos desde que o jovem piloto alemão Mathias Rust iludiu a segurança soviética e aterrou o seu pequeno Cessna na praça central de Moscovo. “E nós temos de ter utopias; com a nossa arte temos de continuar a aterrar em qualquer lado”, acredita Rui Horta.