Nova tendência no CDS diz que há pressões para desmobilizar militantes

Esperança em Movimento volta a trazer para um jantar Manuel Monteiro e Ribeiro e Castro.

Foto
TEM denuncia a existência de pressões por parte de responsáveis do partido para que os militantes não participem no primeiro jantar da corrente Daniel Rocha

A nova tendência interna do CDS-PP Esperança em Movimento denuncia a existência de pressões por parte de responsáveis do partido para que os militantes não participem no primeiro jantar da corrente centrista que está marcado para 6 de Maio.

Abel Matos Santos, um dos promotores da tendência, afirma terem existido alguns telefonemas de dirigentes para dissuadir militantes de participar no jantar que já tem confirmados os ex-líderes do partido, Manuel Monteiro e José Ribeiro e Castro.

Sem querer apontar nomes, Abel Matos Santos diz que existem “algumas pessoas com tiques totalitários que não querem a diversidade no partido” e condena estas atitudes. “Seguramente que Assunção Cristas é uma líder plural e não vai aceitar isto”, afirma ao PÚBLICO, referindo que também convidou a presidente do CDS para o jantar, que se realizará em Esposende.

“É o primeiro jantar da TEM [Tendência Esperança em Movimento] onde queremos que os militantes estejam connosco, e para mostrar que o partido tem uma doutrina”, afirma, assegurando que a tendência está “empenhada” nos bons resultados do CDS e da sua líder.

A TEM volta a tentar juntar os três ex-líderes do partido – o convite também seguiu para Adriano Moreira – um mês depois de os ter reunido numa conferência sobre a democracia-cristã e em que Assunção Cristas não compareceu apesar de ter sido convidada.

Assumindo-se como um “movimento das bases”, a TEM sublinha que quer reforçar os valores democratas-cristãos no partido, mas o certo é que o reaparecimento de Manuel Monteiro em iniciativas com militantes do CDS tem causado algum incómodo interno. O antigo líder do CDS (1992-1998) já participou num jantar de aniversário da Juventude Popular, em Novembro do ano passado, e foi orador na última conferência da Esperança em Movimento sobre a democracia-cristã.

Depois de uma ruptura com Paulo Portas, Manuel Monteiro, que se desfilou do partido e fundou outro, não afastou completamente o regresso à vida política activa. “Se fizer alguma coisa, há-de ser no CDS”, disse, em entrevista à Antena 1, no final do mês passado.

Abel Matos Santos garante já ter o número de assinaturas necessárias para poder formalizar a tendência. Essa proposta terá, no entanto, de ser votada na comissão política. A existência da corrente interna Alternativa e Responsabilidade – que é a origem de alguns dos promotores da nova tendência – nunca foi formalizada. O seu porta-voz, Filipe Anacoreta Correia, defende que não era necessário oficializar já que "a democracia-cristã faz parte da matriz do partido". Como a corrente decidiu apoiar a direcção de Cristas, Anacoreta Correia considera que "não faz sentido a demarcação de um espaço próprio" e por isso o movimento já não existe enquanto tal. O actual deputado faz parte da comissão executiva do partido e há outros membros que pertencem a outros órgãos do CDS.