Detido confessa autoria do atentado em Estocolmo

A confissão foi divulgada pelo seu advogado de defesa.

Fotogaleria
LUSA/ANDERS WIKLUND
Fotogaleria
LUSA/JESSICA GOW
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
Fotogaleria
LUSA/NOELLA JOHANSSON
Fotogaleria
LUSA/ANDERS WIKLUND
Fotogaleria
Reuters/TT NEWS AGENCY
Fotogaleria
Reuters/TT NEWS AGENCY
Fotogaleria
Reuters/TT NEWS AGENCY
Fotogaleria
Reuters/STAFF
Fotogaleria
LUSA/NOELLA JOHANSSON
Fotogaleria
LUSA/NOELLA JOHANSSON
Fotogaleria
Reuters/TT NEWS AGENCY
Fotogaleria
LUSA/CLAUDIO BRESCIANI
Fotogaleria
Reuters/TT NEWS AGENCY
Fotogaleria
Reuters/TT NEWS AGENCY
Fotogaleria
Reuters/TT NEWS AGENCY
Fotogaleria
Reuters/TT NEWS AGENCY
Fotogaleria
O primeiro-ministro sueco Stefan Lofven faz uma declaração após o ataque Reuters/TT NEWS AGENCY
Fotogaleria
LUSA/Noella Johansson
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Reuters/STRINGER

Rakhmat Akilov, o principal suspeito do atentado terrorista em Estocolmo, confessou esta terça-feira em tribunal ter sido o responsável pelo atropelamento propositado de transeuntes numa rua pedonal de Estocolmo, Suécia, matando quatro pessoas e ferindo outras 15, na última sexta-feira.

De acordo com o seu advogado, Johan Eriksson, Akilov admite a autoria do ataque terrorista "e aceita a detenção". O suspeito, que foi detido horas depois do ataque, chegou ao tribunal com a cabeça tapada e sentou-se entre o advogado e um tradutor, pormenoriza a Reuters.

Rakhmat Akilov, natural do Uzbequistão, de 39 anos, era um homem já conhecido das autoridades suecas por não ter cumprido uma ordem de deportação e pela sua simpatia em relação a organizações extremistas, mas não era encarado como uma ameaça.

O uzbeque, que reside na capital sueca, tinha colocado vídeos de propaganda do Daesh no Facebook e carregado no “gosto” em reacção a uma foto de pessoas ensanguentadas, tirada depois do atentado na maratona de Boston, em 2013.

Depois de Nice, Berlim e Londres, o ataque de Estocolmo foi o quarto ataque com recurso a veículos em menos de um ano. Este é o primeiro ataque terrorista de grande dimensão em Estocolmo nos últimos sete anos, depois de, em 2010, terem sido detonadas duas bombas também na capital.