Um palco, três grupos, contra um estigma: a doença não faz deles "incapazes"

Esta terça e quarta-feira, às 19h30, a Sala 2 da Casa da Música abre portas a um concerto de um grupo cheio de diferenças e que faz da música terapia.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Quando chegaram à Casa da Música, no final de Janeiro, não havia pautas, nem letras. Nada que se assemelhasse a um espectáculo. Aurora foi construído com as ideias de cada um, foi feito um espectáculo por todos: pelos músicos — alunos do curso de formação de animadores musicais da Casa da Música —, por utentes da Associação Nova Aurora de Reabilitação e Reintegração Psicossocial (ANARP) de pessoas com doença mental e por membros da Tuna de Tecnologia da Saúde do Porto (Tuna TS), da Escola Superior de Saúde do Politécnico do Porto. Esta terça e quarta-feira, às 19h30, a Sala 2 da Casa da Música abre portas a um concerto de um grupo cheio de diferenças que fez música em conjunto.

Aurora é o nascer do Sol. A guitarra do maestro Paul Griffiths começa num som seco, embalado. É acompanhada por outras guitarras (as clássicas, a portuguesa, a braguesa) e por bandolim, violoncelo, violinos. A música é quase sussurrada. Este é “o momento em que ainda é escuro, imediatamente antes de entrar o sol”, explica o maestro.

“Vocês ouvem as vozes fazer algo?”, pergunta Paul Griffiths. Ninguém está a cantar, mas faria sentido que o fizessem? Cantar o quê? Espera que alguém responda, que outros acrescentem sugestões. No espectáculo Aurora é assim que letras e melodias são criadas.

Quando o som crescer, o dia nasce. Para Manuel Couto, utente da ANARP há dois anos, é uma metáfora bonita: "Cria esperança na pessoa de um dia melhor, de uma vida melhor". É como se também na vida dele o crescendo da percussão fosse “um dia melhor que começa”.

Habituado a outros palcos, Manuel Couto, 32 anos, reencontra-se com a música. Toca órgão, bateria, guitarra e baixo. Foi autodidacta na guitarra clássica, membro de uma tuna. No intervalo, foi “apanhado pela doença”. Agora aprende da forma que mais gosta: numa sala cheia de músicos e colegas. Refere-o várias vezes neste sábado, tarde de ensaios na Casa da Música: é a interacção com os outros que o faz vir sempre e nunca querer ir embora. "É no palco que me sinto bem".

Catarina Martins, de 36 anos, lê um poema durante o espectáculo. “Senti-me à vontade para chegar à frente e partilhar o que escrevia”. Fala sobre "ser livre e ser eterno, morrer ou ficar, ficar ou partir". Fala sobre si e os dez anos, “mais coisa menos coisa”, em que está na associação. Com uma doença mental prolongada, a luta é constante.

"Chega-te para o sol"

Tudo começou há dois anos e meio com Contratempo, o projecto que colocou os estudantes da Tuna TS e os utentes da ANARP a criarem música juntos. Começaram com encontros informais, até as sessões terem hora marcada, todas as semanas. Em Janeiro de 2016, o financiamento do programa Partis - Práticas Artísticas para a Inclusão Social — da Fundação Calouste Gulbenkian foi o impulso que faltava para encontrarem novos parceiros.

Foi nesta fase que o projecto alargou os contactos à Casa da Música, cresceu para a Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE), onde os utentes têm aulas semanais de expressão musical, e para a Escola Superior de Media Artes e Design (ESMAD), responsável por uma exposição fotográfica e um documentário sobre o projecto. 

Em palco, está quase a nascer o dia. Soam as platinelas do pandeiro e de uma assentada a percussão, que ocupa todo o lado esquerdo do palco, toma a dianteira. “Chega-te para o sol/Chega-te para o sol, vem daí”, canta o coro.

Entre os 14 utentes da ANARP em palco, há quem toque guitarra, bateria, bombo e xilofone, há quem cante. Há depressões, ansiedade, esquizofrenia, autismo, transtornos de personalidade. Doenças não raras: estima-se que em Portugal 800 mil pessoas sofram de depressão. Ainda assim, muitas vezes, escondidas. Estigmatizadas. A doença não faz deles "pessoas agressivas, nem incapazes": é evidente para Raquel Simões de Almeida, terapeuta ocupacional da ANARP, quando olha para o palco. O espectáculo é "a prova viva" disso. É um combate contra o estigma e uma ajuda na recuperação. Estar em palco faz parte da terapia.

Ali, a música é o veículo para trabalhar competências para inclusão social: o cumprimento de horários, a adaptação a novos lugares e novas pessoas, a concentração, a memória. Nota-se? Hélio não levanta os olhos do bombo do início ao fim da música. Pedro não se acha descoordenado atrás do xilofone. António, sentado em frente às teclas, começou a ter aulas de piano. É deles que dizem “que são incapazes de se concentrar?”, questiona Raquel.

No final, grupo reúne-se à volta do piano. Pete Letanka, também maestro, ensaia a última música: “All my troubles are gone/From now on/Sunrise” (“Todos os meus problemas desaparecem, a partir de agora”). É o nascer do sol.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações