Húngaros desafiam lei de Orbán para fechar Universidade financiada por Soros

Primeiro-ministro húngaro elege novo alvo, a CEU, bastião do pensamento liberal de Budapeste.

Fotogaleria
Protestos no domingo foram um dos maiores dos sete anos de Governo Orbán LASZLO BALOGH/Reuters
Fotogaleria
LASZLO BALOGH/Reuters
Fotogaleria
ZOLTAN BALOGH/EPA
Fotogaleria
BERNADETT SZABO/Reuters

O Presidente da Hungria, János Áder, assinou ontem uma lei polémica,  feita à medida para fechar uma Universidade de Budapeste, e que levou a um dos maiores protestos de rua contra o Governo de Viktor Orbán, no domingo, na capital.     

Áder é do Fidesz, o partido de Viktor Orbán, que promoveu a lei sobre ensino superior que obriga instituições de ensino presentes na Hungria a ter actividades de ensino no seu país de origem. A lei ajusta-se a um caso: a Central European University (CEU), fundada por George Soros, que teria de fazer uma escolha: ou encerrar ou abrir um campus nos EUA.

Nas ruas, cerca de 70 mil pessoas entoaram slogans pela liberdade - “Um país livre, uma universidade livre”, pediam - ou contra o Governo - “Viktator!”, gritavam.

O caso provocou ainda protestos de académicos de todo o mundo e também reacções políticas: o próprio grupo do Parlamento Europeu a que pertence o Fidesz, o PPE, criticou a acção contra “a liberdade de pensamento, investigação e expressão”, e os Estados Unidos vão enviar um representante do Departamento de Estado a Budapeste para se reunir com o Governo, e têm também marcado encontro com responsáveis da Universidade.

Orbán recebeu bolsa de Soros

Orbán, que em 2014 disse que a Hungria seguiria um modelo de democracia “iliberal”, foi apoiante de Donald Trump e encontra-se no campo oposto a George Soros, americano nascido na Hungria, sobrevivente do Holocausto e que defendeu a campanha de Hillary Clinton.

Há várias ironias na história dos dois homens. Orbán chegou a receber uma bolsa da fundação de Soros para estudar quatro meses em Oxford nos anos 1980; Soros deu verbas para uma campanha para eleições livres organizada por uma aliança de jovens democratas, que mais tarde se transformou no Fidesz. Mais de 25 anos depois, Orbán defende agora um modelo nacionalista fechado a outras culturas, Soros continua a defender sociedades abertas.

Se Orbán esperava apoio americano nesta questão (afinal, Soros chegou a referir-se a Trump como “um vigarista”), este não chegou. A CEU “tem apoio bipartidário”, disse o Departamento de Estado dos EUA.

O Governo Orbán apresenta a medida sobre as universidades como necessária para impedir concorrência desleal, pois os diplomas da CEU são reconhecidos na Hungria e também nos EUA. No entanto, o Executivo não esconde a animosidade face a organizações financiadas por Soros, acusando-as de fomentar problemas no país para tentar afastar o primeiro-ministro do poder. Um porta-voz declarou que a posição de Soros "tentar alterar a situação política interna na Hungria" tinha de ser avaliada como uma questão de segurança nacional.

O Governo do Fidesz tem levado a cabo, desde 2010, várias medidas de enfraquecimento de instituições democráticas como o sistema judicial (despedindo juízes e deixando-o entregue aos seus fiéis), os media ou o ensino.

Mas se muitas destas medidas encontraram uma reprovação comedida entre os húngaros, a opinião pública tem reagido mais a alguns acontecimentos recentes: um movimento popular conseguiu juntar assinaturas para forçar um referendo sobre a candidatura de Budapeste às Olimpíadas, vistas como uma oportunidade para proporcionar negócios às empresas de aliados de Orbán – o Governo, temendo perder a votação, retirou a candidatura – e agora a ameaça sobre a CEU mobilizou grandes protestos.

A Universidade fundada em 1991 tem sido precisamente um centro de pensamento liberal, quase o último do género numa Hungria cada vez mais à imagem de Orbán. Um dos seus professores, András Bozoki, dizia ao diário El País que a Hungria está a converter-se numa “autocracia moderna”. Em 2014 houve eleições, “livres, mas injustas”, defende: “não há imprensa livre, nem um jogo político justo”.