Desiludidos com Trump, piratas informáticos divulgam arsenal cibernético da NSA

"Não te esqueças das tuas bases", avisa um grupo de hackers.

Foto
Os autores do ataque à NSA anunciam-se como apoiantes de Donald Trump mas dizem estar a "perder a fé" no Presidente dos EUA. Reuters/CARLOS BARRIA

Um grupo de piratas informáticos que em 2016 alegou ter acedido a um conjunto de ferramentas de hacking da agência de espionagem norte-americana NSA, e que desde então tem tentado, sem sucesso, vender o conjunto de códigos, disponibilizou este sábado uma palavra-passe que permite desbloquear os ficheiros. A acção dos autodenominados TheShadowBrokers é anunciada como “uma forma de protesto” contra o Presidente norte-americano Donald Trump.

“Com todo o respeito, que c*** estás a fazer? TheShadowBrokers votaram em ti. TheShadowBrokers apoiam-te. TheShadowBrokers estão a perder a fé em ti”, lê-se no início de um texto publicado pelo grupo na plataforma de blogues Medium.

Em concreto, o grupo critica acções recentes de Trump como o afastamento de Steve Bannon do Conselho de Segurança Nacional, o ataque da madrugada de quinta-feira à Síria e as ligações de vários membros da Administração a grandes empresas e bancos como o Goldman Sachs. Num inglês macarrónico, os autores do texto, intitulado “Não te esqueças das tuas bases”, fazem ainda uma apologia do nacionalismo e do etnocentrismo.

Após uma primeira análise dos ficheiros, o antigo agente da NSA Edward Snowden, que em 2013 denunciou a rede global de espionagem informática da agência norte-americana e vive desde então exilado na Rússia, afirma que o que foi divulgado “não é nem de perto o arquivo inteiro [que terá sido roubado em 2016]”, mas que “há tanta coisa ali que a NSA deve ser capaz de perceber de onde é que este conjunto veio e como é que o perdeu”.

“Se não conseguirem, é um escândalo”, escreveu Snowden no Twitter. Momentos antes, o dissidente norte-americano anunciava que “a NSA acabou de perder o controlo do seu arsenal digital secreto”.

Outros observadores como a CyberScoop e a HackingNews, publicações digitais que acompanham os meandros da pirataria informática, afirmam que entre as ferramentas disponibilizadas este sábado estão sobretudo instrumentos que exploram vulnerabilidades no sistema Linux e armas que indiciam acções da NSA contra alvos na China e no Paquistão – neste último caso, através da rede telefónica móvel.

Por sua vez, o site de denúncias Wikileaks, que revelou recentemente parte do arsenal cibernético da CIA, menciona estados europeus, latino-americanos e asiáticos, incluindo o Japão, como países na mira das supostas ferramentas da NSA.

Em Agosto de 2016, TheShadowBrokers revelou amostras de código que vários analistas mencionados por publicações como o New York Times identificaram como malware (programas maliciosos) produzido para violar firewalls (barreiras de protecção) de sistemas informáticos de países como a Rússia, o Irão ou a China. O código datava de 2013, já após a fuga de Snowden, e a sua divulgação demonstrava que a agência norte-americana fora novamente alvo de uma fuga de informação em larga escala.

Na altura, vários observadores especulavam sobre possíveis ligações do grupo de hackers ao regime russo, mas a identidade dos piratas informáticos continua a ser desconhecida.

Desde o Verão, o grupo tentou leiloar a totalidade do arquivo, estabelecendo como base de licitação um valor em bitcoin superior a 500 milhões de euros. Posteriormente, e frustrado o leilão, os hackers tentaram vender as ferramentas da NSA peça a peça, por valores entre as centenas e as dezenas de milhares de euros. Agora, uma parte considerável do arsenal informático, se não mesmo a sua totalidade, é disponibilizada gratuitamente.