StockSnap/ Pixabay
Foto
StockSnap/ Pixabay

Prémio de Boas Práticas para projecto de combate ao preconceito

Chama-se Biblioteca Humana e consiste em sessões em que os livros são pessoas que contam a um grupo a sua história. Objectivo: combater preconceitos junto dos mais novos

O projecto Biblioteca Humana do Município de Valongo, que visa o combate aos preconceitos e dirige-se sobretudo ao público jovem, ganhou o prémio Boas Práticas de Participação atribuído pela Rede de Autarquias Participativas (RAP), indicou a câmara local. Em declarações à agência Lusa o presidente da Câmara de Valongo, José Manuel Ribeiro, apontou que a autarquia está "cada vez mais inspirada para continuar a caminhada sobre o reforço da cidadania activa e a promoção dos valores universais".

O projecto Biblioteca Humana, criado em 2010, tem como slogan "Não julgues o livro pela capa", traduzindo-se em sessões em que os livros são pessoas que contam a um grupo a sua história. Na prática o "livro humano" é um estereótipo e o objectivo deste projecto é combater preconceitos, sendo que as sessões já serviram para ouvir o trajecto, as experiências ou as preocupações de pessoas de etnia cigana ou homossexuais, imigrantes, cegos, entre outras realidades.

De acordo com a descrição do projecto, a Biblioteca Humana "facilita o diálogo construtivo e informal entre jovens e pessoas que representam grupos que frequentemente são alvo de preconceitos, criando a oportunidade de relacionamento interpessoal entre grupos que habitualmente não teriam a possibilidade de interagir".

A Biblioteca Humana dirige-se a jovens que frequentam o 9.º ano do ensino básico e o ensino secundário das escolas do concelho de Valongo, distrito do Porto, mas envolve toda a comunidade escolar, bem como as suas redes de contactos.

José Manuel Ribeiro contou à Lusa que no ano passado este projecto também foi testado junto de um grupo de seniores, tendo conseguido "resultados muito bons e merecido elogios dos participantes" e descreveu que a sessão que teve como "livro humano" uma pessoa sem-abrigo "foi muito impactante". "É um projeto barato e altamente replicável pelos municípios. Só depende da vontade política de quem de facto quer combater preconceitos. O Município de Valongo hoje distingue-se muito, é reconhecido e premiado, por projectos ligados a esta dimensão da cidadania activa e promoção dos valores universais", referiu José Manuel Ribeiro.

É objetivo deste projecto "sensibilizar a juventude para a importância da inclusão, da diversidade cultural e da igualdade de oportunidades, combater a discriminação e desconstruir estereótipos, de forma a fomentar a aproximação entre povos, culturas e religiões, bem como promover o diálogo entre pessoas que normalmente não teriam a oportunidade para interagir".

A actividade desenvolve-se, geralmente, na biblioteca da escola, num espaço físico que permita o máximo de privacidade possível aos grupos mas também permita proximidade. Quanto ao prémio Boas Práticas de Participação, este visa constituir um incentivo à implementação, disseminação e valorização de práticas inovadoras de democracia participativa desenvolvidas em Portugal.

Uma nota da Câmara de Valongo descreve que os projectos a concurso foram analisados por um júri independente e submetidos a votação pública numa plataforma online, sendo que cada uma das fases teve um peso de 50% na pontuação final. Aos projectos "Eco Parlamento - Guimarães" e "Águeda Living Lab" foram atribuídas menções honrosas.