IndieLisboa 2017, o festival dos “autores que fogem às normas”

Apresentada esta terça-feira em Lisboa, a 14.ª edição do festival decorre de 3 a 14 de Maio, com a maior competição de longas portuguesas de sempre e uma aposta em cineastas com “olhares novos”. Teresa Villaverde abre, Raoul Peck fecha.

Fotogaleria
Colo, de Teresa Villaverde, abre o festival a 3 de Maio DR
Fotogaleria
Luz Obscira, de Susana Sousa Dias DR
Fotogaleria
I Am Not Your Negro, de Raoul Peck DR
Fotogaleria
El Auge del Humano, de Eduardo Williams DR
Fotogaleria
The Challenge, de Yuri Ancarani DR
Fotogaleria
Coração Negro, de Rosa Coutinho Cabral DR
Fotogaleria
Dia 32, de André Valentim Almeida DR
Fotogaleria
Nyo Vweta Nafta, de Ico Costa
Fotogaleria
Viejo Calavera, de Kiro Russo
Fotogaleria
Museum Hours, de Jem Cohen DR
Fotogaleria
Le Cancre, de Paul Vecchiali DR

Ainda faz sentido falar em cinema “indie” hoje? Em 2017, a programação do IndieLisboa, que corre de 3 a 14 de Maio (Culturgest, Cinemateca, São Jorge, Ideal e, pela primeira vez, o renovado Capitólio) e é apresentada oficialmente esta terça-feira, prolonga e afina o “desafio” de sempre – redesenhar o conceito de cinema independente que o festival ajudou a formar ao longo de 14 anos, mas que mudou com o tempo e se tornou, ele próprio, numa espécie de género cristalizado.

Miguel Valverde, com Nuno Sena um dos directores-fundadores do certame, diz ao PÚBLICO que “a nossa ideia do cinema independente sempre foi tão complicada de explicar, e ao mesmo tempo faz tanto sentido e tão pouco sentido...” A programação deste ano reajusta o conceito. “O que procuramos, na realidade, são autores que fogem às normas,” explica Valverde. “Aqueles onde sentimos uma energia, uma pulsão, uma vontade de fazer filmes, alguma coisa a mexer que não sabemos explicar muito bem.”

É isso que se sente nas escolhas da edição 2017, que teve, pelo segundo ano consecutivo, um apoio financeiro superior ao ano anterior (“não muito, mas qualquer pouco é significativo”, explica Valverde). Na escolha de Teresa Villaverde, cineasta de sensibilidade literalmente à parte do mainstream autoral português, para abertura – Colo, estreado na competição de Berlim e com estreia nacional no Indie, “é um dos filmes portugueses mais importantes deste ano”, diz Mafalda Melo, uma das programadoras, “e enquadra-se na perfeição na nossa visão do festival”. 

Nas retrospectivas Herói Independente, homenageando dois cineastas que funcionam teimosamente fora dos circuitos tradicionais – o americano Jem Cohen, aliás presença regular no festival (13 filmes rodados entre 1996 e 2016), e o veterano francês Paul Vecchiali (17 filmes rodados de 1962 a 2015), com a presença dos realizadores.

No Foco Silvestre, dedicado à dupla experimentalista formada por Katja Pratschke e Gusztáv Hamós, exploradora do “fotofilme” construída à base de fotos de arquivo. E na ideia de uma “família” de cineastas recorrentes que tem vindo a ser construída ao longo dos anos e que, este ano, desabrocha numa competição capitaneada por nomes revelados no Indie ao longo dos últimos 14 anos: o boliviano Kiro Russo (vencedor do concurso de curtas em 2012 e 2016) com o híbrido documentário/ficção Viejo Calavera; o italiano Yuri Ancarani (vencedor das curtas em 2013), com o documentário The Challenge; e o argentino Eduardo Williams (menção honrosa curtas 2013), com El Auge del Humano, co-produção portuguesa com a Bando à Parte de Rodrigo Areias.

São três primeiras longas que coexistem na competição internacional com duas equipas ligadas ao Laboratório de Etnografia Sensorial de Harvard (Somniloquies, de Véréna Paravel e Lucien Castaing-Taylor, vencedores 2013 do Grande Prémio por Leviathan, e El Mar, la Mar, de J. P. Sniadecki e Joshua Bonnetta), e com cineastas das Filipinas (Eduardo Roy Jr., Ordinary People), do Brasil (Affonso Uchoa e João Dumans, Arábia), da Argentina (Milagros Mumenthaler, La Idea de un Lago) ou do Canadá (Ashley McKenzie, Werewolf).

“São autores que espelham um conjunto de preocupações e de estéticas que nos interessam”, para Miguel Valverde; “cineastas que fogem à cristalização, que estendem e alargam os limites da narrativa e rompem com as convenções”, para Mafalda Melo. “Nenhum deles é clássico no sentido narrativo, têm olhares novos. São filmes que fogem sempre um bocadinho ao formato,” continua a programadora. “Queremos abrir a cabeça das pessoas, mostrar filmes diferentes.”

Uma aposta que se estende àquela que é a maior competição nacional de sempre do Indie, com seis longas-metragens – correspondendo ao que Miguel Valverde diz ter sido um ano “atípico”, com “mais propostas nacionais de longas do que alguma vez tivemos”. À cabeça, surge Amor, Amor, segunda longa de Jorge Cramez, dez anos depois de O Capacete Dourado, e primeira produção portuguesa a ter honras de competir no concurso internacional desde Lacrau, de João Vladimiro, em 2013.

A seu lado estão a estreia na longa de Miguel Clara Vasconcelos (Encontro Silencioso), o regresso de um veterano do Indie (André Valentim Almeida, com Dia 32, documentário inspirado pelas alterações climáticas) e Coração Negro, terceira longa de Rosa Coutinho Cabral.

Há ainda Luz Obscura, o novo documentário de Susana de Sousa Dias (48), que teve estreia por estes dias no festival parisiense Cinéma du Réel, e Fade Into Nothing, de Pedro Maia, a vertente cinematográfica do projecto multimedia criado em road trip pelos EUA com a fotógrafa Rita Lino e o músico Paulo Furtado/Legendary Tigerman.

As 18 curtas escaladas para o concurso nacional vão de títulos que têm passado por alguns dos principais festivais internacionais – Um Campo de Aviação, de Joana Pimenta, que esteve em LocarnoNyo Vweta Nafta, de Ico Costa, que acaba de vencer o Cinéma du Réel, ou o Leão de Ouro de Berlim, Cidade Pequena, de Diogo Costa Amarante – a novos filmes de José Filipe Costa, Jorge Jácome, Leonor Noivo, André Ruivo, André Gil Mata ou Hugo Pedro. Filmes que, segundo Miguel Valverde, correspondem à dimensão “muito mais diversificada” da competição de curtas, e que prolongam a ideia de escolher “filmes que conversam melhor connosco”.

São também nomes da tal “família Indie” que vê, este ano, a exibição nas secções paralelas dos títulos novos de cineastas habitués do festival: de Scarred Hearts, do romeno Radu Jude (vencedor do Grande Prémio em 2015 com Aferim!), a Lumières d’Été, do francês Jean-Gabriel Périot (objecto de retrospectiva em 2016), passando pelos americanos Alex Ross Perry (Golden Exits) e Joel Potrykus (The Alchemist Cookbook), pela alemã Angela Schanelec (The Dreamed Path), pelo francês Damien Manivel (Le Parc), ou pelo falecido Michael Glawogger, Herói Independente 2006 (Untitled, filme póstumo terminado pela sua montadora Monika Willi).

A estrutura do festival segue as mesmas linhas dos últimos anos: a par das secções competitivas, a “mostra panorâmica” Silvestre (onde têm espaço os autores que, por já terem ultrapassado as três longas, ficam de fora da competição); as experiências de género da Boca do Inferno (onde se mostram dois dos mais badalados filmes de terror recentes, Grave, da francesa Julia Ducournau, e Prevenge, da inglesa Alice Lowe); o olhar sobre a história do cinema da Director’s Cut e as escolhas sobre música do IndieMusic (com uma série de sessões no terraço do Capitólio), mais o Indie Junior para os mais novos. 

E, este ano, um programa paralelo chamado Alt.Cinema, “porque achámos que era importante olhar e reflectir para a actualidade” segundo Mafalda Melo, composto por documentários como o controverso Ghost Hunting, de Raed Andoni (sobre as experiências dos prisioneiros políticos palestinianos em prisões israelitas), ou Karl Marx City, de Petra Epperlein e Michael Tucker (sobre a delação política na antiga RDA).

É nessa lógica que se deve ver o encerramento oficial, a 14 de Maio, com I Am Not Your Negro, o filme-manifesto criado por Raoul Peck a partir de textos de James Baldwin, nomeado para o Óscar de melhor documentário. “Porque,” diz Mafalda Melo, “queremos fechar com uma chave que apela à reflexão sobre os tempos que vivemos.” E com um filme que, tal como todos os outros, “rompe com as convenções". "Não podemos ficar à margem disso", acrescenta.

A programação poderá ser consultada em breve no site oficial www.indielisboa.com. Os bilhetes são colocados à venda a 19 de Abril.