Novo espectáculo "imperfeito" de Luis Miguel Cintra estreia-se no dia 29

Primeira leitura da peça Um D. João Português aconteceu sábado à noite, no Montijo, primeira das quatro cidades que a vai receber. É o regresso de um actor e encenador que em Dezembro pôs fim a um sonho com mais de 40 anos e que não consegue estar parado.

Para Luis Miguel Cintra <i<D. João</i> mantém toda a pertinência porque "volta a pôr em questão a responsabilidade ética dos comportamentos sociais e a moral"
Foto
Para Luis Miguel Cintra mantém toda a pertinência porque "volta a pôr em questão a responsabilidade ética dos comportamentos sociais e a moral" RUI GAUDENCIO / PUBLICO

A peça Um D. João Português, o primeiro trabalho de Luis Miguel Cintra depois do fecho da Cornucópia, em Dezembro, estreia-se no próximo dia 29, no Montijo, disse o encenador à Lusa, durante a primeira leitura da peça.

Um D. João Português, que terá nova apresentação no dia seguinte, 30 de Abril, somará um total de 12 representações, nas quatro cidades envolvidas no projecto - Montijo, Viseu e Guimarães, encontrando-se em curso as negociações com Setúbal. Em cada uma destas cidades haverá duas representações parciais da peça, e uma outra da peça completa, segundo o encenador.

"Como não gosto, nem consigo estar parado muito tempo, foi esta a forma que encontrei de voltar ao teatro após o fecho da Cornucópia e decidi regressar com esta adaptação que fiz do D. João, de Molière, por esta ser uma peça que me ficou 'entalada' e que não consegui fazer ao longo de uma vida de teatro", disse à Lusa o actor e encenador, durante a primeira leitura do primeiro bloco da peça - Na Estrada (Da Vida) -, realizada no sábado à noite, no pólo cultural da Junta de Freguesia do Afonsoeiro, no Montijo.

O encenador acrescentou estar a "gostar muito" do trabalho que está a realizar, "de portas escancaradas e em conjunto com o público", por se tratar de uma maneira de interagir e aprender com quem vai ao teatro. A filosofia deste projecto assenta na vontade de desenvolver trabalho com actores locais, sem os impedir de realizar outras actividades, sublinhou.
"Por isso, acabámos por optar por fazer curtas estadias em várias cidades, permitindo, igualmente, que a população fora de Lisboa fique a conhecer-nos melhor e a conhecer melhor aquilo que achamos fundamental no teatro", frisou Luis Miguel Cintra.

O encenador e autor da dramaturgia explicou ainda que baseou a sua adaptação na versão de "cordel", uma tradução anónima publicada em Lisboa no século XVIII, na qual o protagonista não vai para ao Inferno, como no original de Molière.

A acção centra-se num nobre mulherengo, que engana todas as mulheres com quem se vai casando ao longo das cidades por onde passa. D. João acaba por viver em fuga, ensombrado pelo homicídio que cometera, a morte do Comendador, pai de uma das suas conquistas.

"Para mim, esta peça representa muito do que está exposto no barroco - a vanitas [vaidade] - e representa também a efemeridade da vida", explicou Cintra ao público presente no Montijo, antes de dirigir a primeira leitura do texto.
Questionado pela Lusa sobre a possibilidade de repetir a experiência com outras peças de teatro, disse que tal não faz parte dos seus planos. "Estou cansado e já não tenho idade para andar com as coisas às costas", disse, sublinhando que esta experiência foi a maneira que encontrou para "ultrapassar, por agora, o fecho da Cornucópia".

A peça conta com 16 actores ligados ao percurso da companhia que dirigiu durante 43 anos: André Pardal, Bernardo Souto, Dinis Gomes, Duarte Guimarães, Guilherme Gomes, Joana Manaças, João Reixa, José Manuel Mendes, Leonardo Garibaldi, Luís Lima Barreto, Nídia Roque, Rita Cabaço, Rita Durão, Sílvio Vieira, Sofia Marques e, claro, o próprio Luis Miguel Cintra.

A estes juntam-se outros das cidades onde será representada. No Montijo contará ainda com a interpretação de Levi Martins e Maria Mascarenhas, da Companhia Mascarenhas-Martins, que co-produz a peça com o Teatro Viriato, em Viseu.
No início de 2018, a totalidade da peça, dividida em quatro actos, será representada em cada uma das quatro cidades que aderirem à iniciativa.

Neste novo projecto, Cintra faz questão de partilhar o trabalho com actores e público: "A ideia é, mais do que apresentar um produto cultural pronto a ser consumido, contactar verdadeiramente com a comunidade local, em diálogo e com a colaboração de estruturas ou entidades existentes, sejam grupos de teatro, escolas, associações culturais, teatros municipais, centros culturais, autarquias ou até grupos desportivos", escreve Luis Miguel Cintra numa reflexão sobre o espetáculo.

"Este projecto consiste, então (...), numa partilha de sessões de trabalho das diferentes fases de preparação com os espectadores interessados", lê-se na nota do encenador, na qual sublinha que as "formas de diálogo deverão estar adequadas aos hábitos e às necessidades do público envolvido em cada um dos locais visitados".

D. João, a peça, constrói-se como um julgamento moral, embora se preste à análise dos mais variados temas, já que o protagonista e o seu criado Esganarelo atravessam diferentes locais, fugindo da má fama do libertino.

Para Luis Miguel Cintra, a história torna-se "pertinente" porque "volta a pôr em questão a responsabilidade ética dos comportamentos sociais e a moral". "Tudo neste espetáculo a que chamei Um D. João Português é imperfeito, ou melhor, inacabado, bastardo, hesitante, incerto", conclui Cintra na reflexão sobre a obra.