Portugal estará reduzido a 7,5 milhões de pessoas em 2080

Projecções do Instituto Nacional de Estatística revelam que envelhecimento demográfico continuará até 2049

Em 2080 Portugal deverá ter 317 idosos por cada 100 jovens
Foto
Em 2080 Portugal deverá ter 317 idosos por cada 100 jovens Paulo Ricca/Arquivo

Portugal deverá passar dos actuais 10,3 milhões de habitantes para apenas 7,5 milhões em 2080, de acordo com as projecções da população residente do Instituto Nacional de Estatistica (INE) divulgadas esta quarta-feira. O documento admite ainda que a população portuguesa fique abaixo do limiar "psicológico" dos 10 milhões já a partir de 2031, ou seja, dentro de 14 anos.

O envelhecimento demográfico, por outro lado, só tenderá a estabilizar daqui a cerca de 40 anos, quando as gerações nascidas num contexto de níveis de fecundidade baixos já se encontrarem no grupo etário dos 65 e mais anos de idade. Pouco depois, por volta de 2080, o número de jovens diminuirá de 1,5 para 0,9 milhões, mesmo admitindo alguma recuperação no índice sintético de fecundidade. Actualmente, o número médio de filhos por mulher em idade fértil está nos 1,3 - já muito longe  dos 2,1 que seriam necessários para garantir a renovação das gerações. No lado oposto da pirâmide, o número de idosos passará de 2,1 para 2,8 milhões.Tudo conjugado, o índice de envelhecimento mais do que duplicará: passará de 147 para 317 idosos por cada 100 jovens.

No meio da pirâmide, a população activa ficará reduzida dos actuais 6,7 milhões para apenas 3,8 milhões de pessoas. Teremos assim que o índice de sustentabilidade será de 137 pessoas em idade activa por cada 100 idosos, em vez dos actuais 315. Este índice é o quociente entre o número de pessoas com idades entre os 15 e os 64 anos e o número de pessoas com 65 ou mais anos. 

Retrato do país deprimido

Estas projecções têm como base um cenário central (o INE também admitiu um cenário baixo e um cenário alto, além de um quarto cenário sem migrações) que pressupõe uma recuperação da natalidade até às 1,55 crianças por mulher em idade fértil até 2080. No cenário central, o INE admite a manutenção do ritmo de crescimento da esperança de vida à nascença que, em 2080, se deverá fixar nos 87,38 anos para os homens e nos 92,10 anos para as mulheres. Quanto às migrações, a hipótese central também não é propriamente pessimista, uma vez que considera a possibilidade de recuperação para saldos migratórios positivos, mais precisamente em 12.442 indivíduos. Refira-se a propósito que os dados mais recentes, relativos a 2015, mostram um saldo migratório claramente negativo, com a diferença entre emigrantes e imigrantes a fixar-se nos 10.500 pessoas, a favor dos primeiros. 

PÚBLICO -
Aumentar

A confirmarem-se estes pressupostos, o retrato do país por volta de 2080 surge claramente deprimido. Mas o declínio demográfico tornar-se-á visível muito antes disso. Por volta de 2025, a população residente em Portugal estará já reduzida a 10,1 milhões de pessoas, podendo fixar-se nos 9,9 milhões em 2035, continuando a descer até aos 8,9 milhões em 2055. Nesta altura, a população com menos de 15 anos diminuirá dos actuais 1,5 milhões para menos de um milhão.

No cenário baixo, que admite a manutenção dos baixos níveis de fecundidade (1,35 crianças em 2080) e dos saldos migratórios negativos (-3058), as tintas são ainda mais negras: a população residente em Portugal não passará dos 5,8 milhões em 2080, dos quais apenas 0,5 milhões serão jovens.

E, quanto à tendência para a diminuição do número de crianças e jovens, o INE sublinha que pouco há que se possa fazer. É que mesmo admitindo um aumento da fecundidade, assim como uma alteração para saldos migratórios positivos, "a redução de mulheres em idade fértil que se verifica desde 2003 terá inevitavelmente como resultado a diminuição do número de nascimentos". 

Vários cenários

Entre as pessoas com 65 ou mais anos de idade, que passarão dos referidos 2,1 para os 2,8 milhões, entre 2015 e 2080, o INE admite ritmos de crescimento diferentes. Os idosos deverão aumentar até ao final da década de 40, momento a partir do qual diminuem. Isto porque passarão a incluir-se nesta faixa "gerações de menor dimensão, nascidas já num contexto de níveis de fecundidade abaixo do limiar de substituição de gerações".

PÚBLICO -
Aumentar

No cenário alto (1,75 crianças por mulher em idade fértil, aumento da esperança de vida até aos 88,61 anos para os homens e 93,18 anos para as mulheres e saldo migratório positivo em 29.892 indivíduos), claramente mais optimista relativamente à evolução demográfica do país, os idosos poderiam perfazer em 2080 os 3,3 milhões, numa população total de 9,5 milhões. 

De volta ao cenário central, a população activa (entre os 15 e os 65 anos de idade) que em 2015 se situava nos 6,7 milhões, desce já a partir do corrente ano até aos seis milhões em 2032, não devendo passar dos quatro milhões em 2074. A tendência será transversal a todas as regiões do país e aos diferentes cenários equacionados pelo INE, podendo oscilar, em 2080, entre os cinco milhões no cenário alto e os 2,8 milhões no cenário baixo

PÚBLICO -
Aumentar