Detidos cinco futebolistas da II Liga e membro da claque Super Dragões

Seis homens detidos no âmbito de investigação por corrupção desportiva e apostas.

Foto
Hugo Santos/Arquivo

A Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária deteve seis homens e constituiu mais oito arguidos, “com ligações à indústria do futebol”, suspeitos da prática dos crimes de associação criminosa, corrupção activa e corrupção passiva, no âmbito da lei da corrupção desportiva.

Trata-se de cinco futebolistas da II Liga da época de 2015/2016 - três do Oriental, um do Penafiel e outro do Académico de Viseu - e ainda um membro da claque Super Dragões do Futebol Clube do Porto, Bruno Mendes. Em causa está uma prática ilegal intitulada match fixing, em que apostadores que podem estar noutra ponta do mundo - neste caso são asiáticos - arriscam o seu dinheiro nos resultados dos jogos. O problema é para ganharem o máximo possível os correctores de apostas pagam a determinadas equipas para que percam: o resultado dos jogos é antecipadamente combinado.

O membro dos Super Dragões é suspeito de ser o intermediário entre os jogadores do Oriental e do Leixões e os apostadores. "Os asiáticos, que apostam em tudo por todo o mundo, descobriram este filão em Portugal", explica fonte ligada à investigação, a que a Judiciária deu o nome de Operação Jogo Duplo II e é dirigida pelo Departamento de Investigação e Acção Penal. Através desta prática os apostadores chegam a conseguir determinar em que altura do jogo são marcados golos.

Os detidos serão presentes ao Ministério Público para primeiro interrogatório judicial no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.

Na primeira fase da Operação Jogo Duplo, foram realizadas 31 buscas e efectuadas 15 detenções. Na operação da Polícia Judiciária levada a cabo esta quarta-feira, com a colaboração das directorias do Norte, do Centro e de Lisboa e Vale do Tejo, foram realizadas 16 buscas domiciliárias em diversas localidades do país, designadamente, em Lisboa, Vila Franca de Xira, Ovar, Gaia, Porto, Fátima, Sesimbra, Loures, Santa Maria da Feira, Sanfins e Ermesinde.

Para além dos detidos, o comunicado anuncia que foram constituídos mais oito arguidos e apreendido “diverso material relacionado com a prática da actividade criminosa em investigação”.

A Polícia Judiciária contou com a colaboração da Europol, de entidades estrangeiras de monitorização de jogos e da Federação Portuguesa de Futebol, refere a mesma nota.

Notícia corrigida às 15h30, substituindo o Leixões, clube que esteve apenas envolvido na primeira fase da investigação, pelo Penafiel.