Aeroporto Cristiano Ronaldo, a festa promete ser de arromba

Presidente da República e primeiro-ministro presentes na mudança de nome do aeroporto da Madeira, que terá uma intensa cobertura mediática e uma forte participação popular.

Foto
Rui Gaudencio / Publico

O Aeroporto Internacional da Madeira muda esta quarta-feira de nome. Vai passar a chamar-se Aeroporto da Madeira Cristiano Ronaldo e a festa promete ser de arromba. Além do jogador, vão estar presentes na cerimónia, com início às 11h, o Presidente da República, o primeiro-ministro, o Governo Regional e as chamadas forças vivas locais, familiares e amigos, centenas de convidados e outros tantos madeirenses desafiados pelo executivo madeirense a presenciar a homenagem ao capitão da selecção portuguesa e eleito como o melhor jogador do mundo.

O aeroporto foi composto com um busto do jogador e com duas novas placas luminosas com a face e o nome do futebolista nas fachadas norte e sul. Durante 15 dias, na zona da gare, vai também estar patente uma exposição com 60 caricaturas de CR7.

Os CTT também se associaram à iniciativa e vão lançar dois postais comemorativos, ambos com porte pago, um destinado ao correio doméstico e outro ao internacional. No verso de cada postal está o aeroporto e na frente está o selo com uma imagem de Cristiano Ronaldo.

Já a Câmara Municipal do Funchal irá expor até 13 de Abril cerca de 170 peças, entre jornais, revistas e caricaturas de várias partes do mundo, sobre o jogador que é natural da freguesia de Santo António. Desta freguesia, onde recentemente foi inaugurado um mural gigante dedicado a Cristiano Ronaldo, vão sair vários autocarros que transportarão as crianças locais até à homenagem no aeroporto.

As televisões e rádios nacionais prometem estar em directo da Madeira desde as primeiras horas de manhã, assegurando uma cobertura exaustiva em vários pontos de reportagem. Para quem não quiser perder nem um minuto da cerimónia, foi criado um site especial que permitirá acompanhar tudo com imagens em directo. A página já foi promovida por CR7 nas redes sociais.

Em destaque vão estar também ao longo de todo o dia o museu do jogador, a estátua e o hotel com o seu nome, tudo no Funchal.

A presença da selecção que jogou (e perdeu) com a Suécia, no Estádio dos Barreiros, e das mais altas individualidades portuguesas na a homenagem desta quarta-feira levou ao destacamento de uma força policial a rondar os 500 efectivos.

“Boa tarde, acabou de aterrar no Aeroporto da Madeira Cristiano Ronaldo.” A frase vai passar a ser repetida em todos os voos que, a partir desta quarta-feira à tarde, chegarem ao Funchal. Porém, oficialmente, a nível internacional, o antigo nome ainda irá manter-se por mais algum tempo.

Na passada sexta-feira, o secretário de Estado da Economia, Turismo e Cultura da Madeira, Eduardo Jesus, explicou, em declarações à Antena 1, que a atribuição do nome do futebolista é “um processo de registo” na alçada da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA), a pedido da ANA — Aeroportos de Portugal, com base numa resolução governamental que “leva tempo”.

O governante madeirense considerou ser uma situação semelhante à que acontece com o Aeroporto de Lisboa, relativamente ao qual o pedido de “transformação de denominação” para Humberto Delgado “já aconteceu há uma série de meses”, sendo que no site da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) não há ainda qualquer alteração.

O mesmo se verificou anteriormente quando o aeroporto da ilha mudou o nome de Santa Catarina para Aeroporto do Funchal e, depois, para Aeroporto Internacional da Madeira.

Polémica “sem pés nem cabeça”

O anúncio do novo nome do aeroporto madeirense foi feito pelo presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, a 22 de Junho do ano passado durante a inauguração do Hotel Pestana CR7, no Funchal, causando supressa geral e polémica imediata.

O Governo nacional, através o ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques, afirmou que não tinha sido consultado para a alteração do nome, mostrando alguma discordância. Albuquerque respondeu de pronto, afirmando que “o aeroporto é propriedade da Região Autónoma da Madeira” e que a discussão “não tinha nem pés nem cabeça”.

A polémica estendeu-se a comentadores, políticos e anónimos, chovendo argumentos a favor e contra, mas, independentemente da troca de pontos de vista, o aeroporto inaugurado por Américo Thomaz a 8 de Junho de 1964 vai mesmo mudar de nome mais uma vez, nesta quarta-feira.

Desde a sua inauguração até aos dias de hoje muita coisa mudou na infra-estrutura situada na zona Leste da Ilha da Madeira. A pista com 1600 metros foi aumentada em 1986 para 1800 metros e em 2000 para os actuais 2781 metros, entrando mar adentro, com a sua laje assente em 180 pilares com fundações que atingem os 70 metros de profundidade.

Um aeroporto que também ficou marcado pela maior tragédia da aviação portuguesa, quando, na noite de 19 de Novembro de 1977, um avião da TAP se despenhou na pista causando a morte de 131 pessoas.