“O nosso cérebro não está preparado para mentir”

Rui Mergulhão Mendes faz detecção de mentiras e fraude. Está em tribunal como assessor de advogados do caso das eleições da Associação Mutualista Montepio. A sua presença num julgamento, inédita, causa cepticismo e curiosidade no meio. Afinal, qual é a verdade da mentira?

Foto
Rui Mergulhão Mendes diz que nos primeiros instantes consegue perceber com quem é que uma testemunha está alinhada Rui Gaudêncio

Numa busca pelo Google, qual a palavra que tem mais resultados: “mentira” ou “verdade”? “Verdade”, indiscutivelmente, com cento e muitos milhões de entradas, enquanto a "mentira" aparece com pouco mais de 70 milhões. Será que preferimos a verdade à mentira?

Nas horas-chave para testá-lo, como um julgamento, verdade é a palavra usada por juízes quando se dirigem às testemunhas, arguidos e ofendidos. “Jura que responderá às questões com a verdade?", "está à vontade para responder com verdade?”, pergunta a juíza Mariana Capote na sala onde decorre a audiência da acção que impugnou as eleições para os órgãos sociais da Associação Mutualista Montepio.

Estamos numa das sessões do julgamento, no Palácio da Justiça de Lisboa, em que se está a avaliar as alegadas irregularidades e falta de transparência da lista de Tomás Correia, vencedor das eleições em Dezembro de 2015. A acção judicial, da autoria do médico António Andrade e do arquitecto Nuno Monteiro, pede a repetição das eleições.

Sentado ao lado dos dois advogados que defendem os autores da acção está Rui Mergulhão Mendes, 48 anos. Objectivo: deslindar o que poderá ser mentira nos gestos, nos olhares e nalgumas palavras de quem se senta a depor – e que seja de interesse para a sua parte – , fornecer ao seu cliente elementos em que ninguém reparou. 

O especialista em detecção da mentira e fraude não diz, como Jason Bull, da série Dr. Bull, que o "veredicto depende" dele. Mas afirma: “Quando alguém presta depoimento, consigo descobrir os pontos quentes, onde é que a pessoa eventualmente está a mentir.” O recurso a alguém com o seu perfil em julgamentos está estudado – na Nova Zelândia, no Reino Unido, por exemplo, lembra o perito. Agora chega aos tribunais portugueses, sendo inédito segundo os profissionais da área consultados pelo PÚBLICO.

No escritório da Emotional Business Academy, a sua empresa de consultoria e formação em áreas como a linguagem corporal, liderança ou detecção de mentira e fraude, diz: “Sabemos que não podemos controlar tudo do ponto de vista da linguística e da comunicação. Os juízes e os advogados deviam ter competências nas áreas forenses, nomeadamente na entrevista investigativa.”

Na página da Internet da sua empresa está escrito que “as palavras representam apenas 7% da comunicação” e que “mais de 90% da opinião que formamos acerca de alguém acontece nos primeiros quatro minutos”. Como é que alguém detecta algo que supostamente está escondido? 

Espelho meu

Com um bloco de notas, onde vai escrevendo, Rui Mendes está sobretudo concentrado no interrogatório feito pelo advogado que está a assessorar. Mantém-se calado. “Não intervenho, ouço, recolho informação e no fim faço um relatório”, explica. “Não existe ali manipulação”, afirma quando o questionamos sobre isso. “Atenção, não estamos a falar de ciências exactas mas de ciências do comportamento humano, que necessitam de ser testadas."

Não faz perguntas, mas adoraria fazê-las. Pela postura corporal, garante, consegue perceber com quem é que a pessoa está alinhada logo nos primeiros instantes. “É a natureza humana: aproximamo-nos do que nos interessa e afastamo-nos do que não nos atrai.” Depois tenta perceber “como se desvia em relação ao comportamento” padrão. “Todos temos uma norma e o que quero apanhar é o desvio, que é quando pode acontecer o processo da mentira.” Ajuda-o a experiência das horas que passou em tribunais “a estudar padrões de comportamentos”.

Por exemplo, todos os movimentos das mãos “são importantíssimos porque quando estamos sob nível de stress temos tendência a mexer”. Que dizer de uma pessoa que normalmente fala com as mãos e que as retrai quando lhe fazem uma pergunta? Alguma coisa lhe causou desconforto. Porque é que se vira na direcção do juiz e “presta contacto frontal”? “Porque está à vontade”, analisa. “Tudo isto é informação relevante.”

Com licenciatura em Gestão, pela Universidade Lusíada, Rui Mergulhão Mendes tem formação na área da expressão facial, linguagem corporal, micro-expressões e neurolinguística feitas no Instituto Paul Eckman, de Manchester, e no Body Language Institute, em Washington. Em Portugal fez uma pós-graduação em Ciências Forenses, Profiling e Comportamento Desviante (no Instituto CRIAP). Aprendeu formas de “inibir alguém do outro lado”, a ler os sinais que as pessoas emitem, a "aferir estratégias na condução do interrogatório que vão além” do que a pessoa do outro lado quer comunicar.

“Raramente” se senta nos tribunais “gente inocente no processo”, afirma: “As pessoas têm tendência para um lado ou para o outro, nem que seja do ponto de vista inconsciente, e vinculam-se. Se começamos a perceber que aquele testemunho não vai de encontro àquilo que esperamos, podemos abdicar dele e não fazer mais perguntas. Ou se notamos [noutra testemunha] que há desconforto quando se toca num tema podemos também dar indicação” ao advogado. “Mesmo o juiz, com o corpo, vai-nos dando indicações de quais são os seus lados preferenciais", inclinando o corpo de forma diferente consoante o interlocutor.

Nas salas de interrogatório a existência de um espelho seria de grande utilidade, preferencialmente colocado à esquerda ou à direita consoante quem está a ser interrogado tenha maior facilidade em comunicar de um lado ou do outro. "Porque ninguém gosta de se ver a mentir. O nosso cérebro não gosta de mentir, não está preparado para mentir. Por isso é que vai criar dissonâncias na parte da comunicação, porque oscilamos entre a verdade e a mentira, e essa dissonância corpo/voz torna-se evidente.”

Depois há um segundo problema, considera: “Manter a mentira não é fácil. Quando alguém mente e é confrontado não gosta.” 

Directo ao assunto

Já deu formação a forças de segurança, pessoal da área de justiça, políticos, chefias de empresas, público em geral. Analisou casos mediáticos. Para apanhar uma mentira o mais eficaz é ser directo e ir ao foco da questão. É aí que “o desconforto [de quem mente] começa a ser maior”. Depois vão-se fazendo mais perguntas. E das duas uma: “Ou a pessoa entrega a informação ou diz ‘não vou falar mais sobre o tema’”, explica. “Mas uma coisa é certa: ficou a perceber que o outro percebeu o desconforto.”

Indicadores que acendem alertas, por exemplo, são o recurso a termos como “isso”, “disso” e a “tudo o que é abstracto”. “Quando não falamos de coisas concretas é indício de que nos queremos afastar. Porque falamos no abstracto e o cérebro não tem que se relacionar com a questão, é como se não estivesse a mentir". No fundo, o corpo fala “de forma muito mais aberta” se nos referimos a uma coisa concreta, por isso “evitamos fazê-lo” quando estamos a mentir. 

Se a desconfiança estiver criada, recorrem-se a outras técnicas para validar a suspeita. Mesmo com alguém que acredita na sua própria mentira, Rui Mendes diz que é possível levá-la a expor-se, fazendo perguntas sobre detalhes em que não terá pensado e que “vão causando o desconforto”. Isso “gera incongruências e as pessoas vão-se revelando à medida que se faz o interrogatório”. 

Onde é que ficam os seus preconceitos de alguém que está no papel dele? Como é que garante que a leitura que faz não está condicionada por ideias pré-concebidas? “O que se torna mais difícil é sairmos dos nossos sapatos e pormo-nos na pele de uma pessoa completamente isenta. Quando estou a analisar o comportamento de alguém, não tenho que pensar no que eu poderia ter feito, tenho que me abstrair disso. Depois procuro sempre validar a minha percepção.” Em tribunal, por exemplo, a questão é saber qual a isenção de um juiz que já condenou “não sei quantas pessoas com um mesmo tipo de face” quando aparece alguém com esse mesmo tipo de face e não é criminoso?

E que dizer de ensinar pessoas a mentir melhor? É possível? Diz que se recusa a instruir testemunhas, por exemplo, a fazê-lo. “Até porque eu as poderia preparar para retrair comportamentos, mas aí a autenticidade ainda fica mais plástica (e o corpo denunciá-las-ia)”.

Afinal, o que é mesmo uma mentira? Há a mentira social, que não traz nem benefício, nem prejudica ninguém; a mentira em benefício próprio, que não prejudica ninguém directamente; e “a pior de todas”, a mentira em benefício próprio que prejudica o outro. Mentira é “tudo aquilo que não vai de encontro ao nosso verdadeiro estado emocional, tudo o que vá contra a minha verdade consciente dos factos e que tento camuflar com as micro-expressões, que inconscientemente aparecem na face”, define. 

Na mentira ou na omissão há sempre um ganho associado, diz ainda. É por isso que a primeira grande descoberta é saber: o que é que a pessoa pode estar a ganhar com isso? Talvez aí se apanhe a verdade da mentira.