Dijsselbloem, copos e mulheres. Uma polémica como a Internet gosta

São já várias as paródias espalhadas pela Internet às declarações do presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, que acusou os europeus do Sul de gastarem o seu dinheiro “em copos e mulheres”. Do Zé Povinho de Bordalo Pinheiro a António Costa, quase tudo serviu para responder.

Foto
Twitter/Maria Alves

A marcar a actualidade noticiosa desta terça-feira estão as declarações do ainda ministro das Finanças holandês e presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, que acusou os europeus do Sul de gastarem o seu dinheiro “em copos e mulheres” e “depois pedirem que os ajudem”. Uma polémica que levou já o Governo a pedir o afastamento do presidente do Eurogrupo.

“Na crise do euro os países do Norte mostraram solidariedade para com os países do Sul. Como social-democrata, a solidariedade é para mim extremamente importante. Mas quem a pede, tem também deveres. Não posso gastar o meu dinheiro todo em bebidas e mulheres e depois disso ir pedir a vossa ajuda. Este princípio vale para o nível pessoal, local, nacional e também europeu”, afirmou o holandês em entrevista ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung.

A polémica estalou quase imediatamente nos diferentes meios. E um deles, que nunca falta a uma boa controvérsia, foi a Internet. Imediatamente surgiram os mais variados memes e montagens para responder e dar início à paródia às afirmações de Dijsselbloem. Por cá, a página Insónias Em Carvão esteve particularmente activa, mas as partilhas nas redes sociais tiveram origem um pouco por toda a Europa.

Até o primeiro-ministro português, António Costa, serviu para dar resposta ao político holandês. Aqui bem acompanhado.

Mas da Holanda também vieram reacções. E neste caso coube Bernie Sanders, político americano e candidato às primárias do Partido Democrata das eleições presidenciais, dar a resposta.

Há quem defenda que os países do Sul europeu não gastam dinheiro só em "copos".

Os compatriotas de Dijsselbloem também gostam de beber bem, como se defende neste tweet.

E também há respostas bem portuguesas.