“Lu-Olo” eleito Presidente de Timor-Leste à primeira volta

Candidato apoiado pelos dois principais partidos com resultado à volta dos 57%. São as primeiras eleições organizadas autonomamente por Díli.

Foto
LUSA/MAST IRHAM

Francisco Guterres “Lu-Olo” será o novo Presidente da República de Timor-Leste. Numa altura em que estão contados 90% dos votos nas eleições que se realizaram na segunda-feira, o candidato apoiado pelos dois maiores partidos do país, a Fretilin e o CNRT, está em vantagem, com 57,42% dos votos expressos. António da Conceição, actual ministro da Educação, tem 32,29%. O Partido Democrático, que apoiava o segundo candidato mais votado já congratulou o vencedor, que deverá tomar posse dentro de dois meses.

De acordo com o Secretariado Técnico de Administração Eleitoral, o organismo público que coordena o processo eleitoral em Timor – o primeiro feito sem ajuda externa desde a independência do país –, citado pela agência Lusa, “Lu-Olo” recolheu até ao momento 262.147 votos, que correspondem a mais de 57% do total apurado. Já Conceição fica-se pelos 147.436 votos. Mesmo que conseguisse a totalidade dos votos que faltam apurar já não teria hipóteses de ultrapassar o concorrente.

Nas eleições presidenciais de Timor-Leste, para que qualquer um dos candidatos seja declarado vencedor na primeira volta tem que ter 50% dos votos válidos, mais um. Por isso, dirigentes do Partido Democrático (PD), que apoiou o segundo candidato mais votado, já reconheceram a vitória de Francisco Guterres “Lu-Olo”, reporta a agência Lusa.

Os outros seis candidatos às eleições para Presidente da República de Timor-Leste têm percentagens de votos expressos mais baixas. O terceiro colocado, José Luis Guterres, não deverá ultrapassar os 3%.

A contagem dos votos já foi fechada em oito dos 12 municípios timorenses, na região especial de Oecusse-Ambeno e nos três centros de votação no estrangeiro: Sydney, Darwin e Lisboa. Na capital portuguesa, “Lu-Olo” teve 65,61% dos votos. Falta terminar a contagem em Bobonaro, Díli, Ermera e Lautem, municípios onde o candidato também lidera a contagem.

Esta foi a terceira tentativa de “Lu-Olo”, que é o presidente da Fretilin (Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente), para chegar à Presidência da República, depois das derrotas, sempre na segunda volta, em 2007 e 2012. Desta vez, partia como o grande favorito à vitória, não só por ter conseguido o apoio do ex-Presidente e líder histórico da resistência, Xanana Gusmão, como também do CNRT (Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste), historicamente o principal adversário do seu partido.

Já António da Conceição, secretário-geral do Partido Democrático, teve o apoio do Khunto, uma força ligada ao grupo de artes marciais Korka, e de uma parte dos militantes do Partido de Libertação do Povo (PLP).