Dijsselbloem acusa os europeus do Sul de gastarem dinheiro em “copos e mulheres”

Presidente do Eurogrupo tenta manter-se no cargo depois de pesada derrota nas eleições holandesas.

Jeroen Dijsselbloem, ministro holandês das Finanças.
Foto
Jeroen Dijsselbloem, ministro holandês das Finanças. Reuters/YVES HERMAN

O ainda ministro das Finanças holandês e presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, acusou os europeus do Sul de gastarem o seu dinheiro “em copos e mulheres” e “depois pedirem que os ajudem”. Uma polémica que levou já o Governo a pedir o afastamento do presidente do Eurogrupo.

Numa entrevista na edição de segunda-feira ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, Dijsselbloem é questionado sobre a posição do ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, que diz que a responsabilidade da Comissão Europeia também deveria ser assegurar-se de que as regras orçamentais são cumpridas.

Dijsselbloem responde que também ele pensa que é importante este assegurar das regras. Questionado sobre a razão, explica que a União Europeia deve mostrar para o exterior que é capaz de aplicar o Pacto de Estabilidade e Crescimento com consistência, e, segundo, que assim poderia aumentar a confiança dos países no interior da UE. “Na crise do euro os países do Norte mostraram solidariedade para com os países do Sul. Como social-democrata, a solidariedade é para mim extremamente importante. Mas quem a pede, tem também deveres. Não posso gastar o meu dinheiro todo em bebida e mulheres e depois disso ir pedir a vossa ajuda. Este princípio vale para o nível pessoal, local, nacional e também europeu”. 

Questionado já esta terça-feira no Parlamento Europeu pelo eurodeputado espanhol Ernest Urtasun sobre as suas declarações, Jeroen Dijsselbloem recusou pedir desculpa, salientando que a parte mais importante da sua declaração é a que diz respeito à solidariedade entre os países do Norte e do Sul da Europa.

"Não se ofendam, isto não é sobre um país, é sobre todos os nossos países. A Holanda também falhou no cumprimento do que foi acordado", disse.

Confrontado com o excerto da entrevista em causa e questionado por Urtasun se pediria desculpa, Dijsselbloem disse que "não, de maneira nenhuma", e exasperou-se com a insistência do eurodeputado: "E não precisa de ler as minhas declarações porque conheço as minhas palavras, vieram desta boca".

O ministro espanhol da Economia, Industria e Competitividade, Luis de Guindos, já reagiu às declarações de Jeroen Dijsselbloem afirmando que o presidente do Eurogrupo “não foi feliz”.

“Estou convencido que o próprio Dijsselbloem já deve estar arrependido das suas palavras. (…) O comentário não foi feliz”, afirmou Guindos aos jornalistas após a reunião dos ministros da Economia e Finanças da União Europeia.

A indignação veio também da sua família política, com o líder dos socialistas no Parlamento Europeu, Gianni Pittella, a lamentar as palavras “chocantes” de Dijsselbloem. “Não é a primeira vez que Jeroen Dijsselbloem expressa opiniões em aberta contradição com a linha da família progressista europeia”, afirmou Pittella.

“Agora, com as suas palavras lamentáveis e chocantes, foi ainda mais longe usando argumentos discriminatórios contra os países do Sul da Europa. Não há razão para alguém que se diz progressista usar estas palavras”, acrescentou.

Gianni Pittella pergunta mesmo se “uma pessoa que usa estes argumentos pode ser considerada adequada para presidir ao Eurogrupo”.

As declarações, disse numa rede social o eurodeputado socialista espanhol Javier Lopez, “representam o triunfo da mentalidade do populista Geert Wilders”, que obteve 13% e o segundo lugar nas legislativas na Holanda na semana passada, cita o diário El País

“Dijsselbloem ofendeu os países do Sul e as suas mulheres com uma declaração racista e machista. Deve pedir desculpa e deixar o seu cargo pois já não é neutro”, acrescentou por sua vez o líder do PP espanhol no Parlamento Europeu, Esteban González Pons.

"Atrasado mental", diz deputado do PSD

Já Duarte Marques, deputado do PSD, reagiu às declarações de Jeroen Dijsselbloem no Twitter, dizendo que o presidente do Eurogrupo é “um atrasado mental”. “Este socialista holandês é um atrasado mental. Ao pé dele, Schäuble parece um senhor”, escreveu.

O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, também no Twitter afirmou: “Copos e mulheres. Há coisas que nem se responde.”

No Facebook, os deputados do PS Tiago Barbosa Ribeiro e Porfírio Silva responderam com fortes críticas ao ministro das Finanças holandês. Porfírio Silva apelida Dijsselbloem de “traste austeritário”, enquanto Barbosa Ribeiro aproveita para deixar uma crítica ao Governo de Passos Coelho: “Estão a ouvir, seus borrachões devassos? (e foi a esta gente que, sem um pingo de dignidade, andamos a obedecer acriticamente durante o consulado passista).”

Dijsselbloem está disponível para se manter à frente da presidência do Eurogrupo mesmo depois de deixar de ser ministro das Finanças da Holanda. Uma vontade manifestada depois de o seu partido, o PvdA, que integra a família socialista europeia, ter sido um dos grandes derrotados nas recentes eleições holandesas.

Isto significa que Jeroen Dijsselbloem estará de saída do Ministério das Finanças na Holanda e pode perder também o emprego de presidente do Eurogrupo, cargo para o qual foi eleito em 2013 e reeleito em Julho de 2015, por mais dois anos e meio – ou seja, até ao início de 2018.

Bloco quer que AR repudie declarações

O Bloco de Esquerda vai apresentar na sexta-feira um voto de repúdio às declarações de Dijsselbloem e entende que a Assembleia da República deve repudiá-las: “Nós consideramos estas declarações absolutamente xenófobas, racistas, sexistas, preconceituosas, ainda para mais depois de anos de austeridade que Portugal e outros países do Sul sofreram, medidas impulsionadas em parte por este presidente do Eurogrupo. É imperioso que Assembleia da República repudie estas declarações. A última parte do nosso voto refere ainda que o presidente do Eurogrupo deve retractar-se das afirmações que fez”, explicou ao PÚBLICO a deputada bloquista Isabel Pires.

Entre outras críticas, no texto que será apresentado pelo grupo parlamentar do Bloco, pode ainda ler-se que “Dijsselbloem decidiu insultar todos os cidadãos do sul da Europa e suas respectivas instituições democráticas”. Mais: “Com esta afirmação, Jeroen Dijsselbloem demonstra deter uma visão preconceituosa e chauvinista sobre milhões de cidadãos e seus respectivos países, membros de pleno direito das instituições europeias.” Com Maria João Guimarães e Maria João Lopes