Governo da Madeira aprova venda do Jornal da Madeira

O Jornal da Madeira chegou a custar perto de dois milhões de euros anuais ao orçamento regional.

Miguel Albuquerque, chefe do Governo Regional da Madeira
Foto
Miguel Albuquerque, chefe do Governo Regional da Madeira gc Gregorio Cunha - colaborador

O Governo Regional da Madeira deu mais um passo para a alienação do Jornal da Madeira (JM), ao aceitar a proposta de um consórcio formado por duas empresas regionais.

Sem quantificar o valor da proposta, o Executivo de Miguel Albuquerque anunciou no final da semana passada, que o concurso para a venda daquele matutino regional recebeu uma única intenção vinculativa, entregue por uma rádio local, do empresário madeirense Avelino Farinha, com interesses na construção civil e turismo, em conjunto com a ACIN, uma tecnológica internacional com sede no arquipélago.

O processo de venda do jornal, que chegou a custar perto de dois milhões de euros anuais ao orçamento regional, terá um novo episódio a 5 de Abril, prazo limite dado pelo Governo madeirense para o consórcio proceder a ajustes na proposta e constituir-se como empresa para adquirir a totalidade do capital da Empresa Jornal da Madeira, que além do JM detém ainda uma rádio local, a RJM.

A venda do Jornal da Madeira, que entretanto alterou o título para JM ao mesmo tempo que era sujeito a uma profunda reestruturação, foi um compromisso eleitoral de Miguel Albuquerque, face às crescentes críticas da oposição em relação àquele órgão oficioso do executivo de Alberto João Jardim.

O antigo presidente do Governo madeirense, que chegou a ser director do jornal no pós-25 de Abril, assinava diariamente uma página de opinião onde defendia as políticas seguidas pelo Executivo que chefiava e atacava a oposição. O próprio Albuquerque, durante o processo de sucessão de Jardim no PSD-Madeira, foi duramente visado pelos artigos de opinião monocromáticos e alinhamento editorial crítico do JM.

A pluralidade de informação foi sempre a justificação que Alberto João Jardim apresentou para subsidiar o jornal, que era detido em 99,98% pelo Governo, e que ao longo dos últimos anos de jardinismo terá absorvido perto de 50 milhões de euros do orçamento regional.

A venda do matutino não foi fácil. Num mercado pequeno e dominado pelo Diário de Notícias da Madeira, o primeiro prazo estabelecido pelo Governo para a recepção de propostas terminou sem interessados. Foi necessário alargar esse período em 90 dias para entrar uma intenção de compra.