No Algarve, quem não tem carro não vai a (quase) lado nenhum

A Comunidade Intermunicipal do Algarve – Amal apresenta, em Maio, o projecto da “smart region” – uma proposta de mobilidade para chegar do litoral à serra. O aeroporto de Faro continua sem ligação por comboio à cidade

Miguel Manso
Foto
Miguel Manso

Os utilizadores de transportes públicos e adeptos da mobilidade suave no Algarve não têm espaço nem forma de fazer valer os seus direitos. A região está (des)estruturada para ter como principal meio de transporte o automóvel, particular ou alugado. A Comunidade Intermunicipal do Algarve — Amal deu nesta segunda-feira a conhecer o projecto da smart region — uma proposta para colocar as 16 câmaras da região a pensar, em conjunto, na forma de definir uma política de transportes intermodal, com recurso às novas tecnologias. Nos próximos dias 18 e 19 de Maio, no autódromo internacional do Algarve, em Portimão, vai ser dada a conhecer a “montra” da smart region, envolvendo mais de 40 parceiros nas áreas das novas tecnologias — desde a Google às empresas regionais como a Visualforma e Algardata.

Durante a apresentação do site onde se poderão encontrar as novidades em matéria de mobilidade para a região, a presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes, destacou a importância da iniciativa, recordando o esforço dos municípios para se assumirem como região e não apenas um somatório de 16 câmaras. “Parece-me que chegou a altura do Governo dar um rebuçado aos algarvios”, enfatizou. A reivindicação da vice-presidente da Associação Nacional dos Municípios prende-se com a prometida regionalização, adiada sine die. Por seu lado, o presidente da Região de Turismo do Algarve, Desidério Silva, à margem do encontro, declarou ao PÚBLICO: “A ideia deste fórum é importante para mobilizar as autarquias, e a opinião pública em geral, para uma das questões prementes da região — o Algarve tem um problema de transportes que todos conhecemos”, sublinhou. A falta de ligação do aeroporto de Faro à cidade, por via férrea, acrescentou, é apenas um dos exemplos da ausência de um plano regional de transportes.

O presidente da Amal, Jorge Botelho, destacou, por seu lado, que os municípios dispõem, nos próximos três anos, de 25 milhões de euros para inovar nas áreas da mobilidade, transportes públicos e governação digital. O primeiro passo, afirmou, foi dado com o reconhecimento da Amal enquanto autoridade regional responsável por fazer a articulação do transporte público rodoviário. A questão da ligação ao aeroporto a Faro, por comboio, reconheceu, permanece num impasse. “O que nos disse o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, é que a obra estava dependente do resultado de um estudo de impacto ambiental, que ainda não foi feito”.

No que diz respeito à RTA, Desidério Silva entende que há capacidade para estruturar e promover o produto turístico “Algarve” ao nível do turismo ambiental, conjugado com a mobilidade suave, mas ainda falta muito para atingir essa meta. “A ciclovia [a ligar Vila Real de Stº António a Sagres] tem de ser concluída nos percursos que falta concluir”, exemplificou.

Na última edição da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), realizada na semana passada, esteve em destaque a oferta de propostas de férias alternativas ao sol e à praia mas quando se desce ao terreno, a realidade acaba por ser redutora. Cada um dos municípios promove e mostra o que acha mais importante e nem sequer existe o cuidado de assegurar os meios de transporte público para o concelho vizinho. “Estamos a trabalhar para encontrar uma solução — e a tecnologia é uma das ferramentas”, diz Desidério Silva.

Por seu turno, Isilda Gomes entende que o projecto da smart region — next mov pode vir a relançar a importância de se discutir os problemas das regiões que se sobrepõem ao interesse de cada um dos municípios. E conseguir que os algarvios consigam circular entre os vários municípios sem depender exclusivamente do carro é um dos maiores desafios a enfrentar.     

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações