O treinador que ganhou 14-1 confessa: “Perdi a noção do marcador”

Mafra demolidor na recepção à Naval, em jogo do Campeonato de Portugal.

Os jogos da I Liga são uma memória do passado na Figueira da Foz
Foto
Os jogos da I Liga são uma memória do passado na Figueira da Foz Paulo Pimenta (arquivo)

Por momentos foi como se o tempo tivesse recuado até à altura em que eram normais os resultados com mais de uma dezena de golos e marcadores no duplo dígito. Aconteceu no Mafra-Naval, partida da sexta jornada da série F de manutenção no Campeonato de Portugal, que terminou com um triunfo por 14-1 para os anfitriões.

“Chegou a um ponto em que perdi a noção. Ao intervalo estava 8-0 ou 9-0. Falei com os meus jogadores, para dizer-lhes que não deviam abrandar nem guardar muito a bola, mas sim procurar manter o mesmo regime da primeira parte e jogar para fazer golos”, confessou ao PÚBLICO o treinador do Mafra, Pedro Silva.

Manter essa atitude seria a maior demonstração de respeito pela Naval 1.º de Maio que o Mafra podia fazer, defendeu o técnico. “As duas equipas estão de parabéns, porque a Naval nunca baixou os braços e os meus jogadores respeitaram o adversário e nunca deixaram de procurar mais um golo”, notou. O brasileiro Marcelo Campanholo foi o jogador com mais golos na partida – cinco, segundo o treinador Pedro Silva. Que acrescentou: “Até o golo deles é autogolo nosso.”

Os extremos da classificação encontraram-se no Campo Dr. Mário Silveira, em Mafra: a equipa da casa tem praticamente assegurada a permanência no terceiro escalão do futebol nacional, enquanto a Naval 1.º de Maio está ancorada ao oitavo e último lugar da tabela. Mas ninguém esperaria que as diferenças entre as duas equipas fossem traduzidas num marcador tão desequilibrado.

Ao intervalo o resultado já estava em 9-0 mas os golos continuaram no segundo tempo, com o Mafra a chegar ao 13-0 antes do golo de honra dos figueirenses. O apito final encerrou o resultado em 14-1, acentuando o bom registo atacante do Mafra, o melhor ataque da série F de manutenção no Campeonato de Portugal (20 golos marcados em seis jogos), e o mau desempenho defensivo da Naval, a defesa mais batida (27 golos sofridos em seis jogos).

“A minha equipa entrou bem no jogo, fiz uma mudança no sistema táctico em que a minha ideia era criar dificuldades à minha equipa e jogar com três atrás, um deles um médio. A qualidade dos jogadores e do futebol praticado foi muito acima da média e facilmente conseguimos criar muitas situações para finalizar. Tivemos a felicidade de fazer três golos em três minutos e depois é normal que uma equipa que está em último quebre animicamente”, analisou Pedro Silva.

A Naval, que na temporada 2010-11 se despediu da I Liga, caiu numa espiral descendente que a deverá atirar, na próxima época, para as competições distritais. O emblema da Figueira da Foz debate-se com sérias dificuldades para entrar em campo a cada fim-de-semana. Na fase regular do Campeonato de Portugal a Naval somou apenas dois pontos em 18 partidas, tendo sofrido 79 golos.

A equipa figueirense chegou a equacionar não participar na segunda fase do campeonato se a SAD não garantisse as condições mínimas. “Só espero que alguém no clube nos ajude, senão não faz sentido continuar”, apelava, em Janeiro, o capitão da Naval, Sérgio Grilo, em declarações à agência Lusa. Num plantel composto por apenas 12 jogadores, o futebolista acrescentava: “Uns trabalham e outros estudam, mas ninguém recebe salário. Ao menos que nos dêem condições para treinar e jogar futebol.”