Descontente com a distrital, PS-Matosinhos desafia PSD para aliança autárquica

Líder concelhio, cuja candidatura à câmara foi travada pela distrital, diz que se no “Porto o PS pode apoiar Rui Moreira, em Matosinhos, os sociais-democratas podem juntar-se aos socialistas”.

Foto
Processo de escolha de Joaquim Jorge para candidato do PSD à Câmara de Matosinhos tem sido polémico Fernando Veludo/NFACTOS

O líder do PS de Matosinhos, Ernesto Páscoa, escolhido pela concelhia para candidato à câmara, mas travado pela distrital que impôs Luísa salgueiro, desafia o PSD local a juntar-se aos socialistas com vista à constituição de uma "força autárquica” para disputar as eleições locais deste ano.

“Se o PS pode apoiar Rui Moreira na sua recandidatura à Câmara do Porto porque é que em Matosinhos os socialistas não podem convidar o PSD, que está com problemas em encontrar um candidato, a associar-se a nós para liderarmos uma força autárquica”, questiona Ernesto Páscoa.

Apesar de a federação distrital ter rejeitado o seu nome e ter escolhido a deputada Luísa Salgueiro para liderar a lista do PS, o dirigente diz ter legitimidade para lançar o desafio aos sociais-democratas, uma vez que foi o único que se apresentou como candidato às eleições autárquicas. O certo é que a distrital do Porto do PS nunca aceitou que Páscoa fosse o candidato do partido. A justificação de não ratificação dada pelo presidente da federação distrital, Manuel Pizarro, foi a necessidade de uma candidatura mais aberta às pessoas e representativa dos sectores mais dinâmicos do concelho.

Sucede que Páscoa nunca se resignou e prepara-se para apresentar por estes dias uma providência cautelar, pelo facto de a federação ter avocado o processo eleitoral no concelho. “É irreversível a providência cautelar - o PS não me deixou alternativa. É uma questão de dignidade”, diz num remoque ao líder federativo pela forma como conduziu o processo.

A direcção nacional do PS também não é poupada. Acusa-a de manter um “enorme silêncio” sobre Matosinhos. “A direcção nacional do PS nunca mostrou disponibilidade para falar comigo. Se o tivesse feito, muita coisa poderia ter sido evitada”, afirma, em declarações ao PÚBLICO, reiterando que o “candidato a Matosinhos não pode ser votado pelo Porto, mas sim pelos matosinhenses”.

O processo eleitoral autárquico em Matosinhos foi debatido na semana passada pela distrital do PS e na reunião foi reconhecida a “especial complexidade de um processo que, no que diz respeito à escolha dos candidatos do partido à presidência das juntas e à restante equipa, envolve em cada caso várias secções para cada união de freguesias. Essa complexidade aumenta ainda com a necessidade de dialogar também com o grupo dos independentes” que, liderado por Guilherme Pinto (1959-2007), que o PS não quis recandidatar, conquistou a câmara em 2013 .

Embora se mostre aberto para negociar em nome do PS com os independentes do Movimento por Matosinhos, para a feitura das listas aos órgãos autárquicos, Páscoa pisca o olho ao PSD. A concelhia social-democrata de Matosinhos aprovou o nome do independente Joaquim Jorge para liderar a sua lista, mas só depois de duas votações em que houve um empate, de 7-7. A terceira votação foi unânime, mas registou apenas sete votos favoráveis. Na altura da votação, os outros sete elementos da concelhia abandonaram a sala, quando o líder local do PSD, José António Barbosa, propôs que a votação fosse feita de braço no ar.

O presidente da distrital do PSD, Bragança Fernandes, disse ao PÚBLICO que o “processo de escolha do candidato em Matosinhos tem de respeitar os estatutos do partido, pelo que o nome terá de ser aprovado por voto secreto [e não de braço no ar]”. “A distrital apoiará o candidato devidamente aprovado pela concelhia, isto é, por voto secreto”, reiterou Bragança Fernandes.

Álvaro Almeida apresenta candidatura a 8 de Abril

No Porto, o independente Álvaro Almeida, que se estreia na corrida autárquica com o apoio dos sociais-democratas, vai apresentar a sua candidatura no dia 8 de Abril. O PÚBLICO sabe que a apresentação da candidatura chegou a estar prevista para Março, mas incompatibilidades de agenda do presidente do partido, Pedro Passos Coelho, e do líder da distrital do Porto, Bragança Fernandes, forçaram o adiamento para o próximo mês.

Quanto ao actual presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, ainda não tem data prevista para apresentar a recandidatura. Sem pressas, o independente, que parte para o próximo combate autárquico com o apoio do PS e do CDS, tem um jantar com apoiantes agendado para o próximo dia 20. O figurino do jantar é em tudo idêntico a outros que decorreram para assinalar os primeiros 100 dias de presidência ou o primeiro e segundo anos de mandato.