Entrevista

Portas? “Não sei se fazia assim tanto. Não tanto. Teve momentos”

A presidente do CDS recusa falar em coligações com o PS no futuro e garante que está apostada em “demonstrar que há uma alternativa” de “centro-direita, na qual o CDS quer ter um papel cada vez mais firme e com mais peso”.

Assunção Cristas no Largo do Caldas
Assunção Cristas no Largo do Caldas Nuno Ferreira Santos
Momento da entrevista
Momento da entrevista Nuno Ferreira Santos
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria

Há um ano à frente do CDS, aos 42 anos, Assunção Cristas afirma que o partido a aceitou “completamente” e que o ciclo de Paulo Portas tinha terminado. Sobre a forma como o primeiro-ministro se lhe dirige no Parlamento responde: “Não sei se ele teria tido esta resposta para com um líder partidário homem.”

Ao fim de um ano à frente do CDS, sente-se aceite pelo partido?
Sim e muito. Completamente.

Não sente que ainda resta, ao fim de um ano, uma certa saudade de Paulo Portas?
Não. Já na altura, quando foi o congresso e quando dei a volta pelo partido em preparação da moção, pois só a escrevi depois ter estado com todas as estruturas, senti que as pessoas estavam muito gratas a Paulo Portas por tudo o que tinha dado ao CDS e ao país durante tantos anos. Mas não estavam propriamente chorosas no sentido de acharem: ai que pena que se vai embora e devia continuar. Não era esse o sentimento do partido na altura. Era: concluiu um ciclo, respeitamos, aceitamos e vamos para a frente. Agora acho que o partido está muito mobilizado, empenhado na construção das eleições autárquicas.

Já foi criticada internamente por dar entrevistas a revistas sociais. Até já a revista Maria fez um trabalho sobre si. Porque o faz? Considera que é útil para a sua imagem?
A minha visão é esta: tenho de estar em todos os meios a que as pessoas possam aceder e ler. Nem toda a gente lê o PÚBLICO e há muita gente que lê a Maria. Portanto, tenho de falar convosco e dar-vos esta entrevista, que certamente versará sobre coisas que interessam aos vossos leitores. Mas também tenho de permitir às pessoas que não lêem o PÚBLICO e que lêem a Maria saber um bocadinho qual é o nosso pensamento e o que é que andamos aqui a fazer. É essa a razão pela qual não tenho nenhum tipo de preconceito em relação aos diferentes órgãos de comunicação.

O eleitorado do CDS convive bem com uma líder que acusa o primeiro-ministro de ser mentiroso?
Acho que sim. Quando tenho debates quinzenais que são um bocadinho mais intensos do que aquilo que o meu feitio determina — e são intensos por razões diversas e pela própria dinâmica do debate —, fico normalmente um bocadinho incomodada, porque não gosto de um estilo mais agressivo. É nessas alturas que eu recebo mais mensagens de apoio das pessoas do CDS. As pessoas de facto gostam de um determinado nível de afirmação e até de alguma agressividade.

Não sente que o primeiro-ministro a trata por vezes com um misto de condescendência e de arrogância?
Por várias vezes, já senti isso, mas eu prefiro ignorar e passar por cima. Se entro em questões que acabam por levar a uma dimensão mais pessoal, para não dizer de género, acho que estou a ir por mau caminho. Essas coisas que não me agradam pessoalmente procuro minimizá-las.

Quando diz de género, refere-se ao facto de ele estar a lidar com uma mulher?
Logo no início houve um episódio em que lhe perguntei como é que o PS se posicionaria em relação à nossa proposta sobre natalidade e família e ele respondeu-me que não estava ali como secretário-geral do PS, mas como primeiro-ministro e que se quisesse conversar como secretário-geral do PS me convidava para um almoço para comermos um peixe. Não sei se ele teria tido esta resposta para com um líder partidário homem.

Na actual conjuntura de divisão em blocos esquerda/direita, o que é pode levar as pessoas a votar no CDS e não no PSD? O que é que hoje diferencia o CDS do PSD?
A minha preocupação é afirmar um caminho que o CDS tem vindo a cumprir, que ficou definido no congresso, que é: ao mesmo tempo que fazemos oposição muito firme, apresentamos sempre alternativas. Na sessão legislativa passada, com questões sociais, natalidade, apoio à família, envelhecimento activo, protecção dos idosos, Segurança Social, procurando estabelecer pontes mínimas de consenso. Já depois do Verão trouxemos alterações à lei de bases da educação.

Mas não sente que as propostas não passam para o país, que há um problema de comunicação?
Sinto que são difíceis, para já porque são muitas. Mas nós não gostamos de fazer as coisas por meias-tintas. São muitas, diversificadas e às vezes complexas. Mas passa a ideia de que fazemos uma política positiva, de alternativa. Aquilo que faço — e temos feito todos no grupo parlamentar do CDS — é procurar sempre ter uma atitude construtiva. O que gostava que as pessoas vissem no CDS é um partido que trabalha, que não está à espera das eleições para começar a trabalhar.

Do ponto de vista de substância no que é que o CDS de Assunção Cristas é diferente do CDS de Paulo Portas? O CDS não está preso aos anos de governação?
O que temos procurado fazer é trabalhar intensamente temas.

O CDS de Paulo Portas também.
Não sei se fazia assim tanto. Não tanto. Teve momentos. Acho que se sistematicamente formos comparar sessões legislativas e pensar quantas vezes e quantos temas o CDS sistematicamente trouxe ao debate, temas tratados sob várias dimensões, com profundidade, com propostas agregadas para os vários temas, pensando num ano de trabalho, deve ser difícil encontrar anos tão produtivos quanto este.

Falamos de diferença de posicionamento, não de quantidade, de diferenças substantivas.
Não estou a falar em quantidade, estou a falar em temas que levámos ao Parlamento. Se perguntam se há uma grande diferença do ponto de vista do pensamento, não creio que haja. Mas também não era expectável que houvesse.

Admite nesta legislatura conversar com o PS e negociar medidas políticas?
Acho muito difícil que venha a acontecer por duas razões. Uma, porque o PS fez a sua opção, que é a de estar coligado com as esquerdas, o que significa que alienou uma possibilidade de conversar e de fazer reformas mais estruturais e mais abrangentes. O PS sistematicamente tem fechado a porta a qualquer tipo de abertura a medidas nossas. Ponto dois, infelizmente o CDS não tem dimensão parlamentar, neste momento, para poder fazer a diferença, o que é negativo. Estamos a trabalhar para um dia virmos a ter outro peso.

Se os votos do CDS, após eleições, forem uma opção para António Costa, se ele puder optar entre coligar-se com o CDS ou com as esquerdas, faz sentido o CDS jogar esse jogo?
O CDS no passado já teve muitos posicionamentos, já teve quase todas as hipóteses possíveis do ponto de vista de governo e na oposição. Aquilo que me interessa fazer é trabalhar intensamente para demonstrar há uma alternativa que é de centro-direita, na qual o CDS quer ter um papel cada vez mais firme e com mais peso. Tudo o resto são conversas que não faz sentido termos agora. Até porque este PS é um partido completamente virado e colado às esquerdas. Não me vejo de forma nenhuma a entender-me com o dr. António Costa, que é quem está colado às esquerdas e a fazer uma política que, na nossa visão, está errada e não é positiva para o país.