Donald Trump tem um troll à perna: Pete Souza, fotógrafo de Obama

O ex-fotógrafo oficial da Casa Branca, Pete Souza, usa o arquivo de dois milhões de fotos que tirou nos oito anos de administração de Obama para marcar a diferença em relação a Donald Trump. Tem mais de um milhão de seguidores que se deliciam com a subtileza da mensagem.

Foto
Uma fotomontagem partilhada por Pete Souza, ridicularizando as alegações da conselheira de Trump, Kellyanne Conway, sobre o suposto recurso aos microondas para espiar o Presidente.

No chão lê-se "Justiça&Governo". Obama está virado para o sítio que lhe compete, para o Governo, pondo-lhe um pé em cima e deixando a justiça livre. A metáfora assentava que nem uma luva: Obama respeitava a separação de poderes. E Pete Souza nem precisou de explicar isto com todas as letras, bastou publicar a fotografia numa altura em que Donald Trump atacava as decisões de tribunais norte-americanos por estes bloquearem o decreto do Presidente anti-imigração. Esta é apenas uma das imagens que o ex-fotógrafo chefe da Casa Branca vai postando no Instagram, como se fosse uma resposta em espelho ao contrário ao que Donald Trump vai fazendo.

September 2010.

Uma publicação partilhada por Pete Souza (@petesouza) a

A última publicação, desta terça-feira de manhã, nem é uma fotografia, mas uma montagem. Obama dentro de um microondas a fotografar. Souza até brinca a dizer que alguém andou a "photoshopar" uma foto dele: "Para que fique registado, não fui eu". É uma indirecta às declarações de Kellyanne Conway, a conselheira de Trump que numa entrevista falou de vários tipos de espionagem, dando a entender que a vigilância de Obama a Trump durante a campanha de 2016 se fazia das mais variadas maneiras, através de telefones, televisões ou mesmo de "micro-ondas que se transformavam em câmaras".

Someone has been photoshopping one of my photos. For the record, it wasn't me.

Uma publicação partilhada por Pete Souza (@petesouza) a

No feed do Instagram de Pete Souza há de tudo nos últimos meses desde que abandonou a Casa Branca. Há uma foto, por exemplo, em que se vê as pernas de três mulheres que reúnem com Obama na sala Oval, em plena crítica a Trump por este quase não ter mulheres na administração. A legenda não poderia ser mais directa: "Reunião com os principais assessores. Esta é uma imagem com o enquadramento completo. Acho que podem dizer que eu estava a tentar marcar uma posição".

Meeting with top advisors. This is a full-frame picture. I guess you'd say I was trying to make a point.

Uma publicação partilhada por Pete Souza (@petesouza) a

Ou aquela foto em que Obama fala com Putin com ar superior ou mesmo o conjunto de fotos de Obama a jogar futebol americano no fim de semana do Superbowl em que Trump foi massacrado com críticas.

Go long! (Ironically during a break at the NATO Summit).

Uma publicação partilhada por Pete Souza (@petesouza) a

As fotografias de Pete Souza, que tem um arquivo de cerca de dois milhões de fotos de oito anos de trabalho, são uma arma poderosa que o fotógrafo usa na maior parte das vezes de forma subtil, outras vezes de forma mesmo directa, para passar mensagens políticas a cada publicação. "Trump não é Obama" é a linha geral por detrás das publicações de Souza, mas depois o fotógrafo vai ao detalhe da crítica. Como o fez já esta terça-feira numa foto de Obama com o telefone, em que falava da relação de Obama com o Twitter, quando Trump o atacou exactamente através daquela rede social. "Felizmente ele só tuitava factos com o seu telemóvel", lê-se na legenda.

Glad he only tweeted out facts with his device.

Uma publicação partilhada por Pete Souza (@petesouza) a

Começou por ser o troll das quintas-feiras, mas agora Souza publica a qualquer hora e quase sempre como uma resposta a uma actuação de Trump. O fotógrafo criou uma conta pessoal para o fazer e deixou a sua conta oficial da Casa Branca como arquivo da administração Obama. E neste momento tem mais de um milhão de seguidores. 

Mas afinal quem é Pete Souza? Quem o segue no Instagram vê a sua foto de perfil ao lado de Obama. E onde tiraram essa foto? Na ilha Terceira, nos Açores. Os avós de Souza são portugueses daquelas ilhas e Pete Souza contou ao mundo que o então Presidente dos EUA o chamava de "açoriano" porque "achava cool" por nunca ter conhecido ninguém daquelas ilhas. Na legenda da fotografia, Pete conta que no último mês de Novembro pararam na Terceira para reabastecer, quando voavam da Grécia para o Peru, e Obama quis sair do Air Force One para tirar uma fotografia com Pete Souza. 

For eight years, my boss has referred to me, I think with reverence, as the Azorean. Both sets of my grandparents were born in the Azores, Portuguese islands in the mid Atlantic. I think he thought it was cool since he had never met anyone from the Azores. Then it turns out that his political director in the second term, David Simas, and his Energy Secretary, Ernie Moniz, also had Azores roots. So it became even cooler that I was Azorean. This past November, it just so happened that Air Force One was refueling in the Azores as we traveled from Greece to Peru. The President, who usually doesn't disembark from the plane during refueling stops, told the Secret Service he was going to get off the plane to "take a picture with Pete." And then, because of the beautiful setting, we walked around the tarmac for 90 minutes. Thanks to my colleague Chuck Kennedy for snapping this photo. Disclosure: the wind was blowing my shirt open.

Uma publicação partilhada por Pete Souza (archived) (@petesouza44) a

Souza tem 62 anos e foi de 2008 a 2016 o fotógrafo de Barack Obama. O luso-descendente já tinha passado pela Casa Branca durante a presidência de Ronald Reagan.

Sugerir correcção