Opinião

O fim dos homens

As profecias de um feminismo radical estão a cumprir-se e, sem ter sido necessário travar combates sangrentos, está a dar-se a feminização do mundo.

Encontramos hoje na publicidade – sobretudo na radiofónica, que recorre mais à forma do sketch em tom cómico acentuado ou ligeiro – a figura do casal em que o homem é inábil e inepto, em contraste com a mulher, decidida e inteligente. A publicidade, como sabemos, é o medium das nossas fantasmagorias e a expressão de uma moral social (sobre este assunto, foi agora editado em português, pela Documenta/Fundação Carmona e Costa, um livro interessantíssimo de um jovem filósofo italiano, Emanuele Coccia, O Bem nas Coisas, um tratado sobre o discurso moral da publicidade e a felicidade na mercadoria). Esta publicidade, que vira do avesso a teoria freudiana do feminino como um misterioso “continente negro”, segue a par de outras tendências. Uma delas é a progressiva feminização do trabalho, um fenómeno social que compreende dois aspectos diferentes: por um lado, a integração das mulheres em sectores do trabalho que eram exclusivos dos homens; por outro, uma mudança - entendida também como feminização - efectuada pelo capitalismo cognitivo, que coloca no centro do ciclo económico aquilo a que Marx deu um nome inglês, general intellect, operando uma deslocação da produção material para a produção imaterial. E se considerarmos a escola, os fracos resultados dos rapazes em comparação com o sucesso universal das raparigas, quando elas não têm de se confrontar com obstáculos culturais e religiosos, a feminização do mundo parece ser o futuro.

Se os movimentos feministas, nas últimas décadas, chegaram a algumas encruzilhadas e surgiram alguns discursos que desorientaram e suscitaram a hostilidade de sectores da ideologia feminista tradicional, foi porque as reivindicações, até então marcadas pelo modelo da luta de classes, se viram destituídas de fundamento. Um feminismo radical, que vê os homens como uns pobres idiotas que nem vale a pena atacar, começou por ser caricatural. Mas essa é, hoje, uma imagem plausível, como nos mostra a publicidade. E ainda que se mantenha uma sub-representação das mulheres em lugares de chefia, ainda que o machismo se mantenha vivaz, já se fala em toda a Europa de quotas masculinas e discriminação positiva dos homens em sectores onde há desequilíbrios acentuados. Que diria, se fosse viva, Valerie Solanas? Solanas, a quem Norman Mailer chamou “Robespierre do feminismo”, foi uma feminista que, em 1968, disparou um tiro contra Andy Warhol e o pôs em coma durante cinco semanas. Nunca se soube porque é que tinha escolhido aquele alvo improvável, que a tinha usado como actriz nalguns dos seus filmes, onde fazia sempre de lésbica escandalosa. Cerca de um anos antes, ela tinha escrito o SCUM Manifesto (SCUM era a sigla de Society for Cutting up Men), onde defendia que era preciso eliminar o sexo masculino, algo que teria de ser acompanhado pelo derrube do governo e pela eliminação do sistema monetário. O dinheiro, lê-se no manifesto, foi inventado pelos homens, que passam a vida inteira ligados aos seus próprios excrementos e transformam o mundo em merda. E apontando-os como culpados de toda a violência e devastação, Solanas desenvolvia argumentos que alguém classificou como “nietzschianismo mutante”: o homem é uma “mulher incompleta”, geneticamente deficiente devido ao cromossoma Y, por isso gasta todo o seu tempo a tentar ultrapassar essa inferioridade. Não o conseguindo, investe na guerra como compensação. Foi para servir a máquina da guerra que os homens desenvolveram a técnica. Felizmente, dizia Solanas, em breve vai ser possível prescindir dos  homens, eles não serão necessários nem sequer como doadores de esperma. Esta Solanas era uma profeta.