PS diz não fazer sentido polémica sobre alteração do nome do aeroporto da Madeira

Deputado socialista Carlos Pereira diz que foi o governo regional quem implicitamente reconheceu que a ANA tinha de se pronunciar sobre o nome "Aeroporto da Madeira - Cristiano Ronaldo".

Rui Gaudencio / Publico
Rui Gaudencio / Publico
Miguel Albuquerque
Miguel Albuquerque Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria

O vice-presidente do PS e líder socialista madeirense Carlos Pereira considerou esta quinta-feira "não fazer sentido" a polémica "criada e alimentada" pelo Governo da região na questão da atribuição do nome de Cristiano Ronaldo ao aeroporto da ilha.

Em comunicado, o também deputado do PS eleito pela Madeira na Assembleia da República afirma estar "incrédulo com a polémica criada e alimentada pelo Governo Regional em torno da questão do aeroporto da Madeira, que vai receber o nome de Cristiano Ronaldo" no final de Março, no dia a seguir ao jogo da selecção nacional contra a Suécia, que será disputado no Funchal. Na opinião de Carlos Pereira, "não faz sentido o tom ofendido do presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, sobre o assunto".

No documento, o dirigente socialista recorda que foi o chefe do executivo madeirense quem "assinou uma resolução a propor à Aeroportos de Portugal (ANA) a atribuição ao Aeroporto da Madeira do nome Aeroporto da Madeira - Cristiano Ronaldo". "Vale a pena andar nesta guerra quando foi ele próprio [Miguel Albuquerque] a fazer uma resolução a dizer que ia propor", questionou Carlos Pereira.

Argumentou que se o executivo do arquipélago "tem poderes, não tem nada que propor, mas deliberar e dar conhecimento" desta decisão que consta da resolução nº 491/2016. Na opinião de Carlos Pereira, "as declarações do presidente do governo Regional não fazem sentido à luz do que deve ser o relacionamento institucional entre governos".

O socialista critica ainda que Miguel Albuquerque "insista em alimentar a questão que reúne grande consenso entre as populações da Madeira". "Não me parece que estas declarações sejam de bom-tom para o próprio jogador que se quer homenagear", sublinhou, considerando que esta é "uma prática comum" dos que "preferem a chicana para não discutir os assuntos que interessam e que derrapam na Madeira".

Contactado pelo PÚBLICO, o governo regional afirmou, em reacção às críticas de Carlos Pereira, que "a posição do Governo Regional da Madeira está suficientemente esclarecida." Mas Miguel Albuquerque voltou ao assunto horas mais tarde, na cerimónia da tomada de posse dos órgãos dirigentes dos TSD-Madeira, apontando o dedo às "forças radicais de esquerda" que acusou de tudo quererem controlar no país. "Andam a dizer que (...) um governo legítimo, eleito pelos madeirenses, não tem competências para deliberar sobre o nome do aeroporto, que é propriedade da região e foi pago pelos madeirenses", reiterou o líder do executivo regional, acusando PS e Governo da República de estarem a tentar "subverter" uma deliberação do executivo regional.

Albuquerque falou de uma "espécie de simulacro" para controlar a vontade dos madeirenses, a exemplo do que tem acontecido no resto do país. A forma como o Governo tem lidado com o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, as reações da esquerda às criticas da presidente do Conselho de Finanças Públicas, Teodora Cardoso, e o cancelamento da conferência de Jaime Nogueira Pinto na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova, foram os exemplos apontados. "Vivemos tempos estranhos", disse, avisando: "Na nossa casa, mandamos nós".

A cerimónia de alteração da designação do Aeroporto da Madeira, garantiu, vai decorrer de acordo com o que foi deliberado, a 29 de Março. O rebranding, acontece um dia depois de Portugal defrontar a Suécia no Funchal, naquela que será a estreia na Madeira de Cristiano Ronaldo como a camisola da selecção.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, estará presente e o primeiro-ministro António Costa já tinha confirmado a presença, antes do estalar desta polémica. Em causa, estão dúvidas levantadas pelo Ministério do Planeamento e das Infraestruturas sobre a legitimidade do Funchal alterar o nome do aeroporto, que está concessionado à ANA.

Na quarta-feira, o PÚBLICO avançou que o Ministério do Planeamento e das Infra-estruturas "levantou dúvidas sobre a legitimidade do governo madeirense para atribuir o nome do futebolista" natural da Madeira ao aeroporto da ilha, adiantando que o ministro Pedro Marques teria "pedido mesmo um parecer à Aeroportos de Portugal (ANA)" sobre este assunto.

O presidente do governo madeirense reagiu, considerando ser uma "falta de educação" e uma "deselegância" colocar em causa a competência da região para alterar o nome do aeroporto da ilha para homenagear o futebolista Cristiano Ronaldo. Miguel Albuquerque sublinhou que "o aeroporto é propriedade da Região Autónoma da Madeira" e que toda esta questão "não tem nem pés nem cabeça".