Tristão e Isolda bem perto de nós

Uma nova produção da ópera de Wagner estreia-se esta quinta-feira no Centro Cultural de Belém, e promete supreender pela íntima intensidade que propõe. Para o encenador Charles Edwards, este drama pode ser um antídoto para as nossas vidas aceleradas.

Fotogaleria
RUI GAUDÊNCIO
Fotogaleria
RUI GAUDÊNCIO
Fotogaleria
RUI GAUDÊNCIO
Fotogaleria
RUI GAUDÊNCIO
Fotogaleria
RUI GAUDÊNCIO
Fotogaleria
RUI GAUDÊNCIO
Fotogaleria
RUI GAUDÊNCIO

Há uma razão importante para esta nova produção de Tristão e Isolda, de Wagner, que tem esta quinta-feira a sua estreia no Centro Cultural de Belém (CCB). A razão é Elisabete Matos, pensada desde o início para ser Isolda, quando o director artístico do Teatro Nacional de São Carlos, Patrick Dickie, teve a ideia de voltar a encenar em Lisboa um dos seus mais amados dramas... sobre o amor.

Obra marcante para a história da ópera, Tristão e Isolda baseia-se numa lenda que vem (pelo menos) da Idade Média. A ópera de Wagner foi terminada em 1859 e estreada alguns anos depois, em 1865, pelo maestro Hans von Bülow. Mas esta nova produção quer puxá-la para o presente, bem para a frente. Para o encenador Charles Edwards, é preciso aproximar Tristão e Isolda do público. “Aproximar” literalmente: “Fazendo-o à frente no palco, puxando o drama para o proscénio. Não queria fazer um drama sonhador e escapista. À frente ouve-se melhor, e o drama fala connosco”, diz-nos o encenador inglês. “Não se pode estar a quilómetros do público. E é mais forte assim. É preciso perceber cada palavra cantada. Não gosto quando não se ouvem os cantores. É preciso vê-los bem, ouvi-los bem."

Nesse sentido, o encenador assume a proximidade com a ideia da tetralogia do Anel dos Nibelungos do encenador Graham Vick, “em que podemos estar a dois metros de Brünnhilde": "Isso é intensidade e drama.”

A luz e a música

Fomos falar com Charles Edwards num intervalo de um ensaio no CCB, onde esta produção se estreia com duas apresentações apenas (esta quinta-feira e no próximo domingo). Edwards acaba de sair de mais um ensaio de luzes, e é exactamente à luz que chegamos na nossa conversa, quando tentamos entender as ideias centrais deste espectáculo: “Tristão e Isolda é mesmo uma obra sobre a luz!”, diz. “É preciso um bom design de luz. Giuseppe Di Iorio e eu fizemos uma 'dramaturgia da luz' que é muito importante – e ele é muito bom nisso.” O encenador usa expressões como “puxar o contraste para dar força ao drama”. Talvez não seja indiferente a sua formação em design, antes de ter iniciado uma carreira como encenador de ópera.

Se a luz é fundamental, então e a música? “Os movimentos dos cantores e a própria geometria do espaço são motivados pela música”, diz. “Procurei uma linguagem gestual que reflectisse a música. O texto é o veículo para a música. E o drama encenado tem de ser motivado pela música. É ela que faz os gestos acontecerem a uma determinada velocidade. E as velocidades mudam ao longo da obra.” Para além disso “não é tudo rápido como nas nossas vidas, na era dos iPhones e das 'multi-funções'": "É uma só coisa, um só trabalho, um drama que leva tempo a contar.”

Nessa perspectiva, Charles Edwards vê Tristão e Isolda como “um antídoto para as nossas vidas 'expresso'". "Se a tensão for a certa, a longa duração da obra nem se percebe. Wagner era um feiticeiro das emoções, mas era ainda mais um feiticeiro do tempo”, argumenta. O encenador considera que se trata de uma obra “muito exigente para os cantores e para a orquestra, que exige muita concentração". Mas a direcção musical, acrescenta logo a seguir, está a cargo de "um dos maiores maestros de ópera do mundo, com um fantástico sentido do teatro". Graeme Jenkins tem de facto uma longa experiência operática: foi director musical da Glyndebourne Touring Opera (1986-91) e da Dallas Opera (1994-2013), e maestro principal na Ópera de Colónia (1997-2002). Este Tristão e Isolda é a sua 185.ª produção operática.

As vozes e o gesto

Um dos aspectos musicais que Edwards considera fundamental é “saber equilibrar as vozes”. E a encenação tem algo a dizer sobre isso: “As vozes são diferentes, não têm todas a mesma dimensão. E a dimensão também tem a ver com a velocidade. É preciso calibrar as vozes para não haver discrepâncias.” O encenador gosta de pensar que a ópera “é uma peça de conjunto, e não um veículo de estrelas": "É preciso tempo para trabalhar a velocidade do gesto, mesmo para cantores que conhecem bem Wagner...”. É o caso de Elisabete Matos, que já foi Isolda noutras ocasiões e noutros lugares, como Oviedo e Toulouse, e do tenor americano Erin Caves, que será aqui Tristão mas tem também várias experiências na ópera wagneriana.

O encenador não esconde o entusiasmo quando continuamos a conversa sobre a riqueza musical e dramática de Tristão e Isolda: “A peça é demasiado grande para dizer: 'É tudo sobre isto, ou tudo sobre aquilo'. É preciso contar a história da peça – como uma peça de teatro de câmara –, trabalhar a forma de dizer as palavras e pô-las no palco. Mas ao mesmo tempo sentimos o vasto leque de possibilidades que ela abre à interpretação teatral. O que me diz a mim? O que pode dizer ao público, às pessoas e aos cantores que não têm o alemão como primeira língua?”

Narração, debate, catarse

Não sendo Tristão e Isolda um drama de acção – "Tem longos diálogos, cuidadosamente estruturados" –, interessou mais ao encenador "a ideia de instalação, de happening, que permite explorar ideias filosóficas” e que já está na ousadia de Wagner. Inspirado pelo amor de Mathilde Wesendonck e pela filosofia de Arthur Schopenhauer, e baseado na lenda medieval narrada por Gottfried von Strassburg, compôs a partitura de Tristão e Isolda entre 1857 e 1859, mas a sua estreia em Munique esperou até 1865 pois, até lá, a Ópera da Corte de Viena considerou-a impossível de ser representada.“Tristão e Isolda não é convencional. Há uma história, mas ela anda devagar e está sempre a renarrar, a voltar a dizer. Não pára de dizer... E o nosso trabalho é captar isso, através dos adereços, do posicionamento, da acção dos cantores, dos gestos.” Para Charles Edwards, o primeiro acto é um acto de narração, expositivo, o segundo é um debate muito mais mental e filosófico, enquanto o terceiro é um verdadeiro “delírio”, um momento de catarse. 

Ainda antes de lhe perguntarmos por isso, o encenador lança-se nas reflexões que este drama romântico propõe: “A ideia por trás da peça é a de que a morte não é o fim e não se deve ter medo. Nem sequer é uma tragédia”, diz. “É um drama, sim, que contém uma ideia sobre o amor, na leitura wagneriana do mito: que o amor só existe quando já não está ligado ao dia-a-dia. Na visão de Wagner, o que importa é o amor puro. E amor puro só na morte. É um libreto denso, maravilhoso e complicado. É preciso ler várias vezes até perceber o que ele quer mesmo dizer. Espero que não se percam com as legendas e tentem ver o espectáculo.”

Um espectáculo de luz e sombra, com uma intensidade que vem da música, em que é preciso não apenas clarificar o enredo, mas, nas palavras do encenador, “puxar os contrastes”. Tudo para chegar mais perto, para trazer para nós o antigo mito de Tristão e Isolda na visão de Wagner. Mais perto, mais à frente: “Eu quero que o drama venha para o pé das pessoas.”

Sugerir correcção