Barozzi/Veiga e o criador de cidades de A Guerra dos Tronos na Trienal de Arquitectura de Lisboa

Entre Abril e Outubro, haverá novo ciclo de conferências Distância Crítica.

Fotogaleria
A Guerra dos Tronos HBO
Fotogaleria
O Auditório da Filarmónica de Szczecin, na Polónia Simon Menges

A dupla Barozzi/Veiga, que recebeu em 2015 o importante prémio Mies van der Rohe, e Paul Ghirardani, director de arte da série premiada A Guerra dos Tronos, estarão em Lisboa esta Primavera para dar conferências em mais um ciclo organizado pela Trienal de Arquitectura de Lisboa.

Para estabelecer mais uma Distância Crítica entre edições da trienal, que regressa em 2019, a organização do evento quer “ampliar o campo de reflexão” no que toca às idades dos conferencistas mas também ao tipo de trabalho dos arquitectos que traz a Lisboa. É aqui que entra Ghirardani, oriundo das “formas de desenho que vão para lá de projectos reais e programas convencionais”.

Criador de ambientes e adaptador e transformador de realidades para situar uma narrativa transposta dos livros para a televisão de grande orçamento ou de filmes como Ana e o Rei e As Paixões de Júlia, o britânico Paul Ghirardani vem falar a 17 de Maio ao Centro Cultural de Belém (CCB). Premiado com cinco Emmys, e com 30 anos de carreira, vem dar uma palestra sobre a arquitectura ficcional e mostrar “os bastidores das cidades” da série, indica a organização em comunicado.

Fabrizio Barozzi e Alberto Veiga surgem logo no princípio da nova série de conversas intercalares das edições da Trienal de Arquitectura de Lisboa, a 4 de Abril e também no CCB, dois anos depois do Prémio Mies van der Rohe, a mais importante distinção europeia no domínio da arquitectura contemporânea, para o seu projecto do Auditório da Filarmónica de Szczecin, na Polónia. “A procura pela condição primordial de cada lugar onde trabalham” é o que distingue o italiano e o espanhol, diz a Trienal, que os convidou para a conferência inaugural.

No que toca às reflexões sobre arquitecturas imaginadas ou ficcionais, a Trienal já se associou ao Arquitecturas Film Festival, por exemplo, mas na sua edição de 2013 convidou o arquitecto especulativo Liam Young para trazer a Lisboa a exposição Futuro Perfeito, que montou uma ideia de cidade do futuro no Museu da Electricidade. 

As conferências Distância Crítica, encetadas no biénio 2011-13, já trouxeram a Portugal os Studio Mumbai, Bijoy JainJacob van Rijs ou Smiljan Radic, entre outros. A Distância Crítica 2017, que continua a visar aproximar o público e os arquitectos convidados, como lembra a organização, incluirá ainda uma conferência conjunta com “quatro arquitectos emergentes” seleccionados no âmbito da Future Architecture Platform, um convénio de museus, festivais e produtores que promove autores em fase de afirmação em nove países. Vêm apresentar projectos em áreas como a edição ou a investigação e são eles o francês editor da revista The Funambulist Leopold Lambert, representantes do atelier alemão FAKT, a investigadora espanhola Lucia Tahan, e B’ka Rebek, da Áustria. Esta última conferência a quatro realiza-se a 26 de Outubro.

A entrada para os eventos, todos às 19h, tem preços entre cinco e dez euros.