Offshores: Declarações incompletas tiveram origem em 14 bancos

No entanto, 88% das declarações de transferências incompletas que chegaram ao Fisco são do BES e do Novo Banco, noticia o jornal Eco.

Foto
patricia martins

As declarações de transferências para offshores que não foram devidamente escrutinadas pelo Fisco, e cujo montante atinge os dez mil milhões de euros, partiram de pelo menos 14 bancos, noticia esta quarta-feira o jornal Eco. No entanto, quase 90% diz respeito ao Banco Espírito Santo (BES) e ao Novo Banco.

Na semana passada já o Jornal Económico dava conta de que mais de metade dos dez mil milhões de euros de transferências para offshores que entre 2011 e 2014 não foram registados nas estatísticas do Fisco terão sido declarados pelo BES.  Agora o Eco avança que o banco liderado por Ricardo Salgado e o Novo Banco são responsáveis por 88% do valor dessas transferências. No que respeita ao restante, teve origem em 14 bancos.

Nos dados actualizados sobre as transferências para offshores que passaram sem fiscalização da Autoridade Tributária, há três declarações que concentram a maior parte do dinheiro. Em 2013, aparece uma declaração no valor total de 2,9 mil milhões que não foi tratada pelo fisco, em 2012, há uma declaração de 2800 milhões de euros. E em 2014 houve nova falha com um novo montante assinalável: dois mil milhões de euros.

Em 2016 aparece uma declaração de substituição referente ao ano de 2012 que concentra 2,8 mil milhões de euros que passaram ao largo sem fiscalização posterior da AT, correspondentes a 2776 transferências, num total de 4416.