Entrevista

“O ambiente político e social em relação à praxe mudou”

João Teixeira Lopes é sociólogo da Universidade do Porto e foi um dos coordenadores do estudo encomendado pelo Ministério do Ensino Superior sobre a praxe.

Foto
João Teixeira Lopes: "A praxe é hoje mais contestada, particularmente depois do 'caso Meco'” adriano miranda

Os “caloiros” são hoje mais críticos das situações de abusos ou violência, conclui João Teixeira Lopes, sociólogo da Universidade do Porto,um dos coordenadores do estudo encomendado pelo Ministério do Ensino Superior sobre a praxe. A ausência de alternativas socializadoras para quem entra na universidade faz com que estas práticas sejam vistas como incontornáveis.

A praxe varia em função da região, da instituição e até do curso. O que há de unitário nestas práticas?
Há um corpo comum que se concretiza numa cadeia de rituais que têm como principal objectivo separar os que estão dentro dos que estão fora e conferir, àqueles que passam por esse processo iniciático, o estatuto de quem cumpriu a passagem. É esse o valor quase mágico do ritual: agregar, dividir, conferir um novo estatuto. Com base numa relação hierarquizada, de poder, e na observância de preceitos que são extremamente difusos e muitas vezes até contraditórios, numa tradição que na maior parte dos casos é uma tradição inventada, porque adaptada aos contextos.

Um inquérito internacional feito, no ano passado, pelas redes Universia e Trabalhando.com conclui que 73% dos portugueses reconhecem ter sido praxados no ensino superior, ao passo que nos restantes países esse número não ultrapassa os 25%. Não sendo a praxe um fenómeno exclusivamente português, é um fenómeno particularmente português. Porquê?
Por um lado, somos uma sociedade em que massificação do ensino superior foi tardia e é ainda, comparativamente com países do Centro e do Norte da Europa, incipiente. Por isso, todos os fenómenos relacionados com a frequência do ensino superior têm ainda uma certa marca de raridade ou de elitismo.

Depois, Portugal tem, em termos históricos, uma tradição de fenómenos deste género. Não quero dizer que a praxe, tal como hoje existe, tenha qualquer essência da tradição, porque ela se adapta às situações, mas há um arco histórico que vem da separação entre a universidade e o resto da sociedade. Há um terceiro aspecto: em Portugal não existem alternativas socializadoras na rotina dos estudantes para a integração. A praxe surge aos olhos dos estudantes como existindo desde sempre e para sempre. Isto faz de Portugal um caso singular.

É dito no relatório que alguns estudantes, dirigentes associativos e das próprias instituições recusaram colaborar no estudo [encomendado pelo Ministério do Ensino Superior sobre a praxe]. Isso surpreendeu-o?
O ambiente político e social em relação à praxe mudou. A praxe é hoje mais contestada, particularmente depois do “caso Meco”. Além do mais, há da parte do Governo actual um discurso assumidamente anti-praxe. Percebemos duas coisas: por um lado, há estudantes fortemente arreigados à praxe, que recusaram participar no estudo — o trabalho de campo ressentiu-se disso; por outro lado, a maior parte dos estudantes que entrevistámos diz que está na praxe voluntariamente, mas também diz que ela tem que se adaptar e respeitar os direitos humanos, não pode ser abusiva, nem humilhante. Há uma maior plasticidade que resulta de um ambiente global que começa a ser menos favorável à praxe tal como ela existia.