Crítica Cinema

A angústia do super-herói à beira da terceira idade

Hugh Jackman diz adeus a Wolverine com uma história sombria e adulta que, no seu desequilíbrio, é mais interessante que a maioria dos filmes de super-heróis.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Se estão a ver qualquer coisa de Clint Eastwood e dos seus “justiceiros solitários” em Logan, não é por acaso, até porque o filme de James Mangold (Walk the Line, 2005) assume essas referências e vai até buscar citações muito mais atrás na história do cinema. Este deve ser o primeiro filme de super-heróis que convoca abertamente um clássico do western, Shane de George Stevens (1953), ao mesmo tempo que assume um peculiar tom elegíaco, de “fim de uma época”. A frase-chave do filme, aliás, surge a meio caminho, quando Hugh Jackman diz a um envelhecido Patrick Stewart “o mundo já não é o que era” - e Logan é um longo adeus ao mundo de super-heróis que já foi, dobrado de adeus de Jackman à personagem de Wolverine, o X-Man que o lançou para o estrelato com a primeira série de filmes adaptados das BD americanas.

É, aliás, esse o maior interesse de Logan: o de perguntar o que acontece ao super-herói quando envelhece, quando o tempo passa e as suas capacidades se vão lentamente desvanecendo. Nesta cronologia alternativa futurista dos X-Men, Logan é um dos últimos mutantes sobreviventes numa sociedade onde as mutações deixaram de acontecer naturalmente e passaram a espécie à beira da extinção. É uma leitura lateral, intrigante, do modus operandi dos super-heróis, que habitualmente exacerbam a descoberta do lugar que ocupamos no mundo dos adultos; aqui, pelo contrário, Mangold e Jackman estão mais interessados em perceber o que é que sobra desse lugar à medida que o tempo vai passando e que a idade deixa de perdoar. 

Separado da constante “linha de montagem” do grosso da produção Marvel e DC, passo em frente relativamente à anterior colaboração entre realizador e actor no âmbito da personagem (Wolverine, 2013), Logan é uma derivação sombria e terminal, entalada entre a necessidade de manter alguma ligação ao caderno de encargos original e a vontade de fazer justiça a uma espessura que as múltiplas aventuras das suas personagens nem sempre permitiram explorar. O resultado é razoavelmente desequilibrado, excessivamente longo, mas com mais personalidade e cabeça que a maioria dos filmes do género. Já que os filmes de super-heróis não parecem ir desaparecer tão cedo, ao menos podiam ser mais assim que ficávamos mais bem servidos.