Reportagem

No Porto, o Carnaval é outro, mas também é Carnaval

Não é como no São João. O metro não está à pinha, a ponte D. Luís não abana e não há um mar de gente a engolir os Aliados. Ainda se consegue passar de bar para bar nas galerias e é rápido encontrar alguém no meio da multidão. Basta procurar pelo dinossauro azul. Ou pela Frida Kahlo.

Fotogaleria
Metro Paulo Pimenta
Fotogaleria
Trindade Paulo Pimenta
Fotogaleria
Cave 45 Paulo Pimenta
Fotogaleria
Cave 45 Paulo Pimenta
Fotogaleria
Cave 45 Paulo Pimenta
Fotogaleria
Cave 45 Paulo Pimenta
Fotogaleria
Cave 45 Paulo Pimenta
Fotogaleria
Aduela Paulo Pimenta
Fotogaleria
Teatro de Sá da Bandeira Paulo Pimenta
Fotogaleria
Teatro de Sá da Bandeira Paulo Pimenta
Fotogaleria
Teatro de Sá da Bandeira Paulo Pimenta
Fotogaleria
Belas Artes Paulo Pimenta
Fotogaleria
Galerias de Paris Paulo Pimenta
Fotogaleria
Galerias de Paris Paulo Pimenta
Fotogaleria
Café au Lait Paulo Pimenta
Fotogaleria
Café au Lait Paulo Pimenta
Fotogaleria
Plano B Paulo Pimenta
Fotogaleria
Plano B Paulo Pimenta
Fotogaleria
Plano B Paulo Pimenta
Fotogaleria
Plano B Paulo Pimenta
Fotogaleria
Plano B Paulo Pimenta
Fotogaleria
Plano B Paulo Pimenta
Fotogaleria
Final de noite Paulo Pimenta

“Aleatório”, “eclético”, “pseudo-intelectual”. Vestiu-se de “o que conseguiu juntar lá em casa”. Queria parecer-se com “um escritor qualquer famoso que dançasse salsa nos tempos livres”. Resultado: uma camisa verde alface, com folhos, óculos de massa redondos que lhe ocupam quase metade da cara e uma caneta a espreitar atrás da orelha. O charuto, que “não é cubano”, já vai quase a meio. A noite, essa, ainda está no início. Encostado à porta de vidro do Café Au Lait, vai olhando lá para dentro. “Só volto a entrar quando a pista abrir”. É agora 1h da manhã.

Entram, tiram os casacos molhados da chuva, arranjam as perucas em frente ao espelho e começam a dançar. Já cá dentro, começam-se a distinguir as caras por trás das máscaras. Num dos cantos está Rui Moreira, o presidente da Câmara do Porto. Não veio disfarçado e, por isso, salta à vista no meio do grupo que dança à sua volta. A noite, diz, “é tão mágica como todas as outras no Porto”.

Mais acima, na Cave 45, na Rua das Oliveiras, Helena veio de Lisboa para fazer uma tatuagem. Está a preparar-se para juntar um coração com flores à colecção de murais que tem espalhados pelo corpo. Não veio mascarada e escolheu a noite de Carnaval “por nenhuma razão em especial”. É a última tatuagem que Filipa Sequeira tem marcada para a noite que “já é dos corações”. 

Pelo meio de serpentinas douradas, desce-se para a cave. No palco, está deitado um contrabaixo. Dali a pouco, viria um dos músicos acordá-lo com o rock ’n’ roll dos T. Perry & The Bombers. Juntaram-lhe uma bateria e uma guitarra e o concerto começou a encher a sala.

Por aqui fica-se mais tempo. Se o Carnaval serve para desassossegar, também o rock, além do samba, pode reinar. Mas dentro desta sala, apesar do tema, o porquê do feriado pouco importa. Faz-se festa porque “amanhã não se trabalha” e porque há “boa música”. Os disfarces “só servem de complemento”. O ambiente é parecido com o de todas as noites, os clientes são quase todos habituais.

Na Badalhoca, que não precisa de se disfarçar de rainha das sandes de presunto, há quem já tenha perdido a cabeça. A única altura que alguém viu quem estava por baixo da fatiota de urso foi no momento em que Nuno a pousou para dar uma trinca nas famosas sandes antes de passar ao próximo destino. Mais uma vez, a tasca na baixa do Porto é paragem quase certa sempre que vão sair. Esta noite, só mudaram as vestimentas.

Espera-se que a chuva pare dentro dos bares, debaixo dos guarda-sóis das esplanadas, hoje mascarados de guardas-chuva, nas paragens de autocarros e por baixo das varandas. As ruas da cidade não estão desertas, mas o caminho até ao Teatro Sá da Bandeira faz-se quase sem ouvir vozes.

Chega-se e o Carnaval é burlesco. As cadeiras da plateia central desapareceram e abriram espaço para a pista de dança. É o público que também faz a festa. Smoke On The Water mistura-se com o samba do Rio e a única coisa que Aitor faz é mudar os passos de dança. Passa do forró para o headbang com mestria. Este Marilyn Manson é espanhol e está de visita ao Porto. No Carnaval daqui, diz, “sente-se bem o espírito pagão, vai ser uma boa noite”. A música voltou a mudar, e Aitor já arranjou outro par. 

Os confettis que tapam o chão colam-se aos sapatos e trazem a festa de lá de dentro para cá para fora. Mas para já, são poucos os que estão a pensar sair.

Em frente ao Jardim de S. Lázaro, na Faculdade de Belas Artes, a festa está dispersa. Um grupo dança no escuro em frente aos DJ’s, outros ficam a conversar no corredor que acaba no bar improvisado e há casais perdidos pelos cantos. Para uma das alunas, “esta é a noite onde as máscaras caem”. 

No Plano B, onde a noite foi acabar, também se fala em liberdade. Nesta e em todas as outras noites. Nas duas salas e no átrio de entrada dança-se, conversa-se e faz-se a festa. A fila para entrar ainda continua lá fora. Há um grupo de mulheres vestidas de enfermeiras que chamam a atenção, e depois delas muitas outras e muitos outros entram e criam burburinho. Uma brasileira comenta que “vai virar a noite” como se estivesse no Brasil. No Porto, o Carnaval é outro, mas também é Carnaval.

Texto editado por Hugo Daniel Sousa