Da nostalgia simples aos topo de gama, as novidades do Mobile World Congress

Acompanhe aqui ao longo da semana as principais apresentações da grande feira de telemóveis em Barcelona.

Foto
Visitantes no Mobile World Congress Reuters/PAUL HANNA

A maior feira de aparelhos móveis do mundo, o Mobile World Congress 2017, arrancou esta segunda-feira em Barcelona e termina na quinta-feira. Eis algumas das novidades:

Wiko aposta no mercado das selfies

Tal como várias marcas no Mobile World Congress deste ano, a fabricante francesa Wiko também está a apostar na qualidade audiovisual e no mercado das selfies. O novo topo de gama WIM tem uma câmara frontal com um sensor de 16 megapixeis, mas também se foca em oferecer filmagens de alta qualidade com um sistema de estabilização de vídeo que permite filmar em movimento com uma maior definição.

 

Como outros telemóveis da marca, traz um leitor de impressões digitais que se pode personalizar para aceder ao telemóvel, fazer chamadas ou abrir determinadas aplicações. Tem uma memória interna de 64 GB e custa cerca de 400 euros. Foi apresentada também uma versão mais simples, e leve, o Wiko Like.

Tablets Lenovo para crianças

A Lenovo anunciou vários portáteis, híbridos e telemóveis. Depois de anunciar o Miix 320 no início da semana – concebido para o trabalhador em tempo parcial que não pára num só sitio – a Lenovo lança a série Tab 4. Destina-se aos mais novos: com cores vibrantes, aplicações de jogos lúdico-didácticos pré-instalados, uma capa protectora anti-risco e anti-choque, e opções de controlo parental fáceis de personalizar. Todos os dispositivos estarão disponíveis este Maio, com preços entre os 169 euros e os 299 euros.

Já o topo de gama Yoga 720 descrito como “mais fino e flexível”, destaca-se pela tecnologia de leitura de impressões digitais e utiliza a tecnologia Windows Hello que permite fazer compras na Internet com segurança através deste sistema. Está disponível com ecrãs de 13 e 15 polegadas, com preços a partir de 820 euros.

PÚBLICO -
Foto
Tab 4 Lenovo

Alcatel luminoso

O novo telemóvel da Alcatel tem sido descrito como “um dos produtos mais divertidos da feira” pelos visitantes. O Alcatel A5 LED é o primeiro smartphone com uma capa LED possível de personalizar.

Foi criado para “jovens energéticos na procura do entretenimento”, segundo o comunicado da empresa. Permite que os utilizadores personalizem o padrão e cor da capa através das definições, recebam notificações luminosas, e utilizem o telemóvel como uma lanterna multicor que quando saem à noite ou assistem a concertos.

Outra das funcionalidades em destaque é a camara frontal com cinco megapixeis e um flash mais intenso que permite uma melhor qualidade de selfies, mesmo em ambientes mais escuros.  Estará disponível na europa a partir de Maio de 2017, com preços a partir dos 199 euros.

PÚBLICO -
Foto
Alcatel A5 LED Alcatel

A visão da ZTE para o 5G

A chinesa ZTE usou o evento para mostrar a sua visão para o 5G, a próxima geração de redes móveis, que vários fornecedores querem ter a funcionar até 2020. O Gigabit Phone é apenas um conceito. Permitirá criar vídeos de realidade virtual a 360º graus e guardar documentos e imagens online, em movimento.

 A outra novidade da ZTE no congresso de Barcelona foi o lançamento de telemóveis Blade V8 – O V8 Mini e a versão premium, o V8 Lite. Foram descritos como “o smartphone perfeito para os amantes de fotografia” no comunicado da empresa.

O V8 Mini permite tirar fotografias em 3D ao combinar duas fotografias das suas câmaras duais (com 13 e dois megapixeis), e tirar selfies de alta qualidade devido à funcionalidade moonlight flash.

Telemóvel para ligar à PlayStation

A Sony anunicou o XZ Premium, um telemóvel com um ecrã de 5.5 polegadas, que suporta gráficos de videojogos e consegue conectar-se à PlayStation 4. Ou seja, quando sair, os compradores poderão aceder aos videojogos da consola a partir do telemóvel.

Tem uma câmara traseira de 19 megapixeis, e tecnologia “motion eye” que permite captar vídeos directamente em câmara-lenta. Além disso, é resistente: o ecrã do telemóvel é feito com Corning Gorilla Glass 5, concebido para sobreviver quedas de um metro e meio em superfícies duras.

Ainda é um protótipo, foi mostrado protegido por um vidro, e não pode ser testado pelos visitantes da feira em Barcelona. O lançamento está agendado para a Primavera de 2017

PÚBLICO -
Foto
XZ Premium Sony

Huawei aposta na imagem

Como anunciado antes do congresso, a Huawei aproveitou o Mobile World Congress 2017 para mostrar o Huawei P10 e o P10 Plus. São os modelo herdeiros do P9 e focam-se em tecnologia da Leica para a fotografia. 

"Com um sensor monocromático de 20 megapixeis, um sensor RGB de 12 megapixeis e algoritmos melhorados, a nova Série P proporciona características superiores de fotografia técnica e artística num smartphone," lê-se no comunicado da multinacional chinesa.

Ambos os aparelhos têm lentes duais na traseira (uma lente monocromática de 20 megapixeis e uma lente RGB de 12 megapixeis), que permitem efeitos de processamento fotográfico como o bokeh que dá um efeito enevoado ao fundo da fotografia. As câmaras permitem ainda a detecção facial 3D.

PÚBLICO -
Foto
Gama de cores Huawei P10 Huawei

O novo modelo tem nove opções de cores diferentes (do azul escuro profundo, ao cor de rosa, até ao verde pálido). Na Europa, o Huawei P10 está disponível a partir de 649 euros enquanto o P10 plus custará cerca de 699 euros.

A nostalgia da Nokia

A apresentação da Nokia pode ter desiludido alguns: afinal, não houve nenhuma apresentação de um topo de gama. Além do regresso do Nokia 3310 – que irá custar cerca de 50 euros –, o aparelho mais caro apresentado foi o Nokia 6, que custa cerca de 229 euros. Já está disponível na China desde o início do ano.

Contrariamente aos últimos aparelhos da Nokia, a nova gama utiliza um sistema operativo Android em vez do Windows Phone. A aposta em reviver a marca Nokia para telemóveis vem da HMD Global, que passou a fabricar e a comercializar os aparelhos em 2016, e não da Microsoft, que comprou o negócio de telemóveis da Nokia em 2013.

Além do Nokia 6, também foram apresentados dois modelos mais baratos. O Nokia 5, descrito como um “smartphone elegante que cabe perfeitamente na palma da mão” e com um preço de 189 euros, e o Nokia 3, que custa 139 euros.

As propostas simples e económicas da HMD são parte de uma estratégia para apostar no mercado de telemóveis de baixo a médio custo e chegar a mais clientes. “Acreditamos que toda a gente merce acesso à qualidade premium e atenção aos detalhes normalmente reservada para aparelhos topo de gama. Com a nossa nova série de smartphones da Nokia, queremos democratizar a tecnologia e trazer a experiência a todos,” diz o director de serviços da HMD, Juho Sarvikas, em comunicado.

Um híbrido da Lenovo

A marca chinesa apresentou o Miix 320 no Mobile World Congress. Trata-se de mais um aparelho híbrido entre portátil e tablet, e destina-se, de acordo com a empresa, aos profissionais que passam pouco tempo à secretária e não precisam de sistemas topo de gama para trabalhar. Segundo o comunicado da Lenovo foi criado para trabalhadores a tempo parcial“desde aos condutores em part-time da Uber, ao bloguer que trabalha em freelance” que não têm muito dinheiro para gastar. 

Está equipado com o Windows 10 e tem 4 GB de memória, mas destaca-se por ter uma bateria que pode durar até dez horas (adequando-se, segundo a marca, a pessoas que passam muito tempo sem acesso a uma tomada eléctrica) e por pesar pouco mais de um quilo com o teclado removível. Custa cerca de 185 euros. 

PÚBLICO -
Foto
Miix 320 Lenovo

Novas tablets Samsung

Tal como previsto, depois da controvérsia do Galaxy Note 7 da Samsung – em que defeitos na bateria do telemóvel levavam os equipamentos a desligarem-se sozinhos e algumas baterias a arderem durante o carregamento –, a empresa decidiu focar-se nos tablets durante o Mobile World Congress em 2017.

Têm uma caneta stylus (que não tem um suporte no aparelho, um pormenor que já deu azo a críticas) e um teclado removível.

Tanto o Galaxy Book 10 como o mais avançado Galaxy Book 12 têm até dez horas de bateria útil e prometem carregar rapidamente. A S Pen, que vem incluída, permite que o utilizador tire notas e edite conteúdo (como vídeos e gráficos) facilmente.

Embora a dupla de tablets funcione com o sistema operativo do Windows 10, a Samsung não esquece o Android. Lançou também o Galaxy Tab S3, uma evolução directa da Samsung Tab S2, de 2015.

PÚBLICO -
Foto

Ainda não se sabe o preço ou a data de lançamento dos modelos, embora a empresa indique que o Tab S3 deverá estar pronto em Março.

Aparelhos resistentes com Panasonic

Além da reinvenção do “indestrutível” Nokia 3310 (uma ideia nostálgica que se preocupa mais com o design, e com o retorno do jogo Snake, do que com a protecção contra quedas), há mais novidades para as pessoas que precisam de aparelhos resistentes.

A Panasonic aproveitou o Mobile World Congress para apresentar o seu novo portátil resistente a acidentes: o Toughbook CF-33. Não é uma área nova para a Panasonic que vende portáteis Toughbook desde 1996.

O novo portátil da Panasonic tem um teclado removível e um ecrã com um formato de 3:2. Apesar de portas USB estarem a desaparecer em portáteis híbridos, o CF-33 tem entradas USB, para cabo de rede e cartão microSD. Segundo o comunicado da Panasonic, o novo portátil híbrido foi “criado para ser utilizado ao ar livre, em ambientes de sol ou de chuva intensa”. Pesa cerca de 2,7 quilos e custará cerca de 3100 euros, com teclado incluido.  

Texto editado por João Pedro Pereira