A história da complexa teia que liga a Altice ao seu fornecedor

Empresa que é acusada pela Nos e pela Vodafone de ser um “monopólio” da PT Portugal passou a ser detida por uma sociedade luxemburguesa gerida por um português com ligações à Altice e a Armando Pereira, ex-presidente da PT.

Patrick Drahi e Armando Pereira, numa visita ao centro de investigação da operadora, em Aveiro
Foto
Patrick Drahi e Armando Pereira, numa visita ao centro de investigação da operadora, em Aveiro NFACTOS / FERNANDO VELUDO

Está desfeito (em parte) o mistério da identidade do novo dono da Fibroglobal, a empresa que há meses motiva queixas da Vodafone e da Nos à Anacom e ao Governo. Trata-se da sociedade luxemburguesa JMO, que é gerida por um português que já tem vínculos às empresas de construção de redes de telecomunicações Sudtel Tecnologia e Tnord Tech, que passaram a ser fornecedoras da PT quando esta foi comprada pela Altice, em 2015.

Segundo fontes do sector ouvidas pelo PÚBLICO, estas empresas têm ligação a Armando Pereira, o sócio português de Patrick Drahi na Altice, que foi presidente da administração da PT até ao início de Fevereiro. Questionada pelo PÚBLICO, a Altice não quis comentar o tema.

A Fibroglobal é apenas uma de várias nebulosas na intricada teia de relações entre sociedades que passaram a rodear a PT desde que a Altice a comprou. É também uma preocupação da Nos e da Vodafone, que têm contestado que a empresa, que recebeu mais de 30 milhões de euros de fundos públicos para construir uma rede de nova geração na zona rural centro, gira esta infra-estrutura como “um monopólio” da PT, impondo preços grossistas de acesso que só são rentáveis para a operadora liderada por Paulo Neves. Isto porque a PT, que é a única operadora que tem conseguido usar a rede da Fibroglobal para levar serviços directamente às casas dos seus clientes naqueles 42 concelhos, é simultaneamente sua accionista (tem 5% do capital).

Há meses que a Anacom está a analisar as condições concorrenciais propostas pela Fibroglobal e o trabalho ainda “está em curso”, adiantou fonte oficial do regulador. Em resposta ao PÚBLICO, a Fibroglobal diz que as suas ofertas “são competitivas” e têm preços que incentivam “à utilização da rede”.

Depois de muita insistência, a Visabeira, que tinha 95% desta empresa, confirmou ao PÚBLICO, em Dezembro, que vendeu as suas acções. Mas não quis dizer a quem. O Governo, que numa primeira fase não foi informado da operação, acabaria por ser notificado, mas também não quis adiantar quem é o novo dono da empresa, assim como a Anacom.

O presidente da PT também não quis identificar o seu novo parceiro na Fibroglobal, mas esta, questionada pelo PÚBLICO, confirmou que a JMO é a nova accionista maioritária. À pergunta sobre se é um investidor estratégico ou financeiro, a empresa de Viseu respondeu que não lhe cabe “tecer comentários sobre a estratégia e objectivos dos seus accionistas”. 

Criada a 4 de Março de 2016 no Luxemburgo, a JMO é gerida por José Manuel Monteiro. Não é a primeira vez que os caminhos da PT se cruzam com os deste português de 50 anos, nascido em Belas. Monteiro é (desde 2011) um dos três administradores da ERT Luxemburgo, sociedade que controla a Parilis, que por sua vez detém a Sudtel e a Tnord. Facto curioso: a JMO e a Parilis foram criadas com dois dias de diferença (a segunda foi registada a 2 de Março) no mesmo cartório notarial no Luxemburgo, partilhando a mesma sede social, o número 7 da Rua Robert Stümper, no grão-ducado.

PÚBLICO -
Aumentar

O amigo de Armando Pereira

Voltando à ERT Luxemburgo, além de José Monteiro, os outros administradores são Alain Vauthier e Laurent Godineau. Este último, director na Altice Financing, é administrador da ERT Luxemburgo desde 2010. Já Vauthier (administrador desde 2013) é um empresário de Nancy, com investimentos no imobiliário e em empresas de serviços de engenharia e comunicações, como a The Fiber Shop France, que tem a sede social em Thaon-les-Vosges, no mesmo endereço postal que também pertenceu à Sogetrel, fundada em 1985 por Armando Pereira.

Em 1999, o emigrante português que se fixou em Nancy vendeu a maioria do capital desta construtora de redes (que se tinha tornado uma das principais fornecedoras da France Telecom) ao banco ABN Amro e reza a crónica (leia-se, os vários perfis publicados na imprensa portuguesa e francesa sobre o ex-presidente da PT) que foi com esse negócio que começou a fazer fortuna.

Alain Vauthier e Armando Pereira (que se diz ter 25% da Altice, embora a percentagem exacta não seja conhecida) têm mais em comum do que um endereço postal. O francês (que antes de se dedicar às telecomunicações era farmacêutico) é, tal como Pereira, assíduo nas provas de rali francesas, como o rali da Lorena. Há, aliás, diversos artigos na imprensa regional francesa sobre estas competições em que Vauthier menciona o português como um dos seus amigos mais próximos. “Quero fazer os mesmos ralis que o Armando Pereira, que é um amigo na vida, apreciamos ‘rodar’ juntos”, dizia o empresário ao Est Rallye, em 2007.

Recapitulando, a ERT Luxemburgo é, assim, dona da Sudtel e da Tnord, construtoras de redes criadas três meses depois de a Altice comprar a PT, e que têm sido fundamentais num plano de investimento para ligar mais de cinco milhões de casas com fibra até 2020 em Portugal.

Os fornecedores de eleição

Em Novembro de 2016, as autoridades da Concorrência em França e Portugal analisaram, e aprovaram, a operação de compra da Parilis à PV International Partners (mais uma sociedade na esfera da ERT Luxemburgo, presidida por Alain Vauthier) pela Altice International. Uma operação que se traduzia na aquisição de 51% do capital e direitos de voto da Parilis, com opção de compra irrevogável dos restantes 49%, segundo a decisão da Autorité de la Concurrence.

O regulador francês também explica que a Altice tem por prática subcontratar fornecedores para a construção e manutenção das suas redes e que “as duas filiais da Parilis presentes neste sector” – a ERT Technologies e a Icart – “realizam a quase totalidade do seu volume de negócios com o grupo Altice”. Sem grande surpresa, a Icart é presidida por Alain Vauthier, tal como a ERT Holding France, que é a casa mãe da ERT Technologies. Segundo a sua página de Internet, esta empresa de engenharia e construção de redes emprega 700 pessoas em França, 40 na Bélgica e 15 no Luxemburgo. A ERT Technologies, criada no ano 2000, tem a sua sede administrativa num local que também não é novo nesta história onde abundam encontros e coincidências: Thaon-les-Vosges, onde Armando Pereira começou a singrar no negócio.

O regulador francês da Concorrência revela ainda que além de França e de Portugal, a Parilis também opera em Israel, República Dominicana, Bélgica e Luxemburgo (mercados em que a Altice está presente).

Já a decisão emitida pela Autoridade da Concorrência refere que, em Portugal, além da Sudtel e da TNord, a Parilis tinha outra subsidiária que também construía redes de fibra: a Arcitaura. Fundada em 2010, em Vila Franca de Xira, foi dissolvida em Junho; tinha como sócio-gerente José Monteiro e como empresa mãe a ERT Holding France.

Com sede em Braga, a TNord funciona sob a gerência de António Ferreira da Silva. E mais a sul, em Lisboa, existe a Sudtel. À frente desta empresa está o luso descendente Miguel Amorim, que iniciou o percurso profissional em 1997 numa das delegações da Sogetrel (fundada por Pereira), onde esteve até 1999.

Em Portugal, Michel Amorin (como também se apresenta) fundou a Bysat e a Bysat II, empresas de comunicações às quais deixou de estar ligado em Dezembro de 2015. Além da Sudtel, mantém-se activo na República Dominicana desde Janeiro do mesmo ano. Segundo o perfil deste gestor numa rede social, é presidente da Sadotel, empresa de engenharia e redes que presta serviços à Tricom (operadora dominicana que a Altice comprou em 2014).

Relações (muito) estreitas

Regressando, mais uma vez, à ERT Luxemburgo (dona da ERT Holding France), e consultando os dados publicados no Jornal Oficial do grão-ducado, é possível concluir que é detida pela ERT Holding (accionista maioritária) e pela Reseau Tel Lux. Também aqui sobejam cruzamentos e coincidências: as três sociedades partilham o mesmo endereço (o número 3 do boulevard Royal, no Luxemburgo) e também os administradores. Assim, na Reseau Tel Lux têm assento José Monteiro e Emilie Schmitz (desde 2013), enquanto na ERT Holding estão Alain Vauthier (o amigo de Armando Pereira, que é administrador desde 2014), Emilie Schmitz (desde 2011) e Laurent Godineau (desde 2010). À semelhança de Godineau, Schmitz também exerce funções na Altice Financing, um veículo de emissão de dívida da Altice International.

Apesar de a Altice International só ter comunicado aos reguladores a operação de concentração com a Parilis no final de 2016, as datas em que os administradores com ligações ao grupo de Patrick Drahi iniciaram os seus mandatos nas sociedades chapéu Reseau Tel Lux e ERT Holding parecem indicar que há vínculos mais antigos com estas empresas de engenharia e construção de redes. Vínculos que a Altice não esclareceu, apesar de questionada pelo PÚBLICO.

Além disso, o endereço da sede social da Reseau Tel Lux, da ERT Holding e da ERT Luxemburgo era o mesmo da Altice SA, a sociedade que se fundiu com a New Athena em Agosto de 2015, criando uma entidade que foi extinta para dar origem à Altice NV que é, no fundo, a cabeça do grupo Altice e dona da PT. Na época, esta complexa operação foi apresentada como uma solução para que a Altice pudesse continuar a financiar as suas ambiciosas operações de aquisição com acções em vez de dinheiro sem que o accionista maioritário, Patrick Drahi, diluísse o seu poder. Na prática, esta estratégia permitiu também montar uma teia de sociedades que tem vindo a permitir ao grupo expandir a sua operação nos mercados onde está presente.