Crítica

Uma Sagração da Primavera intercultural, cem anos depois

iTMOi é uma peça peculiar, representativa das novas linguagens interculturais; mas a falta de alguma contenção deixou-a a um passo de ser uma grande obra.

Fotogaleria
iTMOi, de Akram Khan: ensaio geral BRUNO SIMÃO
Fotogaleria
iTMOi, de Akram Khan: ensaio geral BRUNO SIMÃO
Fotogaleria
iTMOi, de Akram Khan: ensaio geral BRUNO SIMÃO
Fotogaleria
iTMOi, de Akram Khan: ensaio geral BRUNO SIMÃO
Fotogaleria
iTMOi, de Akram Khan: ensaio geral BRUNO SIMÃO
Fotogaleria
iTMOi, de Akram Khan: ensaio geral BRUNO SIMÃO
Fotogaleria
iTMOi, de Akram Khan: ensaio geral BRUNO SIMÃO

Como revisitar, um século depois, o mais polémico serão da história da dança – o da estreia de Sagração da Primavera (Paris, 1913)? A vanguardista composição de Stravinsky e a radical coreografia de Nijinsky para os Ballets Russes fizeram da peça um emblema das rupturas modernistas do início do seculo XX. Sobre ela recaiu uma aura mítica, só defrontada, décadas depois, por versões marcantes como a de Maurice Béjart (1959), Pina Bausch (1978), Martha Graham (1984) ou a reconstituição “arqueológica” de Millicent Hodson (1987; CNB, 1994, 2006). Perante tal carga simbólica, em iTMOi (2013), acrónimo de in the mind of Stravinsky, o coreógrafo anglo-bengalês Akram Khan (Londres, 1974) explorou um hábil recurso: Stravinsky quase desapareceu (apenas imperceptíveis apontamentos da partitura), substituído por sonoplastia original: pop-rock, música de pendor folclórico, clássico ou electrónico, discos em vinil a ranger, o ribombar de trovoada, sinos de igreja, ou o silêncio. Khan construiu a uma visão própria, enleante e obscura, tensa e enigmática, dos “quadros da Rússia pagã”. Colocou-a num tempo e lugar impreciso mas reteve o âmago primitivista, telúrico e orgiástico da celebração tribal do dealbar primaveril, e do seu culminar sacrificial: a cena da virgem eleita, convertida na imolação de um homem enredado em cordas como um insecto agonizante aferrado em sobreviver, cercado pela pulsação do rito tribal, é de uma vividez pungente.

Um globo pendular e uma enorme moldura rectangular, suspensos em desequilíbrio sobre o palco, e o ambiente em tons ocre, bordeaux, negro-branco ou forte contraluz, envolvem o estranho clã, subjugado à soberania de uma veemente dama sem tempo, andrógina matriarca de tronco seminu sob volumoso vestido e vaporosa capeline brancos. De túnicas e calças discretamente coloridas (evocam os shalwar kameez indianos) o movimento do grupo é um curioso híbrido de dança kathak – com os nritta, (vigorosas e percutidas sequências abstractas), velozes rodopios sobre os joelhos, e abhinaya (gestos dramatizados) – e de alusões a outras danças de folclore, expandidas numa escrita contemporânea. A sombra de Nijinsky (o excelente fauno demoníaco, porventura beneficiaria, se mais subtil), laivos da intrincada aspereza formal e rítmica, ex-libris da Sagração original, derivam em inquietantes seres semi-humanos rastejantes, e pernas em posturas invertidas, em imagem de flores a desabrochar.

A passos, melopeias murmuradas parecem fundir vocalizações do kathak e a batida “stravinskiana” ao kyrie eleison, oração penitencial da liturgia cristã.

O hibridismo de iTMOi resume um trajecto biográfico: Khan, aprendeu kathak no seio diáspora bengalesa de Londres em criança, cresceu deslumbrado por Michael Jackson e descobriu o teatro com Peter Brook; a assimilação muito pessoal de tais heranças foi a base da sua ascensão meteórica na dança contemporânea.  

O entrosamento do elenco da CNB com “sincretismo estético” de Khan foi notável. Contudo, a espessura dramática acusará certa quebra comprometendo com algum histrionismo uma dramaturgia que já continha o essencial. O desfecho foi belíssimo: o globo suspenso, semi-iluminado, traça uma órbita encantatória sobre a passagem de testemunho que sucede ao sacrifício, coloca-nos perante os insondáveis ciclos de vida e morte, cataclismo e renovação, o movimento planetário, uma qualquer ordem cósmica.

iTMOi é uma peça peculiar, representativa das novas linguagens interculturais a nascer num mundo globalizado de demografias migrantes; subverteu expectativas e estereótipos, e criou para si um universo distintivo; mas a falta de alguma contenção deixou-a, quiçá, a um passo de ser uma grande obra.