STCP testa autocarro 100% eléctrico

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto quer ter na sua frota 15 autocarros eléctricos. O primeiro pode começar a circular já no final deste ano.

Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

A STCP está a testar um novo autocarro urbano 100% eléctrico, com zero emissões de dióxido de carbono. O eBUS começou a ser testado no início de Fevereiro e vai continuar até meio de Março nas linhas 302, pelo centro histórico do Porto, e 904, percurso que liga o centro do Porto ao de Gaia. Mas tem de estar atento para o apanhar: o novo autocarro chega às paragens muito silenciosamente.

O protótipo tem uma autonomia de 80 quilómetros e pode ser carregado em meia hora. O veículo está incluído no “plano vasto e complexo da renovação da frota da STCP”, disse Jorge Moreno Delgado, presidente da Metro Porto e da STCP, na cerimónia de apresentação. O presidente da STCP admite ter "uma secreta esperança” de que o primeiro dos 15 autocarros eléctricos possa já ser uma realidade no final deste ano, mas tudo depende "dos prazos do concurso" que ainda vai ser lançado.

A empresa de transportes, que já tem “a menor percentagem de veículos movidos a gasóleo do país”, segundo Jorge Delgado, pretende ter, em 2019, 15 veículos eléctricos a circular pelas ruas do grande Porto e 282 movidos a gás natural. Também neste ano, quando terminar a primeira fase da renovação dos autocarros da empresa, “a frota eléctrica será a mais expressiva do país” e a percentagem de veículos movidos a combustíveis tradicionais vai ser inferior a 10, promete Jorge Delgado.

O autocarro, com lotação até 88 passageiros, é silencioso e implica uma redução significativa dos custos de energia e manutenção. O eBUS foi totalmente desenvolvido em Portugal pela Caetano Bus em parceria com a Siemens (que fornece a energia elétrica) e engenheiros da Universidade do Porto.

O veículo não poluente vem dar resposta a um grupo crescente de clientes que exigem mais do que serem “apenas transportados entre dois pontos geográficos", disse o presidente da empresa que, pela primeira vez nos últimos seis anos, voltou, em 2016, “a ganhar clientes e reconquistou quota de mercado".

Em Junho de 2016, o primeiro autocarro eléctrico totalmente produzido em Portugal percorreu os seus primeiros quilómetros em Guimarães e chega agora ao Porto, para a cidade rumar a um “futuro realmente sustentável”, diz Jorge Delgado. Coimbra, Lisboa, Braga são outras das cidades onde o autocarro já foi ou ainda vai ser exibido.

Entre 2010 e 2015, a Caetano Bus investiu cerca de 7 milhões de euros em projectos ligados à mobilidade eléctrica. Recentemente, a empresa foi responsável pelo lançamento do primeiro autocarro exclusivo de aeroporto 100% eléctrico, com unidades já comercializadas. Esta tecnologia tem vindo a ser testada nas principais cidades europeias, como Estugarda, Genebra, Viena, Helsínquia, Amesterdão, e também em território nacional.

À semelhança da Holanda que quer, até 2025, toda a rede de transportes colectivos descarbonizada, José Mendes, secretário de Estado do Ambiente, lança o mesmo desafio para Portugal mas “até 2030”. 

Mais de metade dos autocarros são importados e em segunda mão

José Mendes diz que o Governo está a relançar o investimento no sistema de transportes colectivos no país, de forma a renová-lo através da aquisição de novos veículos, algo que não acontecia desde 2011.

José Ramos, presidente da Salvador Caetano Indústria, chama a atenção para a quantidade de autocarros importados e em 2ª mão que circulam no país: "55% dos autocarros matriculados em 2016 em Portugal foram importados". E apelou ao secretário de Estado para que seja feita uma alteração à legislação relacionada com a segurança desses veículos.

O responsável da Salvador Caetano recordou o acidente na autoestrada A1 no dia 11 deste mês, afirmando que se aquele autocarro "não respeitasse todas as regras de segurança teria sido uma tragédia".

No concurso que está aberto até ao fim deste mês para a renovação da frota em todo o país - um investimento “na ordem dos 60 milhões” e que vai permitir “comprar 500 ou 600 autocarros novos" - o secretário de Estado pede que se preste mais atenção às questões ambientais e de segurança. "Nesta renovação de frota estamos a procurar adquirir veículos ambientalmente mais amigáveis”, promete, lamentando ainda que não seja, para já, possível electrificar-se "todas as frotas de transporte público".

Texto editado por Ana Fernandes