Ministério Público abre inquérito a incêndio em Setúbal

O fogo deflagrou na madrugada de terça-feira em dois armazéns da SAPEC e provocou uma nuvem de enxofre.

Foto
LUSA/RUI MINDERICO

O Ministério Público instaurou um inquérito para averiguar responsabilidades no incêndio em dois armazéns da SAPEC, em Setúbal, informação confirmada pelo PÚBLICO junto da Procuradoria-Geral da República (PGR). A assessora de imprensa da PGR, Sandra Duarte, disse ainda não dispor de "informação suplementar" relativamente ao inquérito.

O incêndio nos armazéns da Sapec Agro, que deflagrou na madrugada de terça-feira, provocou seis feridos que, entretanto, já tiveram alta hospitalar. Num comunicado, a empresa refere que "a situação está completamente controlada" e que "o segundo armazém que sofreu o incidente está a ser demolido por razões de segurança". De acordo com o director-geral da Sapec Agro, João Martins, ainda que um dos armazéns tenha ficado completamente destruído, a laboração da fábrica não foi afectada e prossegue normalmente

As autoridades garantiram que a nuvem de enxofre provocada pelo incêndio já se começou a dissipar e não coloca em perigo a saúde da população. Ainda assim, o director-geral de Saúde recomendou, durante uma conferência de imprensa dada esta quarta-feira, que as crianças, idosos e doentes com problemas respiratórios crónicos não saíssem de casa. Francisco George referiu ainda que a fábrica continua a libertar dióxido de enxofre, situação que deverá ficar regularizada durante as próximas horas.