Medicamentos oncológicos em falta por não serem lucrativos

A escassez de medicamentos leva os médicos a optarem por terapêuticas alternativas cuja eficácia não está comprovada.

Infarmed nega que exista uma ruptura persistente no stock de medicamentos
Foto
Infarmed nega que exista uma ruptura persistente no stock de medicamentos Daniel Rocha

A medicação disponível para doentes oncológicos está a desaparecer porque a indústria farmacêutica está menos interessada. Em causa está o preço baixo dos fármacos e, consequentemente, a sua pequena margem de lucro, noticia o Jornal de Notícias nesta quarta-feira.

Assim, as farmacêuticas hospitalares procuram-se entre si para responder à escassez e os médicos acabam por receitar terapêuticas alternativas, que nem sempre estão comprovadas.

Fátima Cardoso, responsável da Unidade da Mama e do Programa de Investigação do Cancro da Mama do Centro Clínico Champalimaud, sublinha que “estamos a falar de fármacos básicos necessários para cerca de 80% dos doentes oncológicos” e insiste que este é um tema que gera preocupação.

A médica cita medicamentos como ciclofosmida, 5-Fluoroucilo e a hormonoterapia, que o Infarmed confirmou enfrentarem “maior dificuldade de aquisição”. No entanto, o Infarmed recusa um cenário de “ruptura persistente”.

Também Nuno Miranda, director do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas, partilha a preocupação, destacando que alguns dos medicamentos em causa não são substituíveis.

Por outro lado, existem ainda problemas em relação à distribuição dos medicamentos. “Como não são produzidas quantidades suficientes, são vendidos nos países que podem pagar mais e esgotam nos países mais pobres”, acrescenta Fátima Cardoso.

Estes medicamentos não estão sujeitos a uma notificação em caso de exportação e podem ser adquiridos por países como a Alemanha (que em alguns casos paga preços cinco vezes superiores aos praticados em Portugal, por exemplo).

Uma das soluções poderá passar por condicionar a introdução de medicamentos inovadores e manter disponíveis os fármacos mais baratos, exemplifica Gabriela Sousa, presidente da Sociedade Portuguesa de Oncologia.

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações