Qualidade do ar em Setúbal dentro dos valores de segurança, apesar do incêndio

A nuvem de enxofre provocada por incêndio em armazém não coloca a saúde da população em risco, garantem autoridades.

A nuvem está a deslocar-se para Lisboa, mas não representa perigo
Fotogaleria
A nuvem está a deslocar-se para Lisboa, mas não representa perigo LUSA/RUI MINDERICO
A nuvem está a deslocar-se para Lisboa, mas não representa perigo
Fotogaleria
A nuvem está a deslocar-se para Lisboa, mas não representa perigo LUSA/RUI MINDERICO
A nuvem está a deslocar-se para Lisboa, mas não representa perigo
Fotogaleria
A nuvem está a deslocar-se para Lisboa, mas não representa perigo LUSA/RUI MINDERICO
A nuvem está a deslocar-se para Lisboa, mas não representa perigo
Fotogaleria
A nuvem está a deslocar-se para Lisboa, mas não representa perigo LUSA/RUI MINDERICO
A nuvem está a deslocar-se para Lisboa, mas não representa perigo
Fotogaleria
A nuvem está a deslocar-se para Lisboa, mas não representa perigo LUSA/RUI MINDERICO

As estações que medem a qualidade do ar na zona de Mitrena, em Setúbal, onde esta terça-feira eclodiu um incêndio num armazém de enxofre, não registaram qualquer valor acima do limite de referência, segundo a Direcção-Geral da Saúde (DGS).

Em declarações à Lusa, Anabela Santiago, engenheira de Saúde Ambiental da DGS, afirma que o que foi transmitido pelos técnicos da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) indica que as estações de medição da qualidade do ar não ultrapassaram os valores de referência.

"Aquilo que me foi transmitido é que, de acordo com a informação registada nas estações ali à volta e as estações que medem o SO2, o dióxido de enxofre, os valores registados não ultrapassam os valores de referência", afirmou Anabela Santiago.

A nuvem de fumo provocada pelo incêndio, que entretanto já começou a dissipar-se, levou a Protecção Civil a aconselhar as populações das freguesias de Praias do Sado e Faralhão e, mais tarde, da freguesia de Gambia, Pontes e Alto da Guerra a ficarem em casa.

Questionada sobre se não haveria perigo algum para aquelas populações, assim como para as restantes naquela área, a responsável da DGS respondeu: "Está a ser monitorizado, quer a APA quer a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional estão a acompanhar a situação e aquilo que está a ser registado, de momento, não excede [os valores de referência]".

"A Protecção Civil também já transmitiu as instruções à população ali à volta, se sentirem picadas nos olhos ou irritação da garganta para contactarem com as autoridades de saúde", acrescentou.

O incêndio que deflagrou nesta terça-feira, às 3h, num armazém da Sapec Agro, em Mitrena, Setúbal, foi controlado, mas as operações de rescaldo deverão prolongar-se por vários dias, segundo o coordenador da Protecção Civil municipal de Setúbal.

José Luís Bucho acrescentou que "ainda não foi possível entrar dentro de um dos armazéns, que tem uma estrutura em ferro que ameaça ruir e que só depois de haver condições de segurança é que se podem iniciar aí as operações de rescaldo".

"Durante o combate ao incêndio, cinco bombeiros sofreram queimaduras ligeiras, mas nenhum caso inspira cuidados", adiantou.

Sugerir correcção