A nova série da semana é Legion. Marvel, X-Men... mas é boa?

Aposta da Fox, afasta-se dos arquétipos e dos efeitos especiais para namorar as narrativas não lineares. Legion é uma doença ou um super-ser?

Fotogaleria
FX Networks
Fotogaleria
FX Networks
Fotogaleria
FX Networks
Fotogaleria
FX Networks
Fotogaleria
Uma página de um dos comics de Legion MARVEL

Perante uma nova série, normalmente há duas perguntas. Número um: É sobre o quê? Número dois: é boa?. Legion suscitou outra pergunta ao crítico Alan Sepinwall – “será esta a primeira série de BD verdadeiramente boa?” Com estreia na segunda-feira às 21h10 na Fox, é um cometa invulgar no universo X-Men, uma série Marvel que não tem heróis a lutar contra vilões num festival de arquétipos e efeitos especiais. É sobre o que é ser diferente, ter poderes que parecem uma doença (e sim, tem alguns efeitos especiais). Se é boa?

É mais Charlie Kaufman do que Charles Xavier, e isso é bom. É feita por gente de bom currículo e muitos críticos que, como o PÚBLICO, já viram o primeiro episódio, confirmam a aposta forte de início de ano da Fox em Portugal (e do canal FX nos EUA). Já se fala em Emmys, escreve-se que “nunca houve nada assim na televisão” e até “obra-prima”.

Legion é uma adaptação do comic homónimo de Chris Claremont e Bill Sienkiewicz por Noah Hawley, nome que levou o filme dos irmãos Coen ao sucesso televisivo com Fargo e que está a adaptar Kurt Vonnegut para a TV. Tem como protagonista Dan Stevens, o britânico de Downton Abbey  e High Maintenance que agora encarna uma história americana de relvados aparados, rapaz-conhece-rapariga e as vozes que ouve na cabeça.

Estreou-se dia 8 nos EUA e tem por base livros muito menos populares do que as narrativas centrais dos X-Men ou de outros heróis aos quadradinhos. Distanciando-se do trabalho que o Netflix tem estado a fazer com a Marvel Studios em Jessica Jones ou Luke Cage, da abordagem mais convencional de Agentes da S.H.I.EL.D. (Fox) e ainda mais do equilíbrio entre lutas e pausas dramáticas dos filmes X-Men e da sua profusa prole (Wolverine, novos reboots), Legion é um homem, David Haller, e é uma espécie de visita ao lado adocicado do psicadelismo e da esquizofrenia – até deixar de o ser. O seu ponto de vista é também o do espectador, e é a perspectiva de um poderosíssimo mutante que não está sob a alçada do patriarca e organizador do grupo de mutantes conhecidos como X-Men, Charles Xavier.

A sua companheira de viagem (Rachel Keller) tem o nome cósmico de Syd Barrett, como o mítico membro dos Pink Floyd, e conhecem-se num hospital psiquiátrico chamado Clockworks, como na Laranja Mecânica de Stanley Kubrick que muito influenciou os autores da nova série televisiva. Haller é parente de uma figura importante dos X-Men, mas como a adaptação do comic não é directa não se arriscam spoilers; também não é “preciso” ter conhecimentos deste universo para ver a série, ela parece querer ser muito mais um drama psicológico do que uma cartilha de um universo nerd expandido; sobre se haverá cruzamento com personagens já conhecidas, os produtores não confirmam nem desmentem. Mas Haller, portanto, pensa que é esquizofrénico até que, numa delirante estafeta entre o que é real ou não ao longo da primeira hora dos oito episódios previstos, deixa de negar que é de facto - aquela palavra tão X-Men – um mutante.

A fotografia e o design de produção com vibrações 60s e 70s ajudam à narrativa pouco linear e a incluir na história, como se convencidos pela terapia da cor (as alusões a  Wes Anderson  são frequentes), “uma personagem tão perturbadora que, em 1991, um dos guionistas dos comics de X-Men se recusou a escrever sobre ele, considerando-o demasiado disfuncional para a equipa” de super-heróis, como lembra Emily Nussbaum na New Yorker. “Não é suposto sabermos onde estamos ou que ano é”, confirma Michael Wylie, director de arte da série, ao Daily Beast. O que é ou não real e o sofrimento de Haller permitem muito mais drama humano do que cenas de efeitos visuais espampanantes (que existem).

Nem personagem nem actor sabem, na verdade, o que é real – “a minha esperança é que, quando virem a primeira hora, embora possa não ser claro o que cada imagem significa e qual a informação que é suposto recolher, [saibam que] as respostas vão chegar” disse Hawley à revista Time. Não quer “manipular nem enganar” mas sim “pôr-vos no estado de espírito da personagem e revelar a realidade à medida que ele a descobre”. É aqui que entram as outras comparações constantes, desta vez a O despertar da mente que deu o Óscar de argumento a Charlie Kaufman; o primeiro episódio é exactamente o que Sepinwall descreve no Uproxx – “uma mind trip”.