Morreu o autor de banda desenhada japonês Jiro Taniguchi

O autor de Diário do meu Pai e de Terra de Sonhos tinha 69 anos.

Fotogaleria
Jiro Taniguchi dr
Fotogaleria
Terra de Sonhos de Jiro Taniguchi Jiro Taniguchi
Fotogaleria
Terra de Sonhos de Jiro Taniguchi Jiro Taniguchi
Fotogaleria
Terra de Sonhos de Jiro Taniguchi Jiro Taniguchi

O autor de banda-desenhada Jiro Taniguchi, o único japonês a ganhar dois prémios no Festival de Banda Desenhada de Angoulême – em 2003 como melhor argumentista e em 2005 como melhor desenhador –,  morreu este sábado aos 69 anos, anunciou a Casterman, editora que o representa em França.

Em 2015, ano em que Angoulême lhe dedicou uma grande exposição, o seu livro Diário do meu Pai, publicado na série Novela Gráfica da editora Levoir e distribuído com o PÚBLICO, recebeu no Festival Amadora BD o Prémio Clássicos da Nona Arte. É a história de um designer que vive em Tóquio e regressa a Tottori, a sua terra natal, para o funeral do pai.

A editora Casterman saúda "um mestre incontestável da banda desenhada mundial", num comunicado divulgado e citado pelos meios de comunicação social franceses. "Verdadeiro intermediário entre a manga e a banda desenhada ocidental, construiu uma obra na qual a variedade de tons e de géneros é excepcional", refere a Casterman, e nos seus últimos trabalhos abordava temas como a natureza, a família e o regresso à infância.

Na colecção Novela Gráfica foi publicado também Terra de Sonhos, onde se nota a sua atenção ao quotidiano, em histórias que passam pela morte de um cão e a tristeza que ela provoca ou pelos sonhos desfeitos de um alpinista. Mas o seu primeiro livro a ser editado em Portugal foi O Homem que Caminha, em 2005, na série Ouro da colecção Clássicos da Banda Desenhada. E com Masayuki Qusum é autor de Kadoku no Gourmet (The Solitary Gourmet na edição inglesa ou Le Gourmet solitaire em França, onde também está publicado Rêveries d'un gourmet solitaire)

Nascido em 1947 em Tottori, a oeste de Quioto, Jiro Taniguchi era um autodidacta, que fez a sua aprendizagem enquanto assistente de desenhadores consagrados como Kyuta Ishikawa ou Kazuo Kamimura, de quem foi assistente e através do qual descobriu a banda desenhada ocidental. Desta influência, "reteve a riqueza dos décors e a multiplicidade das informações" em cada quadradinho e da "gramática visual da manga, guardou a prioridade dada ao movimento", refere ainda a Casterman. O jornal Le Monde lembra que entre as suas influências europeias está a obra de Moebius com quem publicou Icare