Nuno Brandão Costa ganha concurso para o terminal intermodal de Campanhã

Proposta do arquitecto do Porto escolhida entre 22 candidaturas, num concurso que atraiu alguns dos melhores gabinetes do país.

Projecto do arquitecto portuense vai ser executado pela Câmara do Porto
Foto
Projecto do arquitecto portuense vai ser executado pela Câmara do Porto ANA MARIA COELHO / PUBLICO

O projecto do arquitecto Nuno Brandão Costa venceu o concurso para a concepção do Terminal Intermodal de Campanhã, da Câmara do Porto. A proposta, uma das 22 submetidas ao júri liderado pelo arquitecto Carlos Prata, foi escolhida, entre outros motivos, pela forma como valoriza o espaço dos utentes na futura gare, obra que “vai ser o motor para a transformação de uma área da cidade esquecida durante décadas”, assinalou o presidente do júri, satisfeito com a forte adesão a um procedimento que atraiu alguns dos melhores gabinetes do país.

As propostas foram todas abertas esta sexta-feira de manhã, numa cerimónia pública, presenciada pela imprensa, elementos do município e alguns concorrentes, que decorreu na sede da empresa municipal de Obras Públicas. Cada projecto foi identificado, naquele momento, pelo seu número de entrada no concurso, e só ali o júri passou a conhecer o nome do vencedor, num procedimento elogiado por Carlos Prata. O gabinete de arquitectos Pablo Pita, do Porto, ficaram em segundo lugar e o também portuense Gabinete MVCC, de Mercês Vieira Camilo Cortesão ficou em terceiro. Os três têm direito a um prémio de 12,5 mil, dez mil e 7,5 mil  euros, respectivamente.

O projecto tem um valor de execução calculado em 6,36 milhões de euros, abaixo, portanto, dos 6,8 milhões estimados pela Câmara do Porto. O autarca Rui Moreira adiantou que o concurso público para a execução da obra será lançado com a brevidade possível, considerando que a empreitada possa começar em 2018. “Este é um projecto muito importante para cerzir aquela parte da cidade, rasgada por três vias, a VCI, a Circunvalação e a linha férrea”, afirmou o autarca.

Sugerir correcção